ÁGUA BOA

Economia

Governo cobra Guedes por resultados práticos na economia pensando na eleição

Publicado em

Economia


source
Palácio do Planalto pressiona Guedes e seu ministério a entregarem resultados práticos, de olho nas eleições de 2022
Edu Andrade/ME

Palácio do Planalto pressiona Guedes e seu ministério a entregarem resultados práticos, de olho nas eleições de 2022

O descasamento entre a agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, e o plano de reeleição do presidente Jair Bolsonaro ficou evidente na reunião de ministros do governo na última quarta-feira (8). Durante o encontro no Palácio do Planalto, segundo o relato de participantes, Bolsonaro disse que não era hora de pensar em biografias individuais, mas sim de encontrar soluções para a economia e, em suas palavras, não deixar o PT voltar ao poder.

O recado foi visto como uma crítica a Guedes — que está sob pressão para viabilizar o  novo Bolsa Família e, ao mesmo tempo, entregar as reformas estruturantes esperadas pelo mercado.

Na reunião com os seus ministros, Bolsonaro alegou que também seria necessário resolver o problema do preço do gás e do combustível, que estão altos e aumentando o nível de insatisfação dos brasileiros. Segundo integrantes do governo, o presidente espera que Guedes consiga resolver esse impasse e encontre uma forma de melhorar os “resultados econômicos” para pavimentar o caminho para a campanha de Bolsonaro em 2022.

Leia Também:  Turismo de natureza pode ser a senha para revitalização do setor

No entanto, essa pressão política sobre o ministro da Economia é vista pelo mercado como risco de elevar os gastos e piorar o quadro fiscal. Apesar de fazer acenos públicos de apoio ao ministro da Economia, Bolsonaro nunca escondeu a sua resistência a projetos da agenda liberal, defendida por Guedes.

Além da cobrança do presidente, o ministro da Economia vem sofrendo a pressão de seus colegas de governo — que, de olho nas eleições em 2022 em seus estados, defendem a flexibilização do teto de gastos. Um deles é Onyx Lorenzoni, responsável pela nova pasta da Previdência e Trabalho.

Você viu?

Durante a reunião de ministros, Onyx disse que, em outubro do ano passado, já tinha avisado a Guedes da necessidade de se criar um novo auxílio emergencial de R$ 600, ou, no mínimo, R$ 400, para aquecer a economia. Contrário à proposta, o chefe da equipe econômica questionou por que Onyx não criou o programa assistencialista, já que, à época, ele estava à frente da Cidadania.

Leia Também:  Petrobras é responsável por um terço do preço da gasolina, diz Silva e Luna

Apesar das cobranças, o sucesso do governo Bolsonaro está associado ao desempenho de Guedes na Economia. Em um momento de isolamento político, o presidente reconheceu a interlocutores que precisa do apoio de empresários e agentes do mercado financeiro, núcleo no qual sua popularidade vem minguando.

Assim, a cobrança a Guedes por resultado seria uma forma de, com a ajuda do ministro, retomar o apoio dos agentes econômicos, que está claudicante com a piora dos resultados.

Além disso, segundo pessoas próximas de Bolsonaro, o ministro da Economia tem assumido o papel de “guardião liberal” do governo, que impede que os fundamentos econômicos, sobretudo os fiscais, se esvaiam em meio à agenda política.

Essa função, junto com a disposição de Guedes de fazer reformas “até o último dia”, seria a garantia da presença do Posto Ipiranga de Bolsonaro na Esplanada. Procurado, o Ministério da Economia disse que não comentaria esse tema.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Petróleo Brent atinge maior valor em três anos e pressiona Petrobras

Publicados

em


source
Petróleo Brent atinge maior valor em três anos e pressiona Petrobras
Fernanda Capelli

Petróleo Brent atinge maior valor em três anos e pressiona Petrobras

Os preços do petróleo voltaram a subir no mercado internacional nesta terça-feira. A cotação do barril de petróleo tipo Brent, referência global, ultrapassou a marca de US$ 80 dólares, alcançando o maior valor em três anos. O do tipo WTI também subiu. As altas ocorrem em um cenário de preocupações com o fornecimento global de energia.

Por volta de 09h50, no horário de Brasília, o contrato de novembro do petróleo Brent subia 0,44%, cotado a US$ 79,88, o barril, após ter atingido a marca de US$ 80,05.

Já o do tipo WTI para o mesmo mês avançava 0,69%, negociado a US$ 75,97, o barril, após já ter superado a marca dos US$76.

Por conta da política de preços de paridade internacional, a Petrobras reajusta o preço dos combustível em razão da alta no mercado internacional. O resultado das bolsas mundiais tende a impactar a venda no Brasil.

O petróleo se recuperou das quedas vistas no ano passado em meio a restrições recordes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+) por causa da pandemia. Mas a recuperação econômica global impulsionou a demanda de uma forma superior à oferta disponível.

Leia Também:  Idosa que teve raspadinha roubada na Itália receberá o prêmio

Segundo o Goldman Sachs, os preços podem chegar a US$ 90 este ano.

A OPEP + pode até mesmo precisar considerar o aumento da produção em mais do que seu plano atual de 400 mil barris por dia por mês, disse Chris Bake, chefe de originação do Vitol Group, o maior comerciante independente de petróleo do mundo, em um webinar.

O salto para US $ 80 também ocorre em um contexto de pressão inflacionária à economia global e com os preços das commodities energéticas disparando. O gás natural, as licenças de carbono e a energia na Europa atingiram novos recordes na terça-feira, com poucos sinais de desaceleração do rali.

Os preços de referência europeus do gás para entrega no próximo mês subiram outros 10 por cento, o que significa que os custos dobraram desde meados de agosto

Leia Também:  Auxílio emergencial: veja quem recebe até R$ 375 neste sábado

“Não estamos olhando apenas para o Reino Unido e a Europa, mas também para uma potencial crise de energia global que se aproxima no inverno”, disse Robert Rennie, chefe global de estratégia de mercado da Westpac.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA