ÁGUA BOA

Economia

Conheça 5 criptomoedas que acompanham a valorização do Bitcoin

Publicado em

Economia


source
5 criptomoedas que acompanham a valorização do Bitcoin

Os seguidores do mercado de criptomoedas já estão cientes que o preço do Bitcoin é influenciado diretamente pelo preço das altcoins, tanto desvalorizando, quanto valorizando. Sendo assim, algumas criptomoedas se destacam, justamente, em razão de sua posição no ranking.

A propósito, o Bitcoin, que representa uma das maiores criptomoedas do mercado, nesta quarta-feira (21), atingiu a casa dos dos US$ 67 mil, chegando a uma avaliação histórica, frente ao recorde que era de US$ 65 mil.

Com efeito, na valorização das demais criptos existentes no mercado, nas últimas 24 horas. Isto posto, confira quais são elas.

Leia Também

1. Solana (SOL)

Em primeiro lugar, temos a Solana, que se encontra como destaque desde ontem, após registrar uma valorização de 21%, seguindo o crescimento do Bitcoin, avaliada a US$ 170.

2. Cardano

Em resumo, a criptomoeda Cardano, se encontra em 4º lugar entre as cripto que detém maior valor, registrou uma valorização de 4%, desde ontem. Portanto, na terça-feira (20), estava avaliada em U$ 2,12, avançando para US$ 2,20.

Leia Também

3. Polkadot

Em seguida, temos a Polkadot, uma outra criptomoeda do mercado que recebeu uma valorização, após Bitcoin bater um recorde histórico ontem. Desse modo, a moeda reportou uma alta de 7%, avaliada a US$ 44.

Confira a lista completa e saiba mais sobre cada uma em 1Bilhão , parceiro do iG.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  ‘Um flanelinha no Leblon ganha R$ 4 mil por mês’, diz ministro Rogério Marinho
Propaganda

Economia

Banco Central lança desafio para melhorar o real digital

Publicados

em


source

Banco Central lança desafio para encontrar soluções para o real digital (imagem: Rodrigo Dia Tome/ Flickr)
Banco Central lança desafio para encontrar soluções para o real digital (imagem: Rodrigo Dia Tome/ Flickr)

O real digital ainda está distante de se tornar realidade, mas o Banco Central do Brasil (BCB) segue ativo com o projeto. Mais recentemente, a autarquia lançou um desafio para que empresas interessadas em melhorar a futura moeda digital brasileira possam contribuir com soluções DeFi (finanças descentralizadas).

O desafio foi lançado pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na última terça-feira (30), quando a instituição concluiu mais um webinar de uma série de eventos online sobre a CBDC (moeda digital do banco central) brasileira. Na ocasião, ele lembrou que o BC “vê potencial de incorporação de novas tecnologias”, como dinheiro programável e smart contracts ao nosso sistema de pagamentos do real digital.

“Essas tecnologias abrem espaço para novos modelos de negócios que podem atender a demanda da população por meios nativamente digitais de liquidação, tal como observado no ecossistema de criptoativos”, disse.

Assim, o BC convidou empresas ao desafio LIFT Challenge Real Digital, lançado logo após o fim do webinar e realizado em parceria com a Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac).

Leia Também:  Senado aprova PEC dos Precatórios em primeiro turno

“O LIFT Challenge Real Digital será configurado como um ambiente colaborativo virtual ao reunir um público maduro de instituições de pagamento, bancos, fintechs e empresas de tecnologia”, diz a página do projeto.

Leia Também

Como funcionará o desafio?

Na prática, participantes interessados devem desenvolver um produto minimamente viável (MVP) que atenda ao foco dessa edição do desafio. Segundo o Banco Central, “cada solução será desenvolvida para beneficiar o Sistema Financeiro Nacional e para trazer benefícios e inovações à sociedade brasileira.”

O BC também destacou que há preferência por produtos de inovação dentro de quatro eixos principais:

  • Entrega contra Pagamento , pensado na liquidação de transações envolvendo ativos digitais;
  • Pagamento contra Pagamento , para o câmbio entre moedas;
  • Internet das coisas , voltada à liquidação algorítmica ou diretamente entre máquinas;
  • Finanças descentralizadas , ou DeFi, pensada para a definição de protocolos com liquidação baseada no real digital e tendo em vista os requisitos de conformidade e supervisão estabelecidos.
Leia Também:  Com votos da oposição, emendas do relator são mantidas pelo Senado

As inscrições vão começar no dia 10 de janeiro de 2022 e se estenderão até o dia 11 de fevereiro. Então, os projetos serão selecionados e divulgados no início de março para dar início ao desenvolvimento no final do mesmo mês. O desafio será concluído com o fim da execução dos projetos no dia 29 de julho.

Com informações: Banco Central do Brasil

Banco Central lança desafio para melhorar o real digital

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA