ÁGUA BOA

Agronegócio

CNA e Embrapa debatem programa Soja Baixo Carbono

Publicado em

Agronegócio


Brasília (08/06/2021) A Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na terça (8), para discutir sobre o Programa Soja Baixo Carbono (SBC), que está sendo elaborado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja).

O objetivo da iniciativa é criar critérios mensuráveis das técnicas de manejo empregadas pelo produtor na produção de soja, com foco em ações que mitiguem as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). Segundo o pesquisador da Embrapa Soja, Marco Antônio Nogueira, o programa é voltado apenas para o produto soja.

“Além de quantificar a emissão dos gases, o SBC vai promover ainda mais a conservação do solo e da água, o uso racional de pesticidas e defensivos, o aumento da eficiência de uso de fertilizante e o incentivo ao uso de bioinsumos. Com isso, teremos redução de custos, do impacto ambiental e aumento de produtividade”, explicou Nogueira.

De acordo com a Embrapa, a proposta é criar uma metodologia brasileira, baseada em protocolos científicos validados internacionalmente, dentro de dois anos. “A ideia é ajudar o produtor a certificar a soja que foi produzida com baixa intensidade de emissão de carbono”, disse o chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno.

Leia Também:  ÁREA IRRIGADA NO BRASIL CRESCE 18,96% EM 2020

“Essa certificação da soja será voluntária, mas precisamos envolver o máximo de produtores possível. Quantificar e expor a sustentabilidade da soja brasileira para o mercado internacional é um tema fundamental. Não temos que seguir o que os outros players estão fazendo, mas escolher o caminho da liderança”, destacou o presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli.

Para a chefe de Transferência de Tecnologias da Embrapa, Carina Rufino, o maior beneficiado do projeto é o produtor rural. “O Brasil tem potencial de assumir o protagonismo nessas discussões. O SBC é um trabalho de nível internacional”.

Apesar da Embrapa Soja estar coordenando o processo, a construção da metodologia do Programa SBC será participativa, envolvendo diversos atores da cadeia produtiva da soja. Depois dessa etapa, serão desenvolvidos os protocolos de certificação por meio de parcerias com órgãos certificadores internacionalmente reconhecidos.

A gestão de risco de preços de soja e milho também foi discutida durante a reunião da Comissão. O analista da Agrinvest, Marcos Araújo, afirmou que, para o produtor, o sucesso da comercialização não depende da sua capacidade de adivinhar o futuro, mas sim de um plano de comercialização baseado na autodisciplina e no gerenciamento financeiro.

Leia Também:  SUÍNOS/CEPEA: Valores reagem em muitas regiões

“A gestão de risco é um processo permanente que deve ser monitorado de perto. O risco é medido em função da probabilidade e impacto. Devemos avaliá-lo via análises qualitativas, quantitativas ou a combinação de ambas”, disse.

O presidente Ricardo Arioli destacou que o objetivo de debater o tema é buscar maneiras de socializar as ferramentas de proteção de preço para mais produtores, diminuindo a dependência de trading do atual sistema de contratos a termo.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Publicados

em


Sustentabilidade

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Localizadas em propriedades rurais as fontes estão 97% preservadas

12/06/2021

Levantamento realizado pelo projeto Guardião das Águas, de iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), identificou que produtores rurais de Primavera do Leste, região Sudeste do Estado preservam 97% das nascentes. O estudo apontou que, das 259 fontes encontradas em áreas agricultáveis, 250 estão em ótimo estado de conservação. O município possui 194.329 mil hectares de plantio de milho e 285.507 mil ha de cultivo de soja.

O estudo aponta também, que produtores rurais de Paranatinga, Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Rondonópolis, Cuiabá e Itiquira também preservam o patrimônio natural. Nesses municípios os resultados mostram um percentual de conservação das fontes entre 95 e 99%. O Guardião das Águas é desenvolvido há três anos e já mapeou 63.859 nascentes em 34 municípios do Estado.

O mapeamento tem como objetivo avaliar e diagnosticar as nascentes dos municípios produtores de soja e milho, de acordo com o grau de conservação, além de apoiar a regularização ambiental e fomentar estratégias internacionais.

Leia Também:  Boi gordo teve queda de preço, mas segue acima de R$ 300 a arroba

Gerente de Sustentabilidade e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que “o Guardião das Águas é uma ação contínua que serve para instruir o produtor associado sobre os trabalhos de restauro florestal que precisam ser realizados nas fazendas”.

Em Primavera do Leste, na fazenda do produtor rural Rafael Zanin, as nascentes estão intactas. “Nossa área é de cerca de 5 mil hectares, aqui cultivamos soja, milho e pecuária. Fazemos aceiro, áreas de dreno, não derrubamos árvores, nem o gado bebe água das nascentes, pois temos poço artesiano e local apropriado para eles. Separamos o lixo e reciclamos, tudo com muita responsabilidade, já que em nossa propriedade temos três dos principais biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal”.

Morador de Paranatinga há uma década, o produtor rural Abel Dognani, se orgulha ao falar do município e suas potencialidades. A fazenda de 2.500 hectares possui diversas nascentes preservadas, bem como reserva legal intacta. “Plantamos soja e milho, mas temos a consciência da preservação do meio ambiente. Reflorestamos cerca de 20 a 30 metros em torno das nascentes e com isso os açudes (represas de água) estão cheios, o que atende toda a demanda da fazenda”, enfatizou Abel.

Leia Também:  Soja tem o menor preço desde o começo de janeiro; veja notícias desta 2ª

O projeto Guardião das Águas tem responsabilidade com o meio ambiente.“A sustentabilidade no agronegócio envolve práticas ambientais nas atividades agrícolas, bem como adoção de novas tecnologias e aplicação de métodos sustentáveis na rotina do campo. Prova disso é a preservação das nascentes em propriedades rurais, em média 95% delas em ótimo estado de conservação”, declarou presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA