ÁGUA BOA

Economia

Caixa muda as regras do financiamento imobiliário; confira simulações

Publicado em

Economia


source
Aluguel
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Aluguel

A Caixa Econômica Federal anunciou, ontem, que vai permitir a suspensão ou a redução temporária do pagamento do financiamento habitacional. As famílias que estão recebendo auxílio emergencial ou seguro-desemprego poderão interromper as prestações por até seis meses. As medidas já estão em vigor para contratos novos e antigos.

Os clientes que não se enquadram nessa situação terão desconto no pagamento das parcelas. Para 25%, vale por seis meses. Redução maior só será possível em casos específicos e será liberada por um período menor. Para descontos entre 25,01% e 74,99%, a concessão fica em até três meses, se o cliente fizer uma autodeclaração de perda de renda.

Impacto da pausa por seis meses faltando 10 anos para o fim do financiamento

eco
Extra

Financiamento da Caixa

Para obter diminuição acima de 75%, é preciso procurar a Caixa e apresentar documentos que comprovem a perda de rendimento.

“Queremos ajudar a população nesse momento sensível”, destacou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Para fazer a pausa no pagamento ou reduzir o valor das parcelas, os mutuários devem acessar o app Habitação Caixa ou entrar em contato pelo 0800-1040104.

Na suspensão ou na redução, o que não for pago pelo mutuário será incorporado ao saldo devedor do contrato e diluído no prazo remanescente. A Caixa alerta que o contrato não está isento da incidência de juros remuneratórios, seguros e taxas. As condições iniciais do contrato como taxa de juros e prazo serão mantidas.

“A Caixa apenas deixa de considerar o pagamento de até seis parcelas na data correta, mas mantém esse valor no saldo residual e o prazo do financiamento. O contrato não vai ser estendido por seis meses”, explica Tiago Sayão, economista e professor de Economia no Ibmec/RJ.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia

Publicados

em


source
Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia
Fernanda Capelli

Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia

Em meio a um cenário mundial catastrófico, a crise gerada pelo novo Covid-19 foi inédita. A pandemia, que levou muitas vidas, mudou completamente a rotina mundial e pegou todos de surpresa.

Dessa forma, o planeta inteiro passou muito tempo tentando entender como passar pela situação. Até hoje, mais de um ano após a chegada da doença, ainda estamos vivendo muitas dificuldades.

Portanto, para o mercado financeiro não foi diferente. Todas as bolsas de valores do mundo foram de alguma forma afetadas, ao ponto de investidores e analistas do mercado nomearem o período de “banho de sangue”.

Entretanto, mesmo com tantos desafios, houve quem ultrapassasse a tempestade sem muitos problemas , assim como, aproveitando certas oportunidades com as circunstâncias de crise mundial.

Portanto, veja as 10 ações que se beneficiaram com a pandemia e descubra como elas conseguiram se levantar, enquanto o mundo todo caía.

1. Weg (WEGE3)

Com impressionantes 114,57% de valorização, a Weg é a primeira da lista em disparada. Esta é uma empresa multinacional brasileira, do setor de tecnologia.

Leia Também:  Auxílio emergencial será prorrogado por mais três meses; veja quem recebe

Dessa forma, um dos motivos da valorização em meio a pandemia foi a alta do dólar, uma vez que a companhia recebe os lucros através da moeda norte-americana.

2. Magalu (MGLU3)

A empresa que dispensa comentários está em segundo lugar da nossa lista, com 96,03% de valorização sobre seus ativos. Todavia, com a pandemia, o Magalu saiu na frente devido ao seu domínio em relação a tecnologia, assim como em logística, o que foi um diferencial em se tratando de e-commerce.

O Magazine Luiza se tornou uma empresa de plataforma digital de varejo, formada por um ecossistema digital multicanal que contribui para que milhares de outros negócios ingressem no universo das transações virtuais.

3. Vale (VALE3)

A Vale, maior empresa brasileira exportadora de minérios, aumentou em 61,64% o valor de suas ações em meio a crise pandêmica mundial. Isso se deu devido ao preço do minério de ferro, que permaneceu estável em 2020.

Leia Também:  Golpe oferece vagas de emprego falsas para roubar dados; veja como se proteger

4. Marfrig (MRFG3)

É uma das maiores companhias de alimentos do mundo exportando proteína animal. Dessa forma, a empresa recebe em dólar. Desta forma, a Marfrig teve uma valorização de 47,12% ao ano durante a pandemia.

5. Klabin (KLBN4)

A Klabin é uma empresa produtora e exportadora de papel, celulose e insumos hospitalares. Durante a crise, suas ações chegaram a 45,96% de valorização, devido a alta demanda desses insumos, assim como o aumento no consumo de papel.

Confira a reportagem completa aqui

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA