ÁGUA BOA

Agronegócio

AAJ forma mais um grupo de jovens para o futuro profissional

Publicado em

Agronegócio


Em agosto, o Programa Aprendizagem de Adolescentes e Jovens (AAJ), realizado pelo Sistema FAEP/SENAR-PR, encerrou mais 14 turmas. As atividades tiveram início em março de 2020 nas usinas do Grupo Santa Terezinha, localizadas nos municípios de Ivaté, Tapejara, Cidade Gaúcha, Rondon, Iguatemi, Paranacity e Terra Rica. Agora, esses 143 jovens estão capacitados para ingressar no mercado de trabalho. Em média, 70% dos aprendizes acabam contratados ao final do programa. Criado em 2010, o programa é balizado pela Lei 10.097/2000, também conhecida como Lei do Menor Aprendiz, que, desde 2000, promove a inclusão social com o primeiro emprego e a capacitação de jovens de 14 a 24 anos, combinando formações teórica e prática. Durante o AAJ, os jovens aprendizes têm a oportunidade de adquirir competências e habilidades que contribuem para o desenvolvimento e crescimento profissional. Além do aprendizado, o programa também proporciona a inclusão do jovem no mercado de trabalho.

De 2010 a 2020, o AAJ já capacitou mais de 1,4 mil jovens, contabilizando quase 150 turmas nas diversas empresas com as quais o SENAR-PR tem parceria. “Desde o início, o AAJ está fazendo história, fornecendo conhecimento técnico e preparação profissional a esses jovens. Este trabalho que fazemos em parceria com o grupo Santa Terezinha e outras empresas do setor é um investimento no potencial desses aprendizes, porque acreditamos no futuro da juventude”, afirma Ágide Meneguette, presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR. “O AAJ tem dois diferenciais importantes: a metodologia e as parcerias que são desenvolvidas com as empresas. Ao combinar essas duas características, o jovem passa por uma verdadeira transformação, adquirindo competências, habilidades e atitudes essenciais para o mercado de trabalho”, avalia Regiane Hornung, técnica do Sistema FAEP/SENAR-PR e responsável pelo AAJ.

Amadurecimento

Apesar dos desafios impostos pela Covid-19 para as turmas de 2020/21, a avaliação dos instrutores e monitores é positiva. A monitoria também é uma das características do AAJ, que define “padrinhos” para acompanhar e instruir os jovens durante a passagem pelos departamentos da empresa.

Leia Também:  OVOS/CEPEA: Volume exportado em agosto é o menor do ano

“O processo de monitoria é fundamental, porque é nesse momento que eles têm o primeiro contato com a realidade do trabalho, os aspectos da rotina e as normas da empresa, tornando-se parte do quadro de colaboradores. É a formação de um profissional”, afirma Camila Marafão, colaboradora da unidade de Terra Rica e monitora dos aprendizes desde 2012.

Segundo Elizangela Cristina Caparroz Limper, uma das instrutoras do AAJ na unidade de Iguatemi, com a pandemia, foi necessário aprender novas formas de trabalho e de execução das atividades no meio virtual, mas a experiência trouxe bastante crescimento e amadurecimento.

“Para nós, enquanto instrutores, também é uma oportunidade, pois aprendemos a conviver com diferentes gerações. Eles são muito inteligentes, criativos e arrojados, o que nos força a caminhar junto nessa evolução”, afirma Elizangela. “O AAJ é um divisor de águas. O curso traz os jovens para um momento onde eles vão se desenvolver profissionalmente, e, assim, eles saem da posição de apenas estudantes para construir sua carreira e seus objetivos”, acrescenta.

É o caso de Murilo Bataier Guerra, 19 anos, que se formou na turma da unidade de Terra Rica. O jovem, que já se interessava pela área de mecânica, encontrou no AAJ uma oportunidade para desenvolver suas habilidades e planejar sua carreira profissional. “Foi uma experiência única, desde a parte prática até a vivência na empresa, onde a gente aprende a ter responsabilidades e compromisso. Agora pretendo cursar faculdade na área de tecnologia e levar o que aprendi no AAJ”, revela.

Para a jovem Danielli Vitoria Bergo da Silva, 18 anos, que completou o programa na unidade de Tapejara, o AAJ também trouxe uma experiência inédita.

“Eu quero fazer faculdade de Psicologia, mas também quero me especializar em máquinas, algo que aprendi com o curso e gostei muito. O núcleo básico para mim foi fundamental pelo desenvolvimento pessoal que conquistei. Vou levar o conhecimento para meu futuro, independentemente da área que escolher trabalhar”, relata.

Leia Também:  Milho: situação de escassez não será equacionada tão cedo

Além do amadurecimento adquirido pelos jovens, segundo Laercio de Oliveira Silva, monitor do AAJ na unidade de Tapejara desde 2011, o AAJ também contribui positivamente para a empresa, que tem a oportunidade de preparar os jovens colaboradores de acordo com as suas estratégias e sua cultura. “Eu costumo dizer que a gente começa construindo o alicerce. Quando o aprendiz é efetivado, ele já tem esse alicerce construído, assim fica mais fácil inseri-lo na empresa e na rotina, é um ganho muito grande”, conclui.

“O Grupo Santa Teresinha tem exercido um papel fundamental para o alcance dos resultados positivos. Nessa parceria, a empresa fornece a estrutura para as aulas teóricas, disponibilizando uma sala para os aprendizes e equipamento para a simulação do conteúdo técnico específico. A empresa também viabiliza os monitores, que são funcionários da empresa, para o acompanhamento dos aprendizes no desenvolvimento da prática profissional que acontece na dependência dos setores ao fim do curso”, destaca Marcia Aparecida Bresciani Pereira, instrutora do programa na unidade de Ivaté.

Curso

A carga-horária do AAJ é de 800 a 1,2 mil horas, dependendo da área de atuação escolhida, sendo metade destinada à prática profissional. No caso das usinas, o curso específico é a mecânica e a manutenção de tratores e máquinas.

O programa é dividido em três fases: Núcleo Básico, no qual os jovens desenvolvem competências comportamentais (gestão de pessoas, comunicação, liderança, cidadania, entre outros); Núcleo Específico, em que são abordados os conteúdos voltados à atividade profissional que irão desenvolver; e Prática Profissional, que ocorre nas oficinas das usinas, no caso das empresas do grupo Santa Terezinha.

Terra Rica
Paranacity
Rondon
Iguatemi
Tapejara
Ivaté
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Sistema Faepa/Senar vai doar 200 toneladas de alimento a famílias rurais

Publicados

em


O Sistema Faepa/Senar Paraíba vai distribuir 200 toneladas de alimento para famílias rurais em situação de vulnerabilidade no estado. A ação integra o projeto Agro Fraterno, ação de solidariedade liderada por instituições ligadas ao agronegócio em todo país.

O lançamento da ação vai acontecer na próxima segunda-feira, 20, às 10h, na sede da Faepa e do Senar, no bairro de Jaguaribe, na capital, com a entrega simbólica de cestas básicas. Nesse primeiro momento, serão distribuídas 50 toneladas, equivalentes a aproximadamente 4.000 cestas.

“A principal tarefa do agricultor e do pecuarista é produzir alimento. Num momento tão crítico, quanto esse que nossa sociedade passa, o setor rural não poderia ficar alheio às famílias do campo que também foram muito impactadas pelas consequências sociais da pandemia. Por isso, lideramos essa ação de solidariedade”, defendeu o presidente do Sistema, Mário Borba.

Ao todo, serão entregues em torno de 13.100 cestas para produtores, trabalhadores rurais e seus familiares distribuídos em 50 municípios paraibanos. São cidades que contam com a atuação de Sindicatos Rurais, ligados à Faepa e responsáveis por identificar a população vulnerável da sua região.

Leia Também:  CNA pede suplementação de recursos para o seguro rural

Solidariedade – O Agro Fraterno é uma iniciativa da CNA/Senar, OCB e entidades ligadas ao Instituto Pensar Agropecuária (IPA) que, com o incentivo da Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, tem o objetivo de auxiliar as famílias mais atingidas pela pandemia da Covid-19 em todo o país.

O Agro Fraterno no Brasil teve início no mês de junho de 2021. O movimento conta com participação voluntária de produtores, empresas e entidades ligadas ao setor. “O agro sabe de sua responsabilidade e assume o compromisso de defender os menos favorecidos nesse momento”, afirmou o presidente da CNA, João Martins.

As doações são livres e podem ser feitas com cestas de alimentos, com recursos ou com alimentos, de acordo com opção dos doadores. É necessário realizar o cadastro do doador ou do beneficiário no site: agrofraterno.com.br.

Serviço:
Lançamento do Agro Fraterno na Paraíba
Local: Sede da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba
Endereço: Rua Engenheiro Leonardo Arcoverde, 320 – Jaguaribe ()
Data e horário: 20/09 às 10h

Leia Também:  CUSTOS GRÃOS/CEPEA: Além de clima, pragas acentuam queda na produtividade do milho

Assessoria de Comunicação Sistema Faepa/Senar-PB
(83) 3048-6050 / (83) 3048-6073
facebook.com/faepasenarpb
instagram.com/faepasenarpb
twitter.com/faepasenarpb
youtube.com/faepasenarpb
senarpb.com.br

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA