ÁGUA BOA

Agronegócio

Dia da Avicultura – Alimentos essenciais para os consumidores

Publicado em

Agronegócio


Brasília (28/08/2021) – Nutritivos, saudáveis, ricos em proteínas e vitaminas, as carnes de aves e os ovos fazem parte da lista de alimentos essenciais dos consumidores e desempenham um papel importante na economia doméstica e na balança comercial.

Os números da avicultura, atividade celebrada neste sábado (28), impressionam e dão a exata dimensão da atividade no Brasil. Em 2020, o país produziu 55 milhões de cabeças de frango em alojamento de matriz de corte, totalizando 13,8 milhões de toneladas, de acordo com dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Desse total, 35,47% foi produzido pelo estado do Paraná, 14,88% por Santa Catarina e 14,02% pelo Rio Grande do Sul.

O desempenho e esforço dos avicultores também contribuem para manter o Brasil na liderança mundial de exportação de frango. Segundo a Secex, só no ano passado, o país embarcou 4,23 milhões de toneladas para mais de 150 países. Os principais destinos foram China (16,3%), Arábia Saudita (11,3%) e Japão (9,9%).

Com relação aos ovos, em 2020 foram produzidas 53 bilhões de unidades, sendo 99,69% destinadas ao mercado interno, de acordo com números da ABPA. O Estado de São Paulo é o maior produtor do país.

O consumo per capita de ovos tem apresentado crescimento ao longo dos anos. Em 2020, cada habitante consumiu em média 251 unidades. Já em 2019, o total chegou a 230 unidades. A carne de frango também está presente em todas as classes sociais e 80% da população brasileira come no mínimo de duas a três vezes por semana. No ano passado, totalizou 45,27 quilos por habitante.

No Brasil, o principal modelo produtivo da avicultura é o sistema de integração. Na relação contratual, a agroindústria fornece os insumos, assistência técnica e garante o fornecimento dos animais, enquanto o produtor se responsabiliza pela criação.

O sistema é regulamentado pela Lei da Integração nº 132.88/2016, que além de estabelecer regras para dar segurança jurídica aos envolvidos, permite maior participação dos produtores nas decisões do dia a dia, por meio do Fórum Nacional de Integração Agroindustrial de Aves e Suínos (Foniagro) e das Comissões de Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração (Cadecs).

Leia Também:  Turmas da Faculdade CNA participam de solenidade de colação de grau

Durante os cinco anos da Lei, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) auxilia os produtores rurais com suas obrigações e responsabilidades na relação contratual. A Comissão Nacional de Aves e Suínos criou uma estrutura de consultoria técnica e jurídica e desenvolveu o Projeto Cadec Brasil para esclarecer pontos previstos na Lei. Também contribuiu para a construção do Manual de Boas Práticas das Cadecs.

Para o vice-presidente da Comissão e produtor há 17 anos em Mato Grosso do Sul, Adroaldo Hoffmann, a avicultura integrada é uma atividade extremamente importante, principalmente para os pequenos produtores rurais, que se tornam grandes através de tecnologia, genética, bom manejo e resultados expressivos em termos de índices zootécnicos.

“Gerar renda e emprego e abastecer a produção de aves em áreas entre 5 e 10 hectares é a mais pura demonstração da habilidade e comprometimento que o nosso produtor tem com a atividade. As palavras para elogiar os produtores são comprometimento, disciplina e resiliência”, disse.

Segundo Adroaldo, a Comissão Nacional de Aves e Suínos identifica pontos que precisam ser debatidos e aperfeiçoados entre as partes integradas e discute soluções que possibilitem maior sustentabilidade da atividade.

“A avicultura é uma atividade que demanda alto uso de tecnologia e consequentemente, de recursos financeiros. Produtor defasado tecnologicamente fatalmente sairá da atividade em longo prazo. Então devemos debater e aperfeiçoar o sistema e continuar o trabalho de capacitação das lideranças, pois o conhecimento abre as portas para o diálogo em alto nível e permite identificar gargalos e buscar soluções”, afirmou.

Confira abaixo o depoimento de produtores:

THIAGO PREVIDI

Caxambu do Sul – Santa Catarina

Thiago e o filho na granja

Thiago está na avicultura desde 2012. Seu sistema de produção é de ovos férteis e recria de galinhas, o que permite ver a produção como um todo. “Como veterinário, sempre busquei algo que me mantivesse em contato com os animais. O ciclo produtivo de aves é fascinante, pelos desafios zootécnicos, sanidade, manejo, gestão e genética”.

Leia Também:  Ex-aluno do JAA assume secretaria de Agricultura no Noroeste do PR

Para o produtor, a avicultura é desafiante, mas também é capaz de dar uma condição de vida melhor para a sua família e para os 21 funcionários e seus respectivos familiares que hoje fazem parte da “Granja Volta Grande”.

Thiago Previdi já participou de cursos e programas em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e com a cooperativa. “Fizemos o curso de gestão de pessoas aos nossos encarregados, o que evoluiu a granja tanto administrativamente, como na qualidade de trabalho de nossos colaboradores”, disse.

DIENER GONÇALVES DE SANTANA

Cianorte – Paraná

Diener iniciou na atividade da avicultura no ano de 2003. Sua principal motivação foi a de produzir alimentos, dar continuidade à vida e sustentabilidade à agricultura familiar.

“Todos os ramos de negócios passam por momentos bons e momentos difíceis. Hoje passamos por um momento difícil, mas no apanhado geral, desde o início até os dias de hoje, a atividade nos proporcionou uma vida melhor”, disse.

O avicultor do município de Cianorte contou que já fez vários cursos pelo Senar, dos quais destacou: Avicultura – Manejo e ambiência, Motores elétricos – instalação e manutenção; e o mais importante e que foi divisor de águas em sua vida: o curso de liderança.

O Senar disponibiliza uma cartilha sobre produção de frangos e galinhas poedeiras. Confira: https://www.cnabrasil.org.br/senar/colecao-senar

Conheça os cursos online do Senar. O portal de educação oferece mais de 80 cursos.  Saiba mais:  http://ead.senar.org.br/

Veja a live sobre o Manual de Boas Práticas das Cadecs e a Relação na Integração:

Assessoria de Comunicação CNA, com o apoio das Federações de Agricultura do Paraná (Faep) e de Santa Catarina (Faesc)
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

ETANOL/CEPEA: Apesar da lentidão dos negócios, preço está firme; algumas usinas já finalizam moagem

Publicados

em


Cepea, 28/9/2021 – O volume de biocombustíveis adquirido no mercado spot do estado de São Paulo tem oscilado bastante nesta temporada. Segundo pesquisadores do Cepea, a maior quantidade adquirida na safra atual foi registrada na semana de 13 a 17 de setembro, mas esse volume ainda foi menor que o observado em períodos da temporada anterior. Mesmo com a baixa liquidez, os preços dos etanóis hidratado e anidro seguem firmes em São Paulo, tendo como suporte a oferta restrita. No acumulado da parcial da temporada (de abril/21 até a semana passada), o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado subiu 42,5%, em termos nominais, e o do anidro, 51,4%. O Cepea registrou que, no estado de São Paulo, algumas usinas já encerraram as atividades de produção da safra 2021/22. Em certos casos, houve transferência de matéria-prima para outras filiais do mesmo grupo. Assim, tem-se, na presente safra, um padrão de moagem mensal bastante diferente do observado em anos anteriores, quando, em setembro, ainda se registrava um bom volume de cana sendo processado. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Leia Também:  Ex-aluno do JAA assume secretaria de Agricultura no Noroeste do PR
Fonte: CEPEA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA