ÁGUA BOA

Economia

Comissão da Câmara quer regular reajuste de planos de saúde; entenda

Publicado em

Economia


source
Comissão da Câmara quer regular reajustes de contratos coletivos de planos de saúde
Agência Brasil

Comissão da Câmara quer regular reajustes de contratos coletivos de planos de saúde

A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados vai elaborar um projeto de lei para regular a fiscalização dos planos de saúde coletivos. A informação é do presidente da comissão Celso Russomano , durante uma audiência pública que discutiu nesta quinta-feira (dia 10) a aplicação de reajustes das mensalidades de planos de saúde.

Russomano informou que haverá a criação de um grupo de trabalho para discutir o tema. O deputado destacou ainda que muitas operadoras não estão mais vendendo planos individuais porque são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) , o que não se aplica aos contratos coletivos.

Vamos atuar para fazer uma legislação específica para planos de saúde coletivos para evitar abusos. Não há mais empresas querendo vender plano individual. O coletivo é o melhor dos mundos (para as operadoras), não tem segurança jurídica e no meio do caminho o contrato pode ser ceifado e as pessoas perdem o atendimento. E a discussão dos planos fica entre as partes, mas que partes?”, questionou o parlamentar.

Russomano destacou ainda que vai trabalhar para aprovação de uma regra para a oferta de planos ambulatoriais que oferecerão somente cobertura de exames e consultas, sem direito à internação e cirurgias, segmentação já contemplada pela Lei de Planos de Saúde . A proposta, no entanto, é criticada por entidades de defesa do consumidor:

“O maior gargalo do SUS é a pessoa que fica esperando por seis meses para ter uma consulta ou fazer um exame. Este é o gargalo. Se ele tem o diagnóstico, depois ele vai para o SUS e faz a cirurgia”, defendeu o deputado.

Impacto do reajuste

Durante a audiência pública, os participantes discutiram a aplicação do reajuste anual durante a pandemia de Covid-19. Danielle Rodrigues , da gerência econômico financeira de produtos ANS, ao explicar a mudança de metodologia do cálculo do reajuste de planos individuais, ressaltou que o aumento de 2021 deverá se refletir na redução de custos das operadoras e utilização, observados no ano passado:

“Não há como se permitir os reajustes não refletiam a redução de despesas ocorridas em 2020. Tudo que aconteceu em 2020 vai se refletir em 2021”, ponderou Rodrigues, acrescentando que em breve a ANS irá divulgar o percentual máximo autorizado para aumento das mensalidades dos planos individuais, que segundo fontes será o primeiro negativo da história da saúde suplementar.

Ana Carolina Navarrete , coordenadora do programa de Saúde do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) , destacou que durante o ano passado, em meio à pandemia, os gastos das operadoras diminuíram, não houve registro de aumento na inadimplência, e ainda houve acréscimo dos usuários. Segundo ela, o número de reclamações de usuários de planos de saúde aumentou em janeiro quando os consumidores receberam o reajuste retroativo anual e por faixa etária, suspensos no ano passado.

Navarrete informou que pesquisa do Idec aponta que para usuários de planos coletivos os contratos com aumento anual e por faixa etária o impacto chegou a 50%.

Você viu?

“A pandemia não acabou em 2021. Qual é a necessidade de aplicação do reajuste retroativo. Com pressão da pandemia são as pessoas fazem o maior esforço possível para não ir para o SUS. Há necessidade de ter um plano de enfrentamento para escalada dos reajustes de planos de saúde. O mercado de planos coletivos precisa ser regulado com urgência”, observou Navarrete.

Leia Também:  Frota cutuca Flávio Bolsonaro: "com criptomoeda não dá para fazer rachadinha"

Estudo apresentado pelo Idec apontou que os aumentos do planos coletivos em 2020 chegaram a ser até quase o dobro do teto do reajuste estabelecido pela ANS para os contratos individuais no ano passado.

Fernando Capez , diretor executivo do Procon-SP, cobrou transparência sobre despesas e no cálculo dos reajustes das operadoras. Ele lembrou de um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que apontou deficiências na regulação e acompanhamento do cálculo de reajustes de contratos coletivos:

“As operadoras conseguiram expandir lucros de forma desproporcional em tempos de pandemia. No relatório, o TCU constatou insuficiência dos instrumentos adotados pela ANS para correção de reajustes abusivos de planos coletivos”, enfatizou Capez.

Marcos Paulo Novais , superintendente executivo da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) , destacou que a maior parte do setor de planos de saúde é formado por operadoras de pequeno e médio porte e, por isso, seriam mais sensíveis a mudanças de regras regulatórias.

Já o presidente da Abramge, Renato Casarotti , afirmou que é preciso buscar um equilíbrio entre a capacidade de o consumidor pagar a mensalidade, e a sustentabilidade e saúde financeira das empresas:

“É preciso equilibrar a capacidade das pessoas de pagar e preservar o equilíbrio do sistema de saúde privado”, avaliou Casarotti.

Já o presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) , João Alceu Amoroso Lima , criticou propostas de regulação dos planos coletivos:

“O mercado se regula pela concorrência desde que bem regulado. Não há exemplos de países onde a inflação médica seja igual ao índice geral de preços ao consumidor, como IPCA. Também não há experiência bem-sucedida de indexação ou controle de preços. Neste momento, as redes hospitalares e os planos estão estressados em atender na ponta em meio ao aumento da demanda por causa da pandemia”, afirmou Amoroso Lima.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Reforma administrativa traz risco real de aumento da corrupção, diz especialista

Publicados

em


source
A especialista em administração e burocracia estatal foi a entrevistada do Brasil Econômico ao Vivo desta quinta-feira (10)
Brasil Econômico

A especialista em administração e burocracia estatal foi a entrevistada do Brasil Econômico ao Vivo desta quinta-feira (10)

A professora de administração pública da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Alketa Peci, foi a entrevistada do  Brasil Econômico ao Vivo de quinta-feira (10). Ela disse haver risco real de mais  indicações de cargos após o fim da estabilidade dos servidores federais, como projetado pela reforma administrativa , o que pode aumentar a corrupção .

“O Brasil é um país paradoxal . Se por um lado, conseguimos consolidar um governo forte, profissional, com estabilidade, por outro lado, temos uma boa proporção de cargos politicamente indicados”.

Segundo ela, os países onde a administração pública performa melhor no âmbito econômico, e tem menores níveis de corrupção, são aqueles que a burocracia independe da política.

“O órgão independente funciona como peso e contrapeso ao poder político. Acaba pressionando os políticos a não abusarem, já que se baseiam em processos de escolha meritocráticos, e possuem corpo técnico qualificado.”

Você viu?

Como exemplo, ela citou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

“Muito foi acusado pela mídia que a Anvisa havia sido capturada pelo governo Bolsonaro, ao indicar os cargos do Conselho diretor. Na prática, isso não aconteceu. A agência continua técnica, profissional, e a população confia, independente da vacina ser chinesa, indiana, ou que vira jacaré”, salientou a especialista.

Veja o vídeo:



COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA