ÁGUA BOA

Economia

Secretário do Tesouro defende harmonia entre poderes para solucionar precatórios

Publicado em

Economia


source
Secretário do Tesouro Nacional apoia conciliação para resolver precatórios
Giovanni Santa Rosa

Secretário do Tesouro Nacional apoia conciliação para resolver precatórios

O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, defendeu nesta segunda-feira (13) uma “concertação e harmonia entre os Poderes” para encontrar uma solução que permita frear as despesas com precatórios, decisões judiciais contra a União.

Estas despesas devem chegar a R$ 89,1 bilhões em 2022, o que indica uma alta de 62% sobre eses gastos em 2021, o que tem sido chamado pelo ministro Paulo Guedes como um “meteoro”que engessa o orçamento do ano eleitoral, impedindo mudanças como o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil.

Ao falar para investidores em evento virtual da Genial Investimentos, Bittencourt destacou que o Judiciário tem as inscrições dos beneficiados e que uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) resolveria o problema sem precisar alterar a Constituição.

Com esta proposta, a Justiça congelaria o valor dos precatórios no mesmo de 2016, quando foi criado o teto de gastos, corringindo este limite pela inflação. O que ultrapassasse esse teto seria pago de forma parcelada, mas isso pode levar a muitas despesas deste tipo no futuro.

“Precisamos de uma grande conciliação e harmonia entre os Poderes para que os grandes problemas sejam solucionados”, disse o secretário.

A equipe econômica aposta que a carta à Nação do presidente Jair Bolsonaro, divulgada na semana passada depois dos atos de 7 de setembro, vai ajudar a diminuir  tensão no Supremo Tribunal Federal (STF) e estimular o CNJ a dar uma resposta para o problema dos precatórios.

Leia Também:  FGTS aprova reajuste de 10% no teto do programa Casa Verde Amarela em 3 estados

Bittencourt lembrou, contudo, que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, o qual assumiu a mediação com os membros do CNJ, disse que as discussões ainda estão no início.

Fontes do Judiciário afirmam que a cúpula do poder não apoia esta solução negociada, pois, para muitos, seria uma espécie de “calote”. Entre os integrantes da Jusitça, muitos esperam que o Congresso trate do tema primeiro.

Ao ser perguntado sobre qual seria a melhor resolução para o problema dos precatórios, Bittencourt citou a PEC enviada ao Congresso, que parcela o pagamento das dívidas em dez anos, por ela ser uma saída permanente ao parcelar os pagamentos, além de permitir um encontro de contas entre União, estados e municípios e criar um fundo com recursos das privatizações.

Apesar disso, reconheceu as dificuldades do governo em aprovar uma emenda à Constituição. Deste modo, o secretário disse que é recomendável que as discussões sobre a PEC no Congresso e no CNJ sejam feitas de forma paralela.

Ele destacou ainda que a equipe econômica não trabalha com a proposta de retirar os precatórios do teto de gastos, iniciativa defendida por alguns parlamentares. Mas, disse que caso essa ideia prospere, a medida não abriria uma ampla margem para aumento de gastos:

“Na prática, a inclusão ou a exclusão de uma despesa no teto de gastos, pode gerar aumento ou diminuição do espaço porque a regra diz que nós temos que voltar a 2016, pegar as despesas totais, incluir ou excluir e vir corrigindo essa despesa até o presente ano”, afirmou.

Ele acrescentou: “Se a despesa que nós incluímos cresceu mais rápido do que o teto de gastos, abre se o espaço, se cresceu mais devagar, diminui-se o espaço fiscal. Com relação aos precatórios, hipoteticamente, se eles forem retirados do teto, o espaço não é infinito, ele é claramente definido”. 

O secretário também falou que a discussão sobre o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, terá que enfrentar a questão dos precatórios. Em 2022, esse tipo de despesa está estimado em R$ 89,1 bilhões, o que vai consumir espaço de políticas públicas.

“Em 2016, o gasto com precatório foi de R$ 30,3 bilhões. Em três anos, esse valor triplicou. De um ano para cá, a despesa cresceu um Bolsa Família, que tem orçamento de R$ 34,8 bilhões neste ano”, reforçou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Arábia Saudita retoma importações de carne bovina do Brasil

Publicados

em


source
Arábia Saudita acaba com embargo às importações de carne bovina brasileira
Reprodução

Arábia Saudita acaba com embargo às importações de carne bovina brasileira

O governo da Arábia Saudita decidiu acabar com o embargo às importações de carne bovina brasileira na última quinta-feira (16). A informação foi divulgada pelo Saudi Food and Drug Authority (SFDA), a agência do governo saudita que regula alimentos e medicamentos no país, e confirmada pelo Ministério da Agricultura.

A Arábia Saudita havia suspendido as compras de carne bovina de cinco frigoríficos brasileiros após a notificação de casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como a doença da vaca louca.

Leia Também

“A liberação das exportações ocorreu 10 dias após a Arábia Saudita ter anunciado a suspensão das compras de cinco plantas frigoríficas de Minas Gerais, no último dia 6 de setembro. A motivação estava relacionada à ocorrência de um caso da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) no estado”, informou o Ministério da Agricultura em nota.

No último dia 4, a pasta havia confirmado a ocorrência da doença em dois animais de frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG). Tratavam-se de caso atípicos – quando a causa é uma mutação em um único animal, e não por meio da contaminação entre dois ou mais bovinos. Ainda assim, o governo brasileiro decidiu suspender, temporariamente, as exportações de carne bovina para a China, em respeito a um protocolo de segurança firmado entre os dois países.

Dois dias depois da confirmação dos casos, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) manteve o status do Brasil de país com “risco insignificante” para a vaca louca. Para o órgão, os animais foram atingidos de forma independente e isolada. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA