ÁGUA BOA

Agronegócio

Avicultura baiana é tema de audiência pública organizada pela FAEB e ALBA

Publicado em

Agronegócio


Uma audiência pública realizada pela Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia e a Comissão da Agricultura e Política Rural da ALBA, em reunião virtual, teve como tema as dificuldades enfrentadas durante a pandemia pelo segmento da avicultura baiana. Mesmo com a perspectiva de aumento da produção para o ano de 2021, o cenário preocupa os pequenos produtores. O diretor da Associação Baiana dos Pequenos Produtores (ABAPA), Almir Eloy, afirmou que houve uma redução de 80% das atividades, por conta da pandemia.

O presidente do Sistema Faeb/Senar, Humberto Miranda, pontuou as dificuldades que os produtores e o agronegócio baiano têm sofrido. “A pandemia trouxe muitas dificuldades a serem enfrentadas pelo produtor rural baiano. Hoje, a avicultura é uma atividade que gera muito emprego em nosso estado, dados do IBGE apontam mais de 300 mil empregos, segundo o censo de 2017. E, com certeza, em números atuais, devemos ter um crescimento muito maior. A Bahia bateu recorde na produção de carne e ovos, mesmo com todos os entraves”.

De acordo com o Censo Agropecuário, a Bahia possui o maior número de estabelecimentos agropecuários com aves do país. Em 2020, o estado exportou mais de US$ 3 milhões em carne de frango. Além disso, os estabelecimentos baianos ocupam o primeiro lugar na produção de ovos de galinha. Apesar disso, o setor também enfrentou problemas. Dario Mascarenhas, presidente da Associação Baiana de Avicultura (ABA), apresentou alguns números do setor e também os problemas encontrados. “O segmento gera 15 mil empregos diretos, mais de 1.000 famílias integradas, e o ano de 2020 mesmo sendo um ano de pandemia, nós tivemos um crescimento de 11% na produção de carne de frango no estado. Por outro lado, enfrentamos um aumento de 51% no preço da produção do kg do frango”.

Leia Também:  Faculdade CNA prorroga prazo de inscrição do processo seletivo até 2 de agosto

Mascarenhas também listou algumas das dificuldades dos produtores, como o ICMS referente às vendas interestaduais de carne de frango; problemas com fornecimento de energia e demora na implantação de novos projetos; implantação do SIAPEC; e a vacinação de funcionários das indústrias produtoras de alimentos.

A presidente da comissão e deputada Jusmari Oliveira (PSD) reforçou a importância da avicultura e se colocou à disposição para ajudar o segmento. “A avicultura baiana é um setor muito importante, a carne de frango é um alimento indispensável para população e também para a economia baiana, principalmente por conta da sua exportação. Esta audiência tem a finalidade de sabermos como nossa comissão pode ajudar no enfrentamento dessas dificuldades”, disse a deputada.

Jusmari também afirmou que já está em pauta o problema de fornecimento de energia da COELBA, com o chamamento da empresa para uma audiência pública para prestar esclarecimentos. Sobre a desoneração do ICMS, a deputada sinalizou que o tema foi levado ao governador do estado, pois é um assunto importante para a competitividade dos empreendedores baianos.

Leia Também:  Último dia de inscrição no vestibular da Faculdade CNA

A audiência contou com as presenças do deputado Federal, Zé Neto (PT); do diretor de Defesa Sanitária Animal, Carlos Augusto, e outros representantes da ADAB; do presidente do Fundo de Apoio a Pecuária do Estado da Bahia (FUNDAP), Marcelos Martins; do assessor jurídico da FAEB, Carlos Bahia; da assessora econômica da FAEB, Bárbara Cordeiro; da diretoria da FAEB; e de outros representantes do setor agropecuário.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Campo Futuro levanta custos de produção em nove estados

Publicados

em


Brasília (30/07/2021) – O Projeto Campo Futuro levantou nesta semana os custos de produção de aquicultura (piscicultura), cana-de-açúcar, grãos (soja, milho e feijão), pecuária de leite e pecuária de corte.

Os encontros ocorreram de forma virtual como medida de segurança para atender os protocolos sanitários com o objetivo de evitar o contágio do coronavírus.

Os painéis de grãos ocorreram em Cristalina (GO), Dourados (MS) e Naviraí (MS). Em Morro Agudo (SP), Campo Florido (MG), João Pessoa (PB) e Recife (PE), ocorreram os levantamentos de cana-de-açúcar.

Houve, ainda, um painel de pecuária de leite, em Marmeleiro (PR), um de pecuária de corte, em Santa Maria (RS) e um de piscicultura, em Cuiabá (MT).

Os levantamentos foram feitos pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Centro de Inteligência de Mercados da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA), Labor Rural (Universidade Federal de Viçosa – UFV) e Pecege (Esalq/USP).

A iniciativa analisa as informações obtidas a partir da realidade produtiva apresentada pelos produtores. Participam dos encontros virtuais (medida de segurança para evitar o contágio do coronavírus) representantes das federações estaduais de agricultura e pecuária, sindicatos rurais dos municípios e produtores rurais. Os dados obtidos são preliminares.

Leia Também:  Revitalização de bacias hidrográficas vai auxiliar na segurança alimentar, avalia CNA

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA