ÁGUA BOA

Economia

Pronampe: um quarto da verba  acabou em 3 dias. Governo precisará garantir mais?

Publicado em

Economia


source
Pronampe: um quarto da verba já acabou
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Pronampe: um quarto da verba já acabou

Nos primeiros três dias de operação da nova versão do Pronampe , 25% do total de recursos destinados às micro e pequenas empresas já foram emprestados . Dos R$ 25 bilhões projetados pelo governo, R$ 6,3 bilhões chegaram a 75 mil empresas.

Para resolver o problema, o Ministério da Economia está trabalhando em medidas estruturais para facilitar acesso ao crédito, como o Sistema Nacional de Garantias. A medida criará centrais regionais que poderão fornecer uma carta aos pequenos empresários para auxiliar na formação de garantias.

Novo Pronampe

O novo Pronampe começou a funcionar na quarta-feira, após testes feitos pelas instituições financeiras no início da semana. Apesar dos juros mais altos do que na versão do ano passado, de até 6% ao ano mais a taxa Selic, que está em 4,25%, o programa continuou atraente para as pequenas empresas.

Bancos

Quem mais emprestou até agora foi o Banco do Brasil, que esgotou seu limite de R$ 3,2 bilhões em menos de dois dias. O Bradesco também esgotou os recursos disponíveis, concedendo R$ 1,7 bilhão.

Leia Também:  Oi vai captar US$ 880 mi em títulos de dívida para futuros investimentos

A Caixa disponibilizou R$ 6,3 bilhões e já emprestou R$ 1,3 bilhão nos primeiros três dias de operação. O Sicredi concedeu R$ 148 milhões.

Você viu?

A expectativa do governo é que Santander e Itaú, que só fizeram testes nos primeiros dias, aumentem suas concessões na próxima semana.

O mesmo comportamento é esperado dos bancos de desenvolvimento, como Banco da Amazônia e o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, que emprestaram um nível considerável no Pronampe de 2020.

Como O GLOBO mostrou, o governo espera que 325 mil empresas acessem o financiamento via Pronampe este ano, mas já sabe que não será suficiente para atender toda a demanda.


COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Lira afasta calote em precatórios e nega conversa sobre Bolsa Família em R$ 400

Publicados

em


source
Arthur Lira afirma que não haverá calotes e nega Bolsa Família em R$ 400
Reprodução: iG Minas Gerais

Arthur Lira afirma que não haverá calotes e nega Bolsa Família em R$ 400

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), afirmou nesta terça-feira (03) que “não há possibilidade de calote” no texto da PEC dos Precatórios, dívidas judiciais perdidas pela União. O governo federal tenta convencer congressistas a aprovar o parcelamento dos precatórios para liberar verba para o novo Bolsa Família. 

Em coletiva à imprensa, Lira ressaltou que conversou com o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, e a secretária de governo, Flávia Arruda, sobre o projeto e as dívidas judiciais do governo federal. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também participou do encontro. 

Tivemos ontem uma reunião na casa do presidente [do Senado] Rodrigo Pacheco, com a presença de Ciro Nogueira, Flávia Arruda, Paulo Guedes. Não há nenhuma possibilidade de calote, como também é impossível se pagar R$ 90 bilhões sem que haja algum tipo de atingimento do teto. Não queremos atingir o teto e o Brasil não pode dar calote”, disse Lira. 

Leia Também:  Oi vai captar US$ 880 mi em títulos de dívida para futuros investimentos

O presidente da Câmara ressaltou as agendas preferenciais do Legislativo neste segundo semestre, como a aprovação das reformas administrativas e tributárias, e a privatização dos Correios. Lira disse a líderes partidários que a reforma do Imposto de Renda será votada nesta sexta-feira (06) e a venda dos Correios até o fim deste mês. 

Você viu?

Novo Bolsa Família 

Arthur Lira negou que a conversa com Ciro Nogueira e Flávia Arruda tenha ligação com o reajuste do Bolsa Família. O presidente da Câmara também negou saber da possibilidade de dobrar o valor do benefício. 

“Não houve essa conversa de 400 reais, não há essa conversa de Bolsa Família dentro de PEC, não há essa conversa de furar teto de gastos, e o Bolsa novo, novo programa social, que é justo para os mais pobres”, afirmou. 

Leia Também:  Perto do prazo final, parlamentares pedem mais tempo para votar Orçamento 2022

Nesta terça-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro confirmou a intenção de reajustar o benefício para R$ 400, o dobro dos atuais R$ 190 pago, em média, atualmente. O aumento do Bolsa Família é uma tentativa do Palácio do Planalto em aumentar a popularidade de Bolsonaro às vésperas das eleições de 2022. 

No entanto, a equipe econômica tenta reverter a situação e manter o reajuste em R$ 290. Segundo estudos do Ministério da Economia, caso o benefício seja reajustado em 100% há possibilidade de ultrapassar os limites do teto de gastos e prejudicar os cofres da União em 2022.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA