ÁGUA BOA

Agronegócio

Produtores de Buritirana prosperam após atendimento de ATeG e de cursos de FPR do Senar

Publicado em

Agronegócio


A Fazenda Cockalim, situada no município de Buritirana, tem sido um exemplo de desenvolvimento na região tocantina, desde que o Senar entrou na propriedade com o programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), com uma equipe formada por técnicos de campo, supervisores e coordenadores.

O casal Allen Cristine de Sousa e José Nilton Guedes, garante o nível de satisfação com o desempenho da equipe de ATeG do Senar, que elevou, sobremaneira, a produção de leite. A atuação da instituição permitiu novos investimentos na ocupação principal, incluindo melhorias na estrutura da fazenda e nas vacas leiteiras.

De acordo com o técnico de campo, Felipe Joaquim Carvalho, as principais tecnologias implantadas na propriedade pelo Senar, foram: O gerenciamento de receitas e despesas, Utilização de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), cursos e treinamentos em vários segmentos da cadeia produtiva, implantação de duas ordenhas ao dia, utilização de ordenhadeira mecânica, uso de piquetes rotacionados, uso de silagem, uso de concentrado protéico-energético e a compra coletiva de insumos com produtores vizinhos, que tem impactado substancialmente na economia da propriedade.

Carvalho revela que com a atuação do Senar na propriedade, houve aumento significativo da produção, passando de 60 litros/dia com 20 vacas, para 100 litros/dia com 16 vacas.

“Antes do Senar, a produção chegava a 21.500 litros anuais. Com a presença da ATeG do Senar, a produção de leite atingiu o total de 28.548 litros/ano. Também foi observado a percentagem de vacas em lactação, tendo sido alterado de 61% para 74% em apenas um ano”, destacou ele.

Leia Também:  ALGODÃO/CEPEA: Com poucos agentes ativos, liquidez está baixa no spot nacional

Derivados e doces

E foi a partir desse desenvolvimento com ampliação no volume de leite produzido, que Allen Cristine vislumbrou um futuro ainda mais promissor. A situação ficou mais transparente, com o aumento da renda auferida com a comercialização do leite produzido na Fazenda. Dessa forma, ela passou a morar no local, juntamente com toda a família, gerenciando o seu negócio de perto, vivenciando a vida no campo e empreendendo com mais desenvoltura apoiada pelo Senar.

Ela conta que tem participado ativamente das capacitações ofertadas pela entidade na região, com destaque para os cursos de Manejo Sanitário, Inseminação Artificial, Irrigação, Sanidade Animal e por último, Derivados do Leite.

Este último curso, responsável pela venda significativa de produtos artesanais direto da Fazenda, feitos à base do leite, como: queijo estilizado, doce de leite, doce de goiaba e de banana. Tudo isso com marca própria registrada Fazenda Cockalim, comercializados em Buritirana e Imperatriz.

“O Senar nos trouxe conhecimento. Com o acompanhamento, mudou tudo. Passamos a morar na Fazenda e empreender a partir da nossa produção. Agora sim, temos um negócio rentável”, afirmou ela.

Leia Também:  Curso vai mostrar o conceito Halal na produção

Para  o coordenador regional Egon Bastos, o trabalho desenvolvido pela equipe técnica do Senar, também tem a preocupação de transformar o produtor em empreendedores rurais.

“Quando iniciamos a assistência técnica, a nossa maior preocupação é melhorar a produção e de fazer o trabalho de gerenciamento para que ele passe a ver o seu trabalho como um negócio. Além disso, capacitamos a todos os produtores envolvidos com cursos de Formação Profissional Rural (FPR)”, disse o engenheiro agrônomo responsável pela AteG na região tocantina.

Egon destaca a Fazenda Cockalim, onde a proprietária, Allen Cristine se capacitou no curso de Derivados de Leite, viu uma oportunidade de negócio, e hoje está produzindo as mais diversas variedades de queijos e outros doces consumidos na região.

“Destacamos além da produção e renda dentro da propriedade, a presença da mulher no cenário, com a valorização do seu trabalho. Este, é mais um caso de sucesso que temos na região tocantina”, afirmou o coordenador de ATeG.

Para o superintendente do Senar, Luiz Figueiredo, “é seguindo exemplos como de nossa produtora Allen Cristine, que vamos conseguir mudar o perfil de nossas propriedades rurais, tornando-as cada vez mais rentáveis e sustentáveis”.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Publicados

em


Sustentabilidade

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Localizadas em propriedades rurais as fontes estão 97% preservadas

12/06/2021

Levantamento realizado pelo projeto Guardião das Águas, de iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), identificou que produtores rurais de Primavera do Leste, região Sudeste do Estado preservam 97% das nascentes. O estudo apontou que, das 259 fontes encontradas em áreas agricultáveis, 250 estão em ótimo estado de conservação. O município possui 194.329 mil hectares de plantio de milho e 285.507 mil ha de cultivo de soja.

O estudo aponta também, que produtores rurais de Paranatinga, Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Rondonópolis, Cuiabá e Itiquira também preservam o patrimônio natural. Nesses municípios os resultados mostram um percentual de conservação das fontes entre 95 e 99%. O Guardião das Águas é desenvolvido há três anos e já mapeou 63.859 nascentes em 34 municípios do Estado.

O mapeamento tem como objetivo avaliar e diagnosticar as nascentes dos municípios produtores de soja e milho, de acordo com o grau de conservação, além de apoiar a regularização ambiental e fomentar estratégias internacionais.

Leia Também:  Nove animais morrem de Raiva Bovina em Agua Boa

Gerente de Sustentabilidade e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que “o Guardião das Águas é uma ação contínua que serve para instruir o produtor associado sobre os trabalhos de restauro florestal que precisam ser realizados nas fazendas”.

Em Primavera do Leste, na fazenda do produtor rural Rafael Zanin, as nascentes estão intactas. “Nossa área é de cerca de 5 mil hectares, aqui cultivamos soja, milho e pecuária. Fazemos aceiro, áreas de dreno, não derrubamos árvores, nem o gado bebe água das nascentes, pois temos poço artesiano e local apropriado para eles. Separamos o lixo e reciclamos, tudo com muita responsabilidade, já que em nossa propriedade temos três dos principais biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal”.

Morador de Paranatinga há uma década, o produtor rural Abel Dognani, se orgulha ao falar do município e suas potencialidades. A fazenda de 2.500 hectares possui diversas nascentes preservadas, bem como reserva legal intacta. “Plantamos soja e milho, mas temos a consciência da preservação do meio ambiente. Reflorestamos cerca de 20 a 30 metros em torno das nascentes e com isso os açudes (represas de água) estão cheios, o que atende toda a demanda da fazenda”, enfatizou Abel.

Leia Também:  Boi gordo tem mais um dia de recorde na B3; veja notícias desta terça

O projeto Guardião das Águas tem responsabilidade com o meio ambiente.“A sustentabilidade no agronegócio envolve práticas ambientais nas atividades agrícolas, bem como adoção de novas tecnologias e aplicação de métodos sustentáveis na rotina do campo. Prova disso é a preservação das nascentes em propriedades rurais, em média 95% delas em ótimo estado de conservação”, declarou presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA