ÁGUA BOA

Agronegócio

Em apenas 1 semestre, apicultor atendido pela ATeG MS transforma manejo e produção de mel

Publicado em

Agronegócio


Com assistência técnica em propriedade houve redução de custos e aumentou número de enxames.

Um semestre já está sendo importante para as grandes mudanças na propriedade do apicultor José Jorcuvich, na cidade de Dourados. Desde quando passou a ser atendido pela Assistência Técnica e Gerencial do Senar/MS, conseguiu aumentar o tamanho dos enxames e reduzir em até três vezes o custo de alimentação das abelhas. Esse é o case de sucesso da série #TransformandoVidas desta semana.

“Comecei há cinco anos sem saber de nada e toquei ‘na sorte’, sem ter orientação. Colhia pouco, em média 10 quilos por caixa em cada safra. E sempre ouvia o pessoal dizer que colhia de 30 a 50 quilos. Queria chegar lá”, lembra.

A partir do acompanhamento do técnico de campo do Senar MS, José já percebe as mudanças, mesmo sem ainda ter colhido a primeira safra de mel.

“Estou notando que as minhas colmeias estão ‘bombando’, com muitas abelhas. Daqui para frente o trabalho será ainda melhor, pois agora temos essa orientação técnica”, diz.

Leia Também:  Curso de Liderança Rural promove oportunidades para mulheres

“O custo de alimentação foi reduzido em até três vezes, pois a quantidade foi revista. Eu dava muito mais, sem necessidade. Se tivesse entrado para a ATeG antes, já teria ainda mais avanço com as abelhas e com a produção. Muito bom mesmo”, afirma.

Transformando Vidas – Toda sexta-feira, o Sistema Famasul divulga uma reportagem sobre a atuação do Senar/MS e as suas transformações no campo. Confira outras histórias de sucesso no canal no YouTube, e reportagens sobre Apicultura em ‘Mercado Agropecuário’ e ‘Educação no Campo’.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul – Leandro Abreu

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Projeto na Apae Rebouças ultrapassa muros da escola

Publicados

em


Em Rebouças, na região Sul do Paraná, a escola da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) teve sua rotina transformada pelo Programa Agrinho, desenvolvido há mais de duas décadas pelo Sistema FAEP/SENAR-PR. A professora Marilei Bochnia aproveitou o tema “Do campo à cidade: saúde é prioridade” da edição 2021 e implantou um projeto para estimular os cuidados com a saúde por parte dos alunos.

O trabalho com o Agrinho começou já nos primeiros meses deste ano, a partir da participação dos professores nos eventos online do Sistema FAEP/SENAR-PR e uso dos materiais didáticos com os alunos. Com o retorno das aulas presenciais, Marilei intensificou o trabalho colaborativo e mobilizou a comunidade para ajudar na missão de melhorar a vida dos alunos por meio do Programa Agrinho. “A ideia inicial era algo simples, mas o projeto tomou proporções enormes. Não tem mais como tirar o Agrinho da escola”, comemora a professora.

Um dos destaques do projeto é o “Painel da Saúde”, que reúne informações sobre a importância da água para o meio ambiente e para a vida humana. No painel, os alunos também utilizam tampinhas de garrafa PET para marcar quanto de água consumiram e se fizeram alguma boa ação para a saúde do planeta, como, por exemplo, escovar os dentes com a torneira fechada. Ainda, há a tampinha da ação negativa, que é utilizada para corrigir atitudes que causam o desperdício de água. No final do bimestre, os alunos que tiveram o melhor desempenho são reconhecidos e recebem prêmios.

Leia Também:  Feira Natural do Campo será inaugurada nesta semana

“Começamos o painel com uma turma e agora já envolvemos toda a escola. Todos ficam muito empolgados com as marcações, além de ser um estímulo ao desenvolvimento das habilidades motoras, cognitivas e sociais. Os pais também passaram a estar mais presentes na rotina das crianças”, afirma a professora. “Nossos alunos têm um histórico de ne gligência e vulnerabilidade com essas questões de saúde. Por isso é um projeto muito importante para toda a família participar”, complementa.

Agrinho no palco

Outra ação da professora Marilei que se sobressaiu entre os alunos foi a produção de teatros com participação do Agrinho como narrador – em formato de fantoche reciclável. O sucesso foi tanto que o personagem já foi adotado como mascote oficial das peças teatrais da escola. “Os teatros são focados na saúde do campo, cuidados com a água, saúde bucal, alimentação saudável, educação física, enfim, uma série de temas interligados”, elenca a professora.

Além dos teatros, o projeto da Apae de Rebouças incluiu produção de vídeos, palestras com profissionais da área e a criação do aplicativo “Agro e saúde” para compilar os materiais produzidos e facilitar a divulgação do projeto – que, até então, estava acontecendo por meio das redes sociais e grupos do WhatsApp. A repercussão na comunidade foi tamanha que, inclusive, outras escolas do município se interessaram.

“Foi uma mobilização que ultrapassou a escola e a família. Estamos sendo convidados para apresentar os teatros nas escolas regulares. Elas também entraram em contato querendo reproduzir o projeto e adaptá-lo para seus alunos. Isso é maravilhoso, pois conseguimos transcender os muros da escola e atingir as diversas esferas da sociedade”, destaca. Agora, com o trabalho já consolidado na Apae de Rebouças, o objetivo da professora Marilei é dar continuidade nos anos seguintes, implantando novas ações e estendendo as atividades para a rede escolar do município.

Leia Também:  Presidente da CNA e embaixador do Reino Unido analisam metas dos países para a COP 26

“Nós vemos a mudança na vida dos alunos. Eles têm vontade de vir para a escola e querem participar das atividades. As famílias também comentam a mudança positiva, uma motivação a mais, já que a família é importante no núcleo escolar”, salienta. “Um programa como o Agrinho, que permite a realização de projetos como esse, é uma contribuição fundamental para a educação”, conclui.

Concurso terá premiação no dia 18 de novembro

A edição 2021 do Concurso Agrinho recebeu 4.892 inscrições. As próximas etapas envolvem a triagem dos trabalhos, a avaliação por uma banca e o evento de premiação, marcado para 18 de novembro.

Os trabalhos do Concurso Agrinho são fruto da mobilização que ocorre anualmente nas redes de ensino público e privado no Paraná. Alunos que frequentam as escolas de ensinos Fundamental e Médio elaboram trabalhos (desenhos e redações), assim como os professores executam suas experiências pedagógicas.

No dia 18 de novembro, durante o evento de premiação que será online, alunos e professores premiados irão receber notebooks, tablets, smartphones, projetores multimídia, fones com microfone e computadores.

O evento online será transmitido pelas redes sociais do Sistema FAEP/SENAR-PR.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA