ÁGUA BOA

AGROPECUÁRIA

Empaer orienta silagem ensacada como opção para garantir alimento do gado no período de estiagem

Publicado em

Agropecuária

A Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), aproveita o inicio do período das chuvas para orientar pequenos produtores sobre a silagem ensacada. O método garante alimento de qualidade para o gado independentemente do período ser de estiagem ou não. Tem ainda a vantagem de ser uma opção de baixo custo e pode ser transportado para diferentes locais, além de permitir ser uma fonte de renda para pecuaristas que queiram vender o excedente da produção.

O produtor mantém o técnico informado registro de foto – Foto por: Empaer

Outra característica é a durabilidade de 18 a 24 meses, considerado um período longo e que permite fornecer um volume maior ao rebanho durante todo o período seco do ano com certa tranquilidade.

Com essa preocupação que o produtor, Sebastião da Costa da Danassão, 57 anos, está ensacando a produção de um hectare de capiaçu, na sua propriedade em Guarantã do Norte (a 715 km de Cuiabá). Com a orientação técnica está fazendo o corte na hora certa e a sua meta são 500 sacos pesando entre 23 e 25 quilos. “É um trabalho pesado que divido com minha esposa e ensacamos a mão. Temos uma criação de gado leiteiro e vendemos na região. Com a assistência técnica da Empaer será a primeira vez que vamos utilizar essa técnica com o capiaçu. A última estiagem foi muito difícil e caro garantir o alimento da criação”.

Leia Também:  Jovem de 16 anos tenta atravessar Rio das Mortes em Nova Xavantina e desaparece

Sebastião lembrou que o principal problema foi encontrar os sacos na região. Comprou pela internet, mas está tendo problema na entrega. “É mais um aprendizado e, por ser a primeira experiência e dando certo, na segunda vez vou garantir a embalagem antes de iniciar o processo”, destaca ele.

O técnico da Empaer, Antonio Paulo Gedoz Barros que vem acompanhando o produtor Sebastião, explica que na produção pecuária há dois períodos: das águas, onde a oferta de forragem é abundante e os animais são alimentados quase que exclusivamente a pasto; e o período da seca, onde a disponibilidade de forragem através das pastagens é bastante reduzida.

Desta forma, de acordo com Antônio, alternativas para tratar dos animais na época seca precisam ser colocadas em prática para garantir o ganho de peso dos animais ou pelo menos sua manutenção. “A silagem é o processo de fermentação controlada de uma forrageira que foi previamente triturada, passou por compactação e armazenada na ausência de oxigênio em estruturas chamadas de silos. Sua produção é relativamente fácil e pode ser feita pelo próprio produtor, o que reduz os custos de produção”.

Leia Também:  'Caixaça Econômica': bar vai mudar de nome para não ser processado pelo banco

O técnico destaca que o processo de silagem do capiaçu tem uma particularidade positiva se comparado com o do milho. “Possui uma janela de corte maior dos 90 aos 120 dias. Já o milho teria que ser feito de uma vez, caso contrário, passa do ponto”.

Olho no Araguaia – Por Maricelle Lima Vieira | Empaer-MT.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Agropecuária

Após gerar mais de 340 mil filhos Touro Sherlock se aposenta

Publicados

em

Touro Sherlock ganhou uma merecida aposentadoria neste mês após completar uma belíssima carreira como um dos dos principais reprodutores da raça nelore no Brasil. Ele alcançou a marca de 542 mil doses de sêmen vendidas e tem nada menos do que 340 mil filhos espalhados pelo país e pela América Latina.

Seu material genético está presente em mais de 1.000 rebanhos puros (P.O.) e ainda uma infinidade de rebanhos comerciais. Agora, após passar nove anos na central de inseminação ABS, Sherlock voltou para “casa”, o Rancho da Matinha, em Uberaba (MG), para desfrutar de paz e sossego.

“Se tem alguém que merece descansar em um bom piquete, com boa alimentação e água fresca, é ele!”, diz o proprietário da Matinha, Luciano Borges.

O touro nelore alcançou a marca de 542 mil doses de sêmen comercializadas. Foto: ABS/divulgação

Touro superprecoce

O criador lembra que o touro participou de uma das primeiras edições do Programa Nacional de Touros Jovens (PNAT), tendo sido muito demandado desde então. “É um touro superprecoce de aprumos muito bons, ossatura e pigmentações boas, e de um padrão racial exemplar, além de excelentes avaliações. Certamente, foi um dos reprodutores que mais teve procura de sêmen no Rancho da Matinha”, completa Borges.

Leia Também:  O JARDINEIRO QUE PODE SE TORNAR DEPUTADO EM MATO GROSSO

Além disso, o sucesso de Sherlock, segundo o médico-veterinário Frederico Bessa, gerente pecuário do Rancho da Matinha, também pode ser explicado porque o reprodutor tem no DNA a identidade do criatório, que é um dos principais da raça nelore. “Alia boas avaliações genéticas, morfologia e racial perfeito”, descreve.

“Na bateria da ABS, ele é o touro que mais produziu animais do quarto quadrante – ou seja, que comem menos e ganham mais peso”, afirma o coordenador de Produto e Atendimento ao Cliente Corte da ABS, Arthur Vieira.

Liberdade FM – AGRNotícias

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA