ÁGUA BOA

Agronegócio

CNA discute Plano Safra e mudanças de regras para Fundos Constitucionais

Publicado em

Agronegócio


Brasília (15/07/2021) – A Comissão Nacional de Política Agrícola da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na quarta (14), para discutir o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2021/2022 e a Medida Provisória nº MP 1052/2021, que propõe alterações nas regras de remuneração dos Fundos Constitucionais de Financiamento.

A assessora técnica da comissão, Fernanda Schwantes, detalhou pontos positivos e negativos do PAP e apresentou as principais linhas de financiamento para a atual safra. O volume total de recursos do plano é de R$ 251,2 bilhões, 6,3% a mais do que o ano passado. Deste total, o montante para investimentos será de R$ 73,4 bilhões, alta de 29%, sendo um dos pontos mais positivos do plano, com mais recursos para a construção de armazéns (R$ 4,12 bilhões, 84% a mais).

José Mário Schreiner, presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola

“O governo fez um Plano Safra de acordo com sua atual realidade fiscal e orçamentária e conseguiu atender grande parte dos anseios dos produtores, com mais recursos para investimentos em armazéns, sustentabilidade e beneficiando também o pequeno e médio produtor. Outros pontos poderiam ser melhores, como os juros e a questão do seguro rural. Mas de forma geral ficou dentro das expectativas”, disse o presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola, José Mário Schreiner.

Também houve aumento de recursos para pequenos e médios produtores. O Pronaf terá R$ 39,34 bilhões, alta de 19% em relação a 2020, com aumento do limite da renda bruta para enquadramento, de R$ 415 mil para R$ 500 mil, incremento de 20,5%. Já o Pronamp terá R$ 34 bilhões em recursos, elevação de 3% em relação à safra passada, e o aumento do limite de renda bruta para classificação, de R$ 2 milhões para R$ 2,4 milhões, 20% a mais.

Leia Também:  Cultivo de açaí no Pará é exemplo de produção sustentável

Outro ponto positivo do PAP foi o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC), que teve complemento de 102% nos recursos para investimentos sustentáveis nessa safra, com volume total de R$ 5,05 bilhões.

Fernanda Schwantes, assessora técnica da CNA

O orçamento para o Programa de Subvenção ao Prêmio de Seguro Rural (PSR) será de R$ 1 bilhão em 2022. O PAP 2021/2022 aumentou o limite de recursos que o produtor pode acessar em subvenção ao prêmio do seguro rural, de R$ 48 mil para R$ 60 mil, para as atividades agrícolas. O governo também destinará um aporte de R$ 13 bilhões para equalização das taxas de juros, que variam de 3% a 8,5%.

Os integrantes da Comissão também discutiram o Plano Safra dos bancos oficiais que operam crédito rural. O Banco do Brasil vai fornecer R$ 135 bilhões, enquanto Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste (BNB) e Banco da Amazônia vão disponibilizar R$ 35 bilhões, R$ 9,5 bilhões e R$ 7 bilhões, respectivamente.

Fundos Constitucionais – A assessora do Núcleo Econômico da CNA, Isabel Mendes, fez um relato das discussões em torno da Medida Provisória 1.052/2021, que trouxe, entre outros pontos, mudanças nas regras de remuneração dos Fundos Constitucionais de Financiamento (FNE, FNO e FCO).

Ela mostrou as vantagens e também os riscos da versão original da MP, que pode afetar a política de crédito dos bancos oficiais que operam com crédito para o setor agropecuário (BB, BNB e Basa).

Leia Também:  MILHO/CEPEA: Com proximidade da colheita, preço cai na maior parte das regiões

“A MP traz, por um lado, uma importante oportunidade de discutir como os recursos dos fundos podem ser melhor aplicados para chegar àqueles que mais precisam e assegurar de forma cada vez mais eficiente o cumprimento do objetivo dos Fundos Constitucionais, de promoção socioeconômica das regiões menos desenvolvidas”, explicou.

Entre os pontos que merecem atenção e preocupam o setor estão: a possibilidade de maior dificuldade de acesso ao mini e pequeno produtor (aumentos nas exigibilidades); redução nos prazos para pagamento, menos recursos destinados para a finalidade de investimento; e queda nos desembolsos (empoçamento dos recursos disponibilizados).

Por outro lado, os pontos positivos da MP são: maior pulverização da rede de instituições para emprestar os recursos; possibilidade de taxa de juros pré-fixada para o crédito não rural; e, principalmente, maior disponibilidade de recursos para novas concessões de crédito.

Na avaliação de Isabel, o aumento da disponibilidade dos recursos dos fundos para novas operações de crédito e a possibilidade de maior participação de outras instituições financeiras, ampliando o alcance dos financiamentos, vão no sentido de melhorar ainda mais a aplicação dos recursos dos fundos.

Por outro lado, ressaltou, é preciso estar atendo a eventuais dificuldades que o produtor rural possa enfrentar no acesso ao crédito, caso sejam necessárias alterações na política de crédito dos bancos a fim de se ajustar às mudanças promovidas pela MP.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
cnabrasil.org.br
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Comunidade amplia conhecimentos sobre avicultura após série de treinamentos

Publicados

em


Pequenos criadores de 11 aldeias indígenas de Campo Novo do Parecis aprenderam a preparar rações para aves com os alimentos produzidos na própria comunidade. O curso faz parte de uma série de treinamentos pela parceria entre Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT) e Sindicato Rural.

Eles aprenderam misturas com milho, mandioca e farelo de soja. Segundo a instrutora credenciada junto ao Senar-MT, Anna Luz, o conhecimento auxiliará na redução de custos já que os criadores poderão utilizar os alimentos que já produzem. “Foram ensinadas alternativas de alimentação com o que era acessível para eles, adequando a prática à realidade”, afirma.

Ainda de acordo com a instrutora, um dos pontos mais importantes do curso é sobre o uso adequado de ração para cada fase do animal. “Para ter mais lucratividade é necessária que a ração esteja de acordo com a fase de criação. Às vezes, por falta deste conhecimento, os criadores têm mais gastos”.

Moradora da Aldeia Wazare, Valdirene Szakenaezokero, já trabalhava com criação de aves e aprendeu muito com o treinamento. “Me ajudou como criar os animais desde os pintainhos até o abate. Aprendemos a produzir alimento com o que já temos e foi muito interessante”, destaca.

Leia Também:  MILHO/CEPEA: Com proximidade da colheita, preço cai na maior parte das regiões

Mobilizadora do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis, Lussandra Lapinsk, afirma que este já é o terceiro treinamento direcionado à comunidade indígena do município e em parceria com a Cooperativa Agropecuária do Povo Indígena Haliti Paresi (Coopiparesi). “Estamos realizando diversas capacitações e tenho mais uma para encerrar ainda este mês”.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA