ÁGUA BOA

Economia

‘Estamos no limite do limite’, diz Bolsonaro ao pedir economia de energia

Publicado em

Economia


source
Jair Bolsonaro (sem partido) pediu para que brasileiros economizem energia elétrica
Reprodução / CNN Brasil

Jair Bolsonaro (sem partido) pediu para que brasileiros economizem energia elétrica

Em transmissão nas suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro fez um apelo para que a população economize energia. Ao falar sobre a crise hídrica pela qual passa o país, Bolsonaro afirmou que o país está no “limite do limite” e pediu para que seus espectadores apagassem um ponto de luz em sua casa.

“Tenho certeza que você pode apagar um ponto de luz agora. Peço esse favor: apague um ponto de luz. Ajude, assim está ajudando a economizar água das hidrelétricas. Já estamos na casa de 10, 15% de armazenamento em grande parte das represas. Estamos no limite do limite. Algumas vão deixar de funcionar se essa crise hidrológica continuar existindo”, afirmou.

A críse hídrica se agravou nas últimas semanas com a persistência da seca em diversas regiões do país. Entretanto, até agora, o governo vinha resistindo a fazer um apelo mais claro de racionamento de energia. Nesta quarta-feira, o governo já anunciou medidas de incentivo à economia de energia por famílias, empresas e por órgãos federais.

Leia Também:  Relator da reforma administrativa tenta incluir elite do Judiciário nas mudanças

Você viu?

Bolsonaro afirmou ainda que está estúdando a possibilidade de que governadores abram mão da cobrança de ICMS sobre a bandeira vermelha cobradas nas contas de luz.

“Quando a gente decreta uma bandeira vermelha, não é maldade, é porque precisa pagar outra fonte geradora da energia (termoelétrica). Estamos conversando também com o ministro Bento (Albuquerque), com governadores, porque quando decreta uma bandeira, infelizmente o ICMS incide dentro da bandeira”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Volkswagen coloca 800 funcionários em férias coletivas por falta de peças

Publicados

em

Em meio à escassez de componentes, a Volkswagen vai colocar 800 funcionários da fábrica de Taubaté (SP), o correspondente a um turno, em novas férias coletivas. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região, a medida começa a valer na segunda-feira (27) e se estenderá por dez dias.

O motivo alegado pela montadora é a falta de insumos, sobretudo de semicondutores, que vem sofrendo oscilações no fornecimento e dificultando a produção mundial de veículos.

De acordo com o sindicato, a Volkswagen informou inicialmente que as férias coletivas seriam para 2 mil trabalhadores, mas que poderia sofrer alterações. Até o momento, a medida vale para 800 funcionários, que devem retornar no dia 7 de outubro.

Indústria automotiva enfrenta escassez de chips

O episódio marca a sexta vez no ano em que a Volkswagen concede férias coletivas aos funcionários. Ainda segundo o sindicato, também foram registrados 11 dias de paralisação e mais cinco dias de folga (ambos com utilização do banco de horas) por falta de peças.

Em julho, a Volkswagen concedeu férias coletivas de 20 dias para o primeiro turno de sua fábrica em São Bernardo do Campo e paralisou parte de sua planta em Taubaté.

Leia Também:  Equipe de Guedes quer arrecadar R$ 2 bi taxando torneios como de sinuca e pôquer

No fim de agosto, a montadora também anunciou dez dias de férias coletivas para 2 mil funcionários na fábrica de Taubaté, também por falta de peças.

O problema de abastecimento tem sido enfrentado por toda a indústria automotiva, que lida com a escassez na cadeia global de suprimentos desde o fim do ano passado.

No mesmo dia em que o Sindicato dos Metalúrgicos anunciou a medida adotada pela Volkswagen em Taubaté, trabalhadores da Fiat em Betim aprovaram um programa de suspensão temporária do contrato de trabalho devido a falta de componentes eletrônicos.

Olho no ataguaia/IG ECONOMIA

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA