ÁGUA BOA

Economia

Governo de SP anuncia início de pagamentos de programas sociais do Bolsa do Povo

Publicado em

Economia


source
Inscrições para programa social devem ser feitos pelo site do Bolsa do Povo
Reprodução

Inscrições para programa social devem ser feitos pelo site do Bolsa do Povo

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (21) o início dos pagamentos dos programas Vale-gás e SP Acolhe ainda neste mês. De acordo com o Palácio dos Bandeirantes, a adesão aos benefícios que englobam o Bolsa do Povo devem ser feitas pelo site do programa .

Mais de 100 mil famílias devem receber três parcelas de R$ 100 do Vale-Gás até dezembro. Segundo a secretária de desenvolvimento social, Célia Parnes, os valores serão depositados a cada dois meses. 

“São mais de R$ 30 milhões investidos nesse programa, são R$ 300 em três parcelas de R$ 100, iniciando-se imediatamente. R$ 100 agora em julho, na sequência setembro, na sequência novembro”, explicou a secretária. 

Já o SP Acolhe prevê assistência financeira para 15 mil famílias que perderam parentes para à Covid-19. Os beneficiários vão receber seis parcelas de R$ 300, totalizando R$ 1.800 até dezembro. 

Você viu?

Informações sobre os programas sociais podem ser encontradas no site do Bolsa do Povo. As dúvidas dos beneficiários também poderão ser respondidas pelo WhatsApp (11 9 8714-2645) ou no telefone 0800 7979 80.

Leia Também:  Um Irmão de Michelle Bolsonaro recebeu auxílio e o outro tem cargo no Senado

Vale-Gás 

O anúncio do programa foi feito no último mês pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em coletiva no Palácio dos Bandeirantes. O programa visa atender famílias de baixa renda e vai garantir transferência de renda para a compra de botijão de gás de cozinha (GLP 13kg).

Para estar elegível ao recebimento do vale, é preciso que a família tenha a renda por pessoa inferior a  R$ 178. A Secretaria de Desenvolvimento Social estima investimento superior a R$ 31,3 milhões, com a participação 82 municípios paulistas .

SP Acolhe 

O auxílio beneficiará pessoas que perderam parentes para Covid-19 e deverá atingir 15 mil famílias. Para ser elegível ao benefício, as famílias devem ser inscritas no CadÚnido , com renda mensal de até três salários mínimos.

O programa considera todas as estruturas familiares, exceto a unifamiliar (uma única pessoa), com filhos de todas as idades.

Leia Também:  Reforma administrativa viola Constituição e atrapalha defensoria, diz entidade

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Mercado de leilões bate recorde com vasos por R$ 6,3 mi; veja itens curiosos

Publicados

em


source
Vasos chineses são vendidos por R$ 6,3 milhões
Reprodução/Leiloeira Andréa Diniz

Vasos chineses são vendidos por R$ 6,3 milhões

Na parede de um antigo e luxuoso apartamento na Avenida Rui Barbosa, no Flamengo, um prendedor enferrujado segurava, há décadas, um pequeno par de vasos, cada um com 27 centímetros de altura — menos do que uma régua escolar. Quando o proprietário do imóvel, um advogado nonagenário, decidiu colocar mobília e decoração à venda em um leilão, disse à responsável pela operação que os dois mimos, trazidos de Paris pelos sogros nos anos 70, ficariam de fora para virar recordação nas mãos de uma antiga empregada da família. Por um pressentimento, a leiloeira Andrea Diniz convenceu o cliente, com algum custo, a mudar de presente. Mas nem a vasta experiência da profissional poderia prever o desfecho do imbróglio: anunciadas com proposta mínima de R$ 500, as peças acabaram negociadas, 1.876 lances depois, por incríveis R$ 6,3 milhões.

“Foi anunciar e começou um frenesi, ligação de tudo que é lugar. Decidi abrir para propostas do exterior, algo que evitamos fazer por segurança. Ocorre que eram peças sem igual no mundo, feitas exclusivamente para um imperador chinês no século XVII, na Dinastia Ming”, conta Andrea, de 62 anos, que vai despachar em breve, para uma compradora de Hong Kong, as obras de arte em porcelana mais caras já vendidas em um leilão no Brasil.

O recorde, alcançado em maio, ilustra a expansão recente desse mercado. Entre a última sexta-feira e o dia 5 de agosto, serão concluídos 60 pregões virtuais realizados no Rio por intermédio de uma única plataforma, a LeilõesBR, utilizada por Andrea. Como cada um deles pode ter só um, dezenas ou até centenas de itens, é quase impossível calcular a quantidade exata de peças comercializada em uma semana. Estimativas conservadoras, porém, apontam para uma média equivalente a um “dou-lhe três, vendido” a ecoar no estado a cada três minutos. Isso mesmo, o tempo de preparo de um macarrão instantâneo.

A cena clássica com o martelo, aliás, é cada vez mais rara. Se prejudicou drasticamente outros setores, a pandemia acabou gerando um impacto positivo no universo dos leilões ao acelerar uma tendência que já se consolidava: a migração das negociações de largos salões e apresentações presenciais para a internet. Para manter o glamour, contudo, há quem faça transmissões ao vivo no estilo de pregões tradicionais, cheias de “quem dá mais” e narração à la corrida de cavalo.

Leia Também:  Entidades dizem que reforma poderá elevar em até 135% tributos para empresas

“Foi um empurrão rumo à modernização. Até 2020, ainda havia muitos leilões híbridos. Agora, casas que vinham acabando com os salões migraram de vez”, diz o engenheiro da computação Rogério Bastos, de 57 anos, diretor e fundador da LeilõesBR, surgida a partir da adaptação e expansão um sistema de lances criado por ele para galerias de arte em 1991.

A empresa, com sede na Barra da Tijuca, tem 150 mil compradores cadastrados, número que dobrou durante a pandemia. Segundo Bastos, aproximadamente um terço dos usuários é do Rio. O estado responde ainda por 58 dos 200 leiloeiros que atuam na ferramenta, que funciona como uma espécie de agregadora de pregões, onde é possível fazer buscas com os mais variados filtros — dá para achar de mobília e utensílios de cozinha a brinquedos e livros raros, por exemplo.

Só 151 registrados no Rio

Regida por uma lei de 1932, a função só sofreu uma mudança drástica deste então, quando a Constituição de 1988 deixou de condicionar a quantidade máxima de leiloeiros ao tamanho da população de cada estado. Até então, só era possível tornar-se um profissional da área quando outro se aposentava ou morria.

Você viu?

Ainda assim, e embora não seja preciso formação específica para atuar no setor, o número de leiloeiros em atividade não é grande. Segundo a Junta Comercial do Rio, onde o cadastro para exercer a atividade é obrigatório, há 151 pessoas no estado com registro ativo, 29 delas inscritas do início de 2020 para cá.

“A rotatividade é grande. Tem que ralar muito, gastar sola de sapato, fazer contatos. Mas somos uma das profissões mais antigas do mundo, vem desde a Roma antiga”, assegura o presidente do Sindicato dos Leiloeiros do Estado do Rio, Luiz Tenorio de Paula, que dedicou 45 dos 67 anos de vida à função.

Leia Também:  Mega-Sena sorteia R$ 65 milhões nesta quarta; veja os números

A legislação determina que a remuneração do leiloeiro equivale a 5% do valor arrecadado. Esse percentual, porém, pode variar no caso dos leilões judiciais, quando a própria Justiça nomeia um profissional responsável e pode estipular valores diferentes.

Especializada justamente na área judicial, a Brame Leilões foi escolhida para vender garrafas de vinho apreendidas com um réu da Operação Lava-Jato que optou pela delação premiada. Um lote com quatro unidades chegou a sair por R$ 8 mil.

“Não sabemos se a pessoa pagou esse valor pela qualidade, porque vai beber, ou se vai manter na adega para mostrar para os amigos as garrafas da Lava-Jato. Leilão tem muito disso”, afirma Leandro Dias Brame, de 42 anos, que seguiu os passos do pai, morto em 1999, e hoje toca o escritório ao lado da mãe, em uma tradicional família de leiloeiros.

Zé Gotinha por R$ 430

Para que um leilão ocorra, é obrigatório que um leiloeiro se responsabilize por ele. Nem todo mundo que vive de planejar os pregões, contudo, é um profissional registrado. Também há no mercado a figura do organizador, em geral especializado em nichos específicos, tal qual muitos dos próprios leiloeiros.

É o caso de Patricia Maria Rocha, de 53 anos. Secretária apaixonada por comprar antiguidades quando jovem, acabou embrenhando-se nesse universo e abriu uma loja do gênero. Duas décadas depois, nova guinada: passou a organizar leilões focados em itens históricos e raros. Já vendeu, entre outras histórias curiosas, um álbum de selos por R$ 90 mil, para um colecionador, e um chaveiro antigo do Zé Gotinha com a namorada, brinde de plástico de uma rede de postos, por R$ 430.

“Tem muita gente que participa pela adrenalina, pela compulsão. Na pandemia, com as pessoas em casa, bombou. E o mais incrível é que há compradores de todos os perfis: vai desde os classe AAA até aqueles de renda bem mais baixa”, relata.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA