ÁGUA BOA

Economia

Pressão na inflação é temporária, diz presidente do BC sobre metas econômicas

Publicado em

Economia


source
Presidente do BC mantém expectativa de estabilização da inflação
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Presidente do BC mantém expectativa de estabilização da inflação

Mesmo com as expectativas de inflação do mercado subindo semana após semana, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reafirmou nesta terça-feira (08) que a pressão na inflação é temporária .

“Tivemos muitos choques, o mais recente foi na energia, por conta das bandeiras de preço mais alto. Muitos agentes estão olhando para os níveis de reserva de água e fazendo contas do custo de manter as termelétricas por um período mais longo. Nós ainda acreditamos que muito disso ainda é um choque temporário”, disse.

Campos Neto ressaltou que a inflação sofreu muitos choques de origens diferentes neste ano. O presidente do BC citou a alta nos preços de commodities, embora ele acredite que parte já tenha sido absorvida, e a subida nos preços de energia.

“Há uma mudança na dinâmica de inflação e muitas dessas alterações são de fatores vindos de choques temporários, mas que estão interagindo e contribuindo para uma disseminação maior do que esperávamos”, explicou.

O relatório Focus, que reúne as expectativas do mercado para os principais índices econômicos, mostra que a inflação esperada para este ano é de 5,44%, acima do teto da meta para este ano, de 3,75%.

Leia Também:  Caixa antecipará pagamento da terceira cota do auxílio emergencial; entenda

O BC utiliza essas expectativas em conjunto com outros índices para determinar a taxa básica de juros da economia, a Selic . O principal mandato da autoridade monetária é manter a inflação dentro da meta, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto porcentual para cima ou para baixo.

Caso a meta não seja atingida, o presidente do Banco Central precisa mandar uma carta para o ministro da Economia, Paulo Guedes, explicando as razões da falha.

Copom

Os diretores do Banco Central se reúnem na próxima semana no Comitê de Política Monetária (Copom) para decidir o novo patamar da Selic. Na última reunião, a sinalização foi de um novo aumento de 0,75 pontos percentuais, o que levaria a taxa para 4,25% ao ano.

Você viu?

Essa alta nos juros só terá efeito para o ano que vem porque as decisões de política monetária costumam demorar de seis a nove meses para impactar a economia real. Para 2022, as expectativas do Focus estão em 3,7%, acima da meta de 3,5%.

Leia Também:  Expectativa de inflação para 2021 explode e chega a 5,82%; Selic sobe para 6,25%

Campos Neto foi questionado sobre a normalização parcial dos juros sinalizada pelo Copom nas últimas reuniões. Para alguns agentes de mercado, significa que o BC não está disposto a subir os juros até a taxa neutra , em torno de 6,5% ao ano, para controlar a inflação .

Na comunicação oficial, o Copom mostrou preocupação com a manutenção de juros abaixo do patamar neutro para manter um estímulo no processo de recuperação econômica.

No evento de desta terça-feira (08), Campos Neto disse que se os juros forem elevados para a taxa neutra muito rapidamente, a inflação ficará abaixo da meta em 2022. Além disso, reafirmou que o BC está comprometido com a meta.

“Nós estamos completamente comprometidos com a meta e atingi-la é nosso trabalho. Quando nós dizemos que estamos fazendo uma normalização parcial é porque queremos dar ferramentas para que as pessoas entendam o que estamos fazendo”, disse.

Para a próxima reunião, Campos Neto disse que os diretores vão analisar todas essas questões relacionadas à inflação, inclusive uma possível alta no setor de serviços, para tomar a decisão.

“Estamos tentando ver quais são as revisões para 2022, o que é uma contaminação de 2021. O que são choques permanentes, o que são choques temporários e como a inflação de serviços vai se comportar no processo de reabertura da economia”, afirmou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia

Publicados

em


source
Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia
Fernanda Capelli

Covid-19: Veja 10 ações que se beneficiaram com a pandemia

Em meio a um cenário mundial catastrófico, a crise gerada pelo novo Covid-19 foi inédita. A pandemia, que levou muitas vidas, mudou completamente a rotina mundial e pegou todos de surpresa.

Dessa forma, o planeta inteiro passou muito tempo tentando entender como passar pela situação. Até hoje, mais de um ano após a chegada da doença, ainda estamos vivendo muitas dificuldades.

Portanto, para o mercado financeiro não foi diferente. Todas as bolsas de valores do mundo foram de alguma forma afetadas, ao ponto de investidores e analistas do mercado nomearem o período de “banho de sangue”.

Entretanto, mesmo com tantos desafios, houve quem ultrapassasse a tempestade sem muitos problemas , assim como, aproveitando certas oportunidades com as circunstâncias de crise mundial.

Portanto, veja as 10 ações que se beneficiaram com a pandemia e descubra como elas conseguiram se levantar, enquanto o mundo todo caía.

1. Weg (WEGE3)

Com impressionantes 114,57% de valorização, a Weg é a primeira da lista em disparada. Esta é uma empresa multinacional brasileira, do setor de tecnologia.

Leia Também:  Expectativa de inflação para 2021 explode e chega a 5,82%; Selic sobe para 6,25%

Dessa forma, um dos motivos da valorização em meio a pandemia foi a alta do dólar, uma vez que a companhia recebe os lucros através da moeda norte-americana.

2. Magalu (MGLU3)

A empresa que dispensa comentários está em segundo lugar da nossa lista, com 96,03% de valorização sobre seus ativos. Todavia, com a pandemia, o Magalu saiu na frente devido ao seu domínio em relação a tecnologia, assim como em logística, o que foi um diferencial em se tratando de e-commerce.

O Magazine Luiza se tornou uma empresa de plataforma digital de varejo, formada por um ecossistema digital multicanal que contribui para que milhares de outros negócios ingressem no universo das transações virtuais.

3. Vale (VALE3)

A Vale, maior empresa brasileira exportadora de minérios, aumentou em 61,64% o valor de suas ações em meio a crise pandêmica mundial. Isso se deu devido ao preço do minério de ferro, que permaneceu estável em 2020.

Leia Também:  Receita Federal rastreou investigações no entorno da família Bolsonaro

4. Marfrig (MRFG3)

É uma das maiores companhias de alimentos do mundo exportando proteína animal. Dessa forma, a empresa recebe em dólar. Desta forma, a Marfrig teve uma valorização de 47,12% ao ano durante a pandemia.

5. Klabin (KLBN4)

A Klabin é uma empresa produtora e exportadora de papel, celulose e insumos hospitalares. Durante a crise, suas ações chegaram a 45,96% de valorização, devido a alta demanda desses insumos, assim como o aumento no consumo de papel.

Confira a reportagem completa aqui

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA