ÁGUA BOA

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Baixa oferta impulsiona preço da tahiti; laranja se desvaloriza

Publicado em

Agronegócio


Cepea, 11/6/2021 – Os preços da lima ácida tahiti seguem em alta, impulsionados pela menor oferta da variedade no mercado. Na parcial desta semana (de segunda a quinta-feira), a variedade registrou média de R$ 18,97/cx de 27 kg, colhida, aumento de 14,1% frente à do período anterior. Segundo colaboradores do Cepea, a demanda industrial tem auxiliado no controle da disponibilidade da tahiti e, principalmente, na seleção das melhores frutas para o segmento in natura – atualmente, três processadoras de pequeno porte estão recebendo a fruta (nas cidades paulistas de Duartina, Engenheiro Coelho e Itajobi), remunerando de R$ 20,00 a R$ 22,00/cx de 40,8 kg, colhida e posta na fábrica. Já para a laranja do  mercado in natura, apesar de o início do mês tipicamente elevar a demanda, a frente fria que vem passando pelo estado de São Paulo limitou a procura pela fruta nos últimos dias. Na parcial desta semana, a média da laranja pera está em R$ 32,23/cx de 40,8 kg, na árvore, queda de 4,1% frente à da semana passada. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Leia Também:  Produtos certificados com Selo Nacional da Agricultura Familiar crescem 900%
Fonte: CEPEA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Publicados

em


Sustentabilidade

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Localizadas em propriedades rurais as fontes estão 97% preservadas

12/06/2021

Levantamento realizado pelo projeto Guardião das Águas, de iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), identificou que produtores rurais de Primavera do Leste, região Sudeste do Estado preservam 97% das nascentes. O estudo apontou que, das 259 fontes encontradas em áreas agricultáveis, 250 estão em ótimo estado de conservação. O município possui 194.329 mil hectares de plantio de milho e 285.507 mil ha de cultivo de soja.

O estudo aponta também, que produtores rurais de Paranatinga, Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Rondonópolis, Cuiabá e Itiquira também preservam o patrimônio natural. Nesses municípios os resultados mostram um percentual de conservação das fontes entre 95 e 99%. O Guardião das Águas é desenvolvido há três anos e já mapeou 63.859 nascentes em 34 municípios do Estado.

O mapeamento tem como objetivo avaliar e diagnosticar as nascentes dos municípios produtores de soja e milho, de acordo com o grau de conservação, além de apoiar a regularização ambiental e fomentar estratégias internacionais.

Leia Também:  BATATA/CEPEA: Safra das secas se intensifica, e preços recuam

Gerente de Sustentabilidade e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que “o Guardião das Águas é uma ação contínua que serve para instruir o produtor associado sobre os trabalhos de restauro florestal que precisam ser realizados nas fazendas”.

Em Primavera do Leste, na fazenda do produtor rural Rafael Zanin, as nascentes estão intactas. “Nossa área é de cerca de 5 mil hectares, aqui cultivamos soja, milho e pecuária. Fazemos aceiro, áreas de dreno, não derrubamos árvores, nem o gado bebe água das nascentes, pois temos poço artesiano e local apropriado para eles. Separamos o lixo e reciclamos, tudo com muita responsabilidade, já que em nossa propriedade temos três dos principais biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal”.

Morador de Paranatinga há uma década, o produtor rural Abel Dognani, se orgulha ao falar do município e suas potencialidades. A fazenda de 2.500 hectares possui diversas nascentes preservadas, bem como reserva legal intacta. “Plantamos soja e milho, mas temos a consciência da preservação do meio ambiente. Reflorestamos cerca de 20 a 30 metros em torno das nascentes e com isso os açudes (represas de água) estão cheios, o que atende toda a demanda da fazenda”, enfatizou Abel.

Leia Também:  Senar destaca indicação geográfica para diferenciação de alimentos

O projeto Guardião das Águas tem responsabilidade com o meio ambiente.“A sustentabilidade no agronegócio envolve práticas ambientais nas atividades agrícolas, bem como adoção de novas tecnologias e aplicação de métodos sustentáveis na rotina do campo. Prova disso é a preservação das nascentes em propriedades rurais, em média 95% delas em ótimo estado de conservação”, declarou presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA