ÁGUA BOA

Agronegócio

Produtores querem pecuária cada vez mais sustentável

Publicado em

Agronegócio


A sustentabilidade foi a principal palavra-chave elencada pelos integrantes da Comissão Técnica (CT) de Bovinocultura de Corte do Sistema FAEP/SENAR-PR em reunião realizada nesta quarta-feira (7), de forma remota. Pecuaristas de todas as regiões do Estado se encontraram pela primeira vez em 2021 para definir as prioridades e ações do grupo. Entre os temas levantados, a questão que perpassou os avanços considerados importantes é seguir em um caminho de produção de carne cada vez mais sustentável, a partir do tripé econômico, social e ambiental.

Rodolpho Botelho, presidente da CT, enfatizou que buscar a sustentabilidade vai muito além da competição entre modelos orgânico e convencional. “Temos inúmeras ações possíveis para, por exemplo, reduzir aplicações de produtos químicos nas pastagens e nos próprios animais. Temos que olhar com prioridade para insumos biológicos, de produção on farm [na própria propriedade], contra o carrapato, a cigarrinha da pastagem e outros problemas do tipo. Tudo isso faz parte de processo agropecuário mais sustentável. Tenho acompanhado produtores que usam produtos biológicos na pecuária, com resultados muito interessantes”, revelou.

Leia Também:  Projeto Campo Futuro levanta custos de produção de soja, trigo e arroz no RS

O diretor-executivo do Fundo de Desenvolvimento da Agropecuária do Estado do Paraná (Fundepec-PR), Ronei Volpi, também bateu na tecla da sustentabilidade. Para o dirigente, as práticas nessa direção são a chave para o desenvolvimento de todas as pecuárias, da produção de bovinos, aves, suínos, peixes e outras proteínas animais importantes. “Termos como bem-estar animal, conservação do meio ambiente, carbono zero estão no nosso cotidiano e que, sem dúvida, devem tomar boa parte dos nossos esforços dentro e fora da porteira”, recomendou.

O diretor de extensão do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Nelson Harger, integrou a programação como palestrante e agradeceu a contribuição do Sistema FAEP/SENAR-PR em diversos projetos desenvolvidos em conjunto. Harger citou como exemplo o Manejo Integrado de Pragas nas lavouras de soja (MIP-Soja) e o Programa Pecuária Moderna. “Até um tempo atrás, a palavra sustentabilidade estava somente dentro de algumas entidades, como o Sistema FAEP/SENAR-PR, Embrapa, Emater e outras. É uma satisfação vermos todo o setor produtivo engajado. É um marco, uma mudança de paradigma”, analisou.

Leia Também:  MILHO/CEPEA: Geadas afastam vendedores do spot; milho volta a se valorizar

Demais participações

Como há diversos membros novos indicados à CT neste ano, a reunião contou também com uma apresentação de como o grupo funciona, as regras e dinâmica para sugestão de temas e repasses das informações à base de produtores rurais. Este momento teve como mediadora Nicolle Wilsek, técnica do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR, que assumiu como técnica responsável pela cadeia produtiva dentro da entidade em 2021. Também fizeram parte da programação da reunião Katia Gobbi e Luiz Fernando Brondani, ambos do IDR-Paraná em Paranavaí, no Noroeste do Estado. Estes últimos trataram de ações da entidade relacionadas a estudos voltados à pecuária inovadora no Paraná.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agronegócio

Campo Futuro levanta custos de produção em nove estados

Publicados

em


Brasília (30/07/2021) – O Projeto Campo Futuro levantou nesta semana os custos de produção de aquicultura (piscicultura), cana-de-açúcar, grãos (soja, milho e feijão), pecuária de leite e pecuária de corte.

Os encontros ocorreram de forma virtual como medida de segurança para atender os protocolos sanitários com o objetivo de evitar o contágio do coronavírus.

Os painéis de grãos ocorreram em Cristalina (GO), Dourados (MS) e Naviraí (MS). Em Morro Agudo (SP), Campo Florido (MG), João Pessoa (PB) e Recife (PE), ocorreram os levantamentos de cana-de-açúcar.

Houve, ainda, um painel de pecuária de leite, em Marmeleiro (PR), um de pecuária de corte, em Santa Maria (RS) e um de piscicultura, em Cuiabá (MT).

Os levantamentos foram feitos pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Centro de Inteligência de Mercados da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA), Labor Rural (Universidade Federal de Viçosa – UFV) e Pecege (Esalq/USP).

A iniciativa analisa as informações obtidas a partir da realidade produtiva apresentada pelos produtores. Participam dos encontros virtuais (medida de segurança para evitar o contágio do coronavírus) representantes das federações estaduais de agricultura e pecuária, sindicatos rurais dos municípios e produtores rurais. Os dados obtidos são preliminares.

Leia Também:  Tudo Pronto Para o Mega Leilão da Estância Bahia.

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA