ÁGUA BOA

Agronegócio

Prevenção é o melhor caminho para o controle da monilíase do cacaueiro, diz CNA

Publicado em

Agronegócio


Brasília (13/09/2021) – Na avaliação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o controle fitossanitário da monilíase do cacaueiro pode ser feito por meio da prevenção com diversas iniciativas para evitar a entrada e erradicação dos focos já existentes.

O assunto foi discutido em audiência pública na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados na segunda (13), depois que surgiram casos da doença no município de Cruzeiro do Sul (AC).

“A prevenção é o primeiro passo e onde devem ser dedicados esforços nesse primeiro instante”, afirmou o coordenador de Produção Agrícola da CNA, Maciel Silva. “Ficamos preocupados com o potencial risco para a cultura do cacau, mas confortáveis com a atuação estruturada e bem organizada do Ministério da Agricultura com apoio das instituições de pesquisa e dos órgãos de defesa dos estados”, ressaltou.

A monilíase é causada por um fungo chamado Moniliophthora roreri, que ataca somente os frutos do cacaueiro em qualquer fase do desenvolvimento.

“Sabemos dos desafios. Nossa fronteira é bem extensa, principalmente na região Norte com países com a presença da praga, o que dificulta o trabalho do ministério e dos agentes de defesa dos estados, além das rodovias que também dificultam o controle, mas o Mapa tem feito um trabalho exemplar”, disse Silva.

Leia Também:  SENAR-SP oferece cursos que contribuem com o controle de febre aftosa

O coordenador de Produção Agrícola da CNA disse ainda que a confederação tem realizado ações para informar o produtor rural sobre a praga e o potencial risco da entrada em novas áreas.

“Temos reforçado com nossas bases sobre o trânsito de material vegetativo. Os produtores precisam ter condições de identificar a praga, fazer o isolamento da área e chamar os órgãos de defesa dos estados para tomar as medidas de precaução. Disseminar informações corretas e adequadas é parte importante do processo de prevenção”, disse.

“É algo que nos preocupa porque só um número pequeno de produtores consegue fazer a identificação adequada, daí a confusão com outros tipos de fungos até mesmo com a vassoura-de-bruxa. Por isso, ações informativas são relevantes nesse momento.”

Maciel Silva reforçou a importância da prevenção, seja por meio do monitoramento ou mesmo pelo melhoramento genético preventivo do cacaueiro, que tem mostrado resultados positivos em outros países. Ele colocou o Sistema CNA à disposição para ações de orientação, capacitação e assistência técnica aos produtores rurais da cadeia produtiva.

Leia Também:  Preço médio da saca de soja em Mato Grosso do Sul tem valorização de 60%

“Precisamos fazer um esforço maior porque sem sombra de dúvidas a prevenção é o melhor caminho para podermos fazer a gestão desse tipo de problema. Esperamos que não avance, que seja apenas um ponto isolado que possa ser controlado por medidas educativas.”

O debate contou também com a participação do pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Rafael Moyses Alves, da coordenadora-geral de Proteção de Plantas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Graciane Castro, do presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf), José Francisco Thum, e da fiscal agropecuária da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Catarina Cotrim de Mattos Sobrinho.

Assista o debate na íntegra:

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
cnabrasil.org.br
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

ETANOL/CEPEA: Apesar da lentidão dos negócios, preço está firme; algumas usinas já finalizam moagem

Publicados

em


Cepea, 28/9/2021 – O volume de biocombustíveis adquirido no mercado spot do estado de São Paulo tem oscilado bastante nesta temporada. Segundo pesquisadores do Cepea, a maior quantidade adquirida na safra atual foi registrada na semana de 13 a 17 de setembro, mas esse volume ainda foi menor que o observado em períodos da temporada anterior. Mesmo com a baixa liquidez, os preços dos etanóis hidratado e anidro seguem firmes em São Paulo, tendo como suporte a oferta restrita. No acumulado da parcial da temporada (de abril/21 até a semana passada), o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado subiu 42,5%, em termos nominais, e o do anidro, 51,4%. O Cepea registrou que, no estado de São Paulo, algumas usinas já encerraram as atividades de produção da safra 2021/22. Em certos casos, houve transferência de matéria-prima para outras filiais do mesmo grupo. Assim, tem-se, na presente safra, um padrão de moagem mensal bastante diferente do observado em anos anteriores, quando, em setembro, ainda se registrava um bom volume de cana sendo processado. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Leia Também:  SENAR-SP oferece cursos que contribuem com o controle de febre aftosa
Fonte: CEPEA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA