ÁGUA BOA

Economia

Economia deve ficar estagnada no segundo semestre, afirma IFI

Publicado em

Economia


source
Instituição ligada ao Senado acredita que economia deve ficar estagnada no segundo semestre de 2021
Fernanda Capelli

Instituição ligada ao Senado acredita que economia deve ficar estagnada no segundo semestre de 2021

A Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado, prevê que o país não deve crescer no segundo semestre deste ano. A informação consta no Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) divulgado nesta quarta-feira (15).

O órgão considera que há uma “deterioração das condições de crescimento econômico”, o que afeta a perspectiva de atividade da segunda metade do ano. Entre os fatores, a alta nos juros, o risco fiscal crescente, a crise hídrica e energética, além do risco político institucional. A avaliação é que há um cenário de recuperação comprometido.

“O agravamento da crise hídrica, que pode resultar em racionamento nos próximos meses, e as dúvidas quanto à evolução da pandemia, uma vez que a variante delta do coronavírus está levando alguns países a rever suas estratégias de reabertura, impactam negativamente as decisões de investimento e de consumo dos agentes econômicos”, aponta a IFI.

No entanto, 2021 deve ter um crescimento do PIB de 4,9% devido ao carregamento estatístico do primeiro semestre, uma espécie de impulso deixado pelo resultado do período anterior.

“A probabilidade de estagnação é alta nesta segunda metade do ano. A IFI mantinha uma projeção de 4,2% para o PIB de 2021, já com viés de alta desde o RAF de agosto, e passou a 4,9% agora, mas em um contexto de piora evidente do quadro prospectivo. Isto é, a revisão seria maior, não fosse o novo futuro que se desenha”, diz o relatório.

Leia Também:  Horário de verão é vantajoso? Entenda tudo sobre o debate

Para o próximo ano, as perspectivas também não são boas. Considerando uma estagnação no restante deste ano, há um viés negativo para o PIB em 2022. A IFI reduziu sua projeção de crescimento de 2,3% para 1,7%, acompanhando revisões do mercado.

Leia Também

Fiscal

A IFI alerta que o risco fiscal não é abstrato e as propostas de reforma do Imposto de Renda e de parcelamento do pagamento dos precatórios enviadas pelo governo ao Congresso trazem um perigo adicional para as contas públicas.

A expectativa mostrada no relatório é de uma volta do aumento da dívida pública e uma apreensão dos agentes econômicos com as mudanças propostas pelo governo.

“O quadro econômico é desafiador. O risco fiscal, particularmente, materializa-se nas tentativas de mudar a Constituição para ampliar espaço orçamentário em ano de eleições gerais e no avanço da reforma do Imposto de Renda, cujo efeito seria negativo ao erário. Justifica-se, ainda, pela apreensão quanto à contratação de gastos permanentes com base em aumentos cíclicos de receita”, aponta o relatório.

Leia Também:  Concurso do Banco do Brasil ocorre neste domingo; consulte seu local de prova

Inflação

A IFI avalia que há uma persistência dos choques inflacionários mais disseminados na economia, afetando diretamente as expectativas de preços para 2021 e 2022.

Ao citar a criação da bandeira “escassez hídrica” e o consequente aumento de preços de energia, a instituição justifica um aumento nas projeções de inflação, em 8% para 2021 e 3,9% para 2022. São praticamente as mesmas expectativas do mercado mostradas pelo relatório Focus no início da semana.

Com isso, a IFI também abre a possibilidade de um aumento mais célere dos juros pelo Banco Central.

“O dado do IPCA de agosto ruim, além das incertezas do quadro doméstico, eleva a chance de que o Copom acelere o passo na alta de juros, acelerando o ritmo de ajuste da taxa Selic. Nesse sentido, entendemos, preliminarmente, que a Selic poderá encerrar 2021 em 8%”, pontuou o documento.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

INSS: pagamento de até um salário mínimo começa nesta sexta-feira (24)

Publicados

em


source
Beneficiários que recebem até um salário mínimo já podem retirar o dinheiro nesta sexta-feira (24)
Max Leone

Beneficiários que recebem até um salário mínimo já podem retirar o dinheiro nesta sexta-feira (24)

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) inicia, nesta sexta-feira (24), o pagamento dos segurados que recebem até um salário mínimo (R$ 1.100). Esses beneficiários já podem, inclusive, retirar o valor depositado em suas contas no mesmo dia. 

Vale destacar que o INSS sempre realiza os pagamentos na primeira e na última semana de cada mês. A ordem de depósitos funciona de acordo com o dígito final do Número de Inscrição (NIS), impresso no cartão da autarquia. 

Assim, nesta sexta, recebem o dinheiro aqueles com NIS final 1. No fim de semana, o cronograma tem uma pausa e volta na segunda-feira (27), com NIS final 2 e assim por diante.

Outro detalhe importante a ser observado é que o INSS possui dois caléndarios diferentes. Enquanto o primeiro atende às pessoas que recebem até um salário mínimo, o segundo é voltado aqueles que recebem valores maiores.

Leia Também:  Como calcular o custo de consumo de energia por dispositivo

Confira o cronograma abaixo: 

Calendário do INSS para quem recebe até um salário mínimo

  • NIS final 1: 24 de setembro;
  • NIS final 2: 27 de setembro;
  • NIS final 3: 28 de setembro;
  • NIS final 4: 29 de setembro;
  • NIS final 5: 30 de setembro;
  • NIS final 6: 1º de outubro;
  • NIS final 7: 4 de outubro;
  • NIS final 8: 5 de outubro;
  • NIS final 9: 6 de outubro;
  • NIS final 0: 7 de outubro.

Calendário do INSS para quem recebe mais que um salário mínimo

  • NIS final 1 e 6: 1º de outubro;
  • NIS final 2 e 7: 4 de outubro;
  • NIS final 3 e 8: 5 de outubro;
  • NIS final 4 e 9: 6 de outubro;
  • NIS final 5 e 0: 7 de outubro.

A consulta do pagamento pode ser realizada pelo site ou aplicativo “Meu INSS”. Para efetuar o saque do benefício, basta se dirigir até uma agência bancária, com o cartão do INSS.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA