ÁGUA BOA

Economia

IPO da Bluefit: veja se vale a pena entrar na reserva de ações que começa hoje

Publicado em

Economia


source
IPO da Bluefit (BFFT3): descubra se vale a pena entrar na reserva de ações que começa hoje
Fernanda Capelli

IPO da Bluefit (BFFT3): descubra se vale a pena entrar na reserva de ações que começa hoje

O período de reservas da oferta pública inicial (IPO) da Bluefit (BFFT3) na Bolsa de Valores começa nesta segunda-feira (13). A rede de academias, concorrente direta da Smart Fit (SMFT3), pretende colocar cerca de 32.733.225 novas ações em sua estreia.

Dessa forma, o valor mínimo para a reserva é um investimento mínimo de R$ 3 mil. Em contrapartida, o valor máximo ficou em R$ 1 milhão por investidor. Em suma, o período vai até o dia 23 de setembro.

Detalhes do IPO

De acordo com a Bluefit, o IPO pretende colocar inicialmente 32.733.225 ativos primários e 6.546.645 secundários, sendo os mesmos de titularidade dos acionistas vendedores. Três fundos da Leste Capital, um da Fortune Partners e a Síntesi. Além deles, há também o acionista pessoa física James Marcos de Oliveira.

A faixa indicativa de preço foi fixado pela companhia em um valor de R$ 12,25 a R$ 15,25. Dessa forma, o ponto médio ficou em R$ 13,75.

Leia Também:  Bitcoin: descubra a história da criptomoeda mais famosa do mundo e como funciona

Você viu?

Vale lembrar que a capitalização da empresa pode chegar a movimentar aproximadamente R$ 450,08 milhões. A precificação oficial dos ativos está marcada para o dia 24 de setembro. Em suma, as ações passarão a ser negociadas na B3 no dia 28 do mesmo mês.

Saiba mais em 1Bilhão , parceiro do iG.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Banco Central revisa expectativa de inflação para 2022 e ultrapassa a meta

Publicados

em


source
Banco Central projeta inflação acima da meta para 2022
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Banco Central projeta inflação acima da meta para 2022

Ao decidir por subir a taxa básica de juros, a Selic, para 6,25%, na última semana, o Banco Central (BC) passou a projetar uma inflação em 3,7% em 2022, acima da meta de 3,5% para o ano. A avaliação consta na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira.

Essa projeção é uma mudança em relação à reunião realizada em agosto, quando o Copom decidiu por subir os juros para 5,25%. Naquele época, o cenário básico do BC apontava para projeções de inflação “alinhadas” às metas de 2022, 3,5% e 2023, 3,25%.

No documento divulgado nesta terça, a inflação de 3,7% no próximo ano e de 3,2% em 2023, quando a meta será de 3,25%, constam no cenário básico do Copom.

“De acordo com o cenário básico, que utiliza a trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus, o câmbio seguindo a paridade do poder de compra e os preços de commodities em dólares estáveis em termos reais, as projeções de inflação estão ligeiramente acima da meta para 2022 e ao redor da meta para 2023”, aponta o documento.

Esse movimento é parecido com o do mercado, que vem revisando suas expectativas de inflação para este ano e para 2022, embora não tenha alterado sua projeção para 2023. Segundo o relatório Focus, o IPCA deve ficar em 4,12% em 2022 e 3,25% em 2023.

De acordo com a ata, os riscos fiscais estão “implicando” em um viés de alta nas projeções e esse peso tem justificado uma alta maior dos juros para controlar a inflação. O documento aponta que esse patamar seria inclusive acima do usado no cenário básico, em que a Selic ficaria em 8,25% em 2021 e 8,5% em 2022.

Com isso, levando em conta o estágio do ciclo de altas nos juros e as simulações, o BC considera que o atual ritmo de ajuste, de 1 ponto percentual (p.p) a cada reunião é adequado e um aumento da magnitude do ciclo é a “estratégia mais apropriada” para atingir as metas de inflação.

Atividade

Apesar das recentes altas nas projeções de inflação e revisões para baixo na expectativa de crescimento, o Banco Central ainda vê um “crescimento robusto” no segundo semestre deste ano. Segundo o Focus, o PIB deve crescer 5,04% em 2021

“ Ao resultado do PIB do segundo trimestre ligeiramente melhor que o esperado, seguiram-se divulgações de alta frequência marginalmente mais negativas, ainda que evoluindo favoravelmente. Parte dessas revisões decorre de uma antecipação do crescimento esperado para alguns dos setores mais atingidos pela pandemia; outra parte deriva da menor produção industrial decorrente da manutenção de dificuldades nas cadeias de suprimentos”

Leia Também:  Rede Globo tem vagas abertas no Rio e em SP; veja oportunidades

E seguiu:

“O Comitê manteve a visão de uma retomada robusta da atividade no segundo semestre, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente”, diz o documento.

A ata ainda aponta que o crescimento econômico em 2022 será beneficiado por três fatores: recuperação do mercado de trabalho e setor de serviços, desempenho do setor agropecuário e da indústria extrativa e “resquícios” do processo de normalização da economia.

Sobre emprego, o Copom avaliou que o mercado de trabalho segue em recuperação, mas a diferença entre os números da PNAD Contínua, pesquisa sobre desemprego feita pelo IBGE e do Novo Caged, divulgação do Ministério da Economia, dificulta a avaliação.

“ O recuo da taxa de desocupação com crescimento da força de trabalho e da população ocupada indica que o mercado de trabalho segue em recuperação. Todavia, os níveis das duas últimas variáveis ainda consideravelmente abaixo dos observados antes da pandemia sugerem hiato remanescente no mercado de trabalho”, apontou.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA