ÁGUA BOA

Economia

Reforma tributária: taxação dos dividendo deve ocorrer a partir de 2022

Publicado em

Economia


source
Celso Sabino (PSDB-PA)
Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Celso Sabino (PSDB-PA)

Para facilitar a aprovação da reforma do Imposto de Renda no Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes , está negociando novos ajustes no relatório do deputado Celso Sabino (PSDB-PA). O texto faz parte da segunda etapa da reforma tributária.

Segundo fontes envolvidas nas discussões, já está praticamente acertado que a taxação de 20% na distribuição de dividendos  só incidirá sobre lucros auferidos a partir de janeiro de 2022 . Ou seja, resultados acumulados e obtidos neste ano não serão taxados.

Outro ponto que está em estudo é criar uma alíquota menor na distribuição de dividendos para empresas que optam pelo lucro presumido. O objetivo é evitar penalizar setores como educação e saúde e também evitar encarecer serviços profissionais, como médicos, advogados e engenheiros.

Também está sendo estudada reintroduzir a tributação de investimentos de pessoas físicas em empresas localizadas em paraísos fiscais. A medida está prevista no texto original da proposta enviada pelo Executivo e foi retirada no parecer do deputado.

As ideias do relator em reduzir a faixa de isenção da taxação de dividendos de R$ 20 mil para R$ 2,5 mil e de criar alíquotas progressivas não agradam à equipe econômica, segundo fontes envolvidas nas negociações.

Leia Também:  FGTS fica com Onyx, mas Guedes quer barrar nomeações políticas

Segundo um auxiliar do ministro Guedes, esse movimento poderia afetar empresas enquadrados em regimes especiais como Simples e Microempreendedor (MEI), o que não é a intenção do governo.

Pela proposta, a isenção se aplica a empresas com faturamento de até R$ 240 mil por ano. O relator cogita ampliar a cobrança para todas as empresas.

Você viu?

Os ajustes no texto do relator estão sendo examinados a partir de reuniões de Guedes com empresários e tributaristas. O ministro admitiu publicamente que a primeira versão da proposta, desenhada pela Receita Federal, tinha erros de calibragem. A reforma tributária ou vai sair bem feita ou não sair, afirmou o ministro.

Guedes pretende negociar as mudanças com o relator e com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). O ministro repete nas conversas o que diz publicamente: é melhor não fazer a reforma do que fazer errado.

Leia Também:  Governadores defendem redução gradual de incentivos fiscais para o comércio

Contudo, a intenção de Guedes é seguir adiante e aprovar a reforma nas próximas semanas, pois a equipe econômica conta com as receitas decorrentes da cobrança de dividendos para financiar o novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, que deve substituir o Bolsa Família.

O texto original da proposta encaminhada ao Congresso foi alvo de críticas do empresariado e de tributaristas, que apontaram aumento de carga tributária. Diante do problema, o relator negociou várias modificações com a equipe econômica.

Entre elas, reduziu pela metade a alíquota de 25% do IR para empresas. Ele manteve a ampliação da faixa de isenção do imposto de pessoas físicas de R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil.

Em contrapartida, o relator propôs a redução de incentivos para alguns setores, como aeronaves, embarcações, produtos químicos e farmacêuticos, perfumaria e higiene pessoal e geradoras de termelétricas. A medida vai melhorar a arrecadação federal com PIS/Cofins e IPI.

Segundo auxiliares de Guedes, o plano é fechar pontos de consenso nas próximas duas semanas e fazer os ajustes na volta do recesso parlamentar em agosto. A votação está prevista na Câmara para o próximo mês.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Nubank adquire plataforma que permite conversas automáticas com clientes

Publicados

em


source
Nubank adquire plataforma americana que permite conversas automáticas com clientes
Sophia Bernardes

Nubank adquire plataforma americana que permite conversas automáticas com clientes

Nesta quarta-feira (4), o Nubank anunciou a aquisição de uma startup americana Juntos Global.

A plataforma é especializada em engajamento de clientes de serviços financeiros. Dessa forma, a Juntos Global estabelece uma ponte entre os clientes e os bancos. Assim, ela cria conversas automatizadas e personalizadas.

Você viu?

Quem é a Juntos Global?

Em suma, a Juntos Global nasceu em 2010 nos Estados Unidos, direcionada à inclusão financeira para auxiliar os bancos de maneira geral. Assim sendo, promove diálogos personalizados de maneira automática através de mensagens.

Por certo, a companhia já desenvolveu projetos com Mastercard, BBVA e Bancolombia. Levando em conta que, o projeto com a Bancolombia foi o pioneiro na companhia, com 40 mil clientes. Uma vez que, em seis meses, obteve um aumento de um terço de clientes ativos e elevou o saldo nas contas em 50%.

Dessa vez, será introduzida por completo pelo Nubank. Isto é, fará parte time de tecnologia, conteúdo e design da fintech. Os CEOs da Juntos Global também farão parte deste projeto.

Saiba mais sobre a parceria em 1Bilhão .

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governadores defendem redução gradual de incentivos fiscais para o comércio
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA