ÁGUA BOA

Esportes

Coluna – Dez momentos brasileiros na Paralimpíada de Tóquio

Publicado em

Esportes


Além de feitos estatísticos, já destacados na semana passada, a Paralimpíada de Tóquio (Japão) foi recheada de momentos históricos para o Brasil. Muitos pelo bem. Outros, naturalmente, nem tanto. Pensando nisso, a coluna selecionou dez histórias envolvendo atletas ou equipes brasileiras na capital japonesa que serão lembrados por muito tempo.

A última braçada

A despedida do maior nome brasileiro na história das Paralimpíadas não poderia ficar fora da lista. Em Tóquio, Daniel Dias foi ao pódio três vezes (três bronzes) e chegou a 27 medalhas na história do evento (14 douradas). No último dia 1º de setembro, o quarto lugar nos 50 m (metros) livre da classe S5 (atletas com deficiências físico-motoras) marcou o adeus do nadador de 33 anos às piscinas. Tomado por lágrimas ao sair da água pela última vez, ele agradeceu, em entrevista ao repórter Igor Santos, da TV Brasil, o apoio de fãs, familiares e patrocinadores.

Não significa, porém, que Daniel estará afastado do esporte paralímpico. Ele foi eleito para o Conselho de Atletas do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês). Segundo o agora ex-nadador, um dos objetivos no novo posto será discutir o processo de classificação funcional (que define a categoria do competidor de acordo com o grau da deficiência), que sofreu mudanças no ciclo de Tóquio e promoveu alterações em várias classes (inclusive na dele próprio, que passou a ter nadadores que, anteriormente, eram avaliados como tendo menor comprometimento físico-motor que o brasileiro, o que dificultou na briga por mais medalhas no Japão).

Cem vezes Brasil

O Brasil iniciou a Paralimpíada com 87 medalhas de ouro na história e com a expectativa sobre de quem seria o centésimo topo de pódio do país no evento. O feito coube a Yeltsin Jacques nos 1.500 m da classe T11 (cegos), em 30 de agosto. Acompanhado pelo guia Antônio Carlos dos Santos, o Bira, o atleta de 29 anos não apenas conquistou o primeiro lugar, mas também quebrou o recorde mundial da prova. Quatro dias antes, Yeltsin já tinha levado o ouro nos 5 mil m.

Arremesso da discórdia

Na noite de 3 de setembro, Thiago Paulino dormiu como medalhista de ouro no arremesso de peso da classe F57 (atletas com deficiência nos membros inferiores, que competem sentados). Ao acordar no dia seguinte viu-se com o bronze, após o júri de apelação da World Para Athletics (WPA), entidade que gere o atletismo paralímpico e que é vinculada ao IPC, aceitar o recurso da China e desclassificar as duas tentativas que garantiriam ao brasileiro o primeiro lugar (que ficou com o chinês Goushan Wu).

Paulino protestou no pódio, sinalizando negativamente diversas vezes, inclusive ao receber a medalha de bronze. Em nota divulgada na última sexta-feira (9), a WPA alegou que o arremessador se ergueu da cadeira no momento da tentativa, o que configura uma infração. O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) argumenta que as imagens da prova não comprovam a irregularidade. A entidade nacional, inclusive, não descarta acionar o Comitê Olímpico Internacional (COI) – que chancela a Paralimpíada – por explicações.

Leia Também:  Zizinho completaria 100 anos nesta terça

Cordinha problemática

Nas provas de atletismo, os competidores com deficiência visual correm com auxílio de um guia, que é conectado ao atleta por meio de uma corda. Nos 100 m da classe T11 entre as mulheres, a expectativa era de ao menos uma medalha para o Brasil, já que, das quatro finalistas, duas eram do país. Por ironia, ambas foram desclassificadas e ficaram fora do pódio, composto apenas pela chinesa Cuiquing Liu (ouro) e pela venezuelana Linda Lopez (prata). Motivo? Problemas (diferentes) com a tal corda guia.

Campeã mundial da prova e principal favorita, Jerusa Geber teve a corda que a ligava ao guia Gabriel Garcia rompida pouco depois da largada. Thalita Simplício (que tinha sido prata nos 400 m) finalizou a corrida e conquistaria a medalha de bronze, mas foi desclassificada pelo guia Felipe Veloso ter soltado a corda quase na linha de chegada. Ambas, porém, deram a volta por cima nos 200 m, com Thalita conquistando a prata (menos de um centésimo atrás da chinesa Liu) e Jerusa o bronze.

Ouro, recorde e lágrimas

Uma reclassificação funcional em 2016, que colocou Beth Gomes uma categoria acima (portanto, contra atletas de menor comprometimento), minou o sonho de ela competir na Paralimpíada do Rio de Janeiro. A redenção da brasileira de 56 anos, que há 28 convive com a esclerose múltipla (que é degenerativa), veio em Tóquio. Beth não só conquistou o ouro como quebrou, pela 16ª vez, o recorde mundial do arremesso do disco da classe F52 (atletas sem controle de tronco e com deficiência nos membros superiores). As lágrimas após a confirmação da marca e a dedicatória aos pais já falecidos, além do casal que a apoiou após a morte deles (Manoel Ferreira e Ruth Amaral, autores de famosas marchinhas de carnaval), emocionaram o público.

Cowboy de aço (e ouro)

Há cinco anos, um problema cardíaco quando faltavam poucos meses para a Paralimpíada impediu que Fernando Rufino competisse na Rio 2016. Para quem já foi atingido por um raio, pisoteado por um touro e atropelado por um ônibus (acidente que o deixou paraplégico), este foi apenas mais um desafio a ser superado pelo Cowboy de Aço, que se transformou em Cowboy de Ouro em Tóquio. Nas águas da capital japonesa ele venceu com autoridade a prova dos 200 m da classe VL2 (canoa para atletas que utilizam os braços e o tronco para a remada) e realizou o sonho de ser campeão paralímpico.

Outro penta no Japão

Dezenove anos depois, uma seleção brasileira de futebol voltou a comemorar um pentacampeonato no Japão. A diferença é que, no caso do futebol de 5 (para jogadores com deficiência visual), a conquista foi em Tóquio, não em Yokohama. A campanha do Brasil em solo oriental foi perfeita: cinco jogos, cinco vitórias, 13 gols marcados e nenhum sofrido. O gol do título na final contra a rival Argentina, marcado por Nonato (o sexto dele na competição), encarando a marcação e finalizando de forma indefensável, simboliza a confiança e maturidade do time canarinho, que permanece como único campeão paralímpico da modalidade, presente nos Jogos desde 2004. Poucas equipes no esporte mundial são tão hegemônicas.

Leia Também:  Grêmio retorna na madrugada e se reapresenta focado no Brasileirão

Goalball no topo

Atual campeão do mundo e líder do ranking de seleções masculinas, o goalball brasileiro (também voltado a esportistas com deficiência visual) carecia de um ouro paralímpico. Em 2012 (prata) e 2016 (bronze), a equipe verde e amarela passou perto. Em Tóquio foi diferente. Foram seis vitórias, uma derrota e 60 gols marcados (51 deles pela dupla Leomon e Parazinho). Na trajetória, duas goleadas (11 a 2 na primeira fase e 9 a 5 na semifinal) sobre a Lituânia, medalhista de ouro no Rio, além do categórico 7 a 2 para cima da China na final. Dos seis integrantes do grupo dourado, cinco (Leomon, Parazinho, Romário, Zé Roberto e Alex) estiveram em pelo menos um dos quases anteriores. A eles faltava somente a glória máxima nos Jogos. Não falta mais.

Rainha das piscinas

A Paralimpíada do adeus de Daniel Dias marcou também o surgimento de novos ídolos paralímpicos na natação. Em Tóquio, o país teve cinco atletas diferentes conquistando medalhas de ouro na piscina. Entre eles, Maria Carolina Santiago, protagonista da modalidade. Estreante nos Jogos, a brasileira de 36 anos foi cinco vezes ao pódio, três delas no topo. A nadadora da classe S12 (baixa visão) confirmou o favoritismo nos 50 e nos 100 m (provas em que era campeã mundial) e ainda venceu os 100 m peito.

Destacou-se também no revezamento misto 4×100 m livre até 49 pontos (para atletas com deficiência visual, onde a soma das classes dos quatro competidores não pode superar 49), no qual foi medalhista de prata ao segurar a pressão do ucraniano Kyrylo Garashchenko nos metros finais e garantir o Brasil na segunda colocação. A nadadora nasceu com a síndrome de Morning Glory (alteração congênita na retina, que afeta a visão periférica do olho direito e só permite que enxergue vultos com o esquerdo) e costumava disputar entre pessoas sem comprometimento visual até 2018, quando, enfim, conheceu o paradesporto.

Pioneira nos tatames

Primeira mulher brasileira a ser campeã mundial no judô paralímpico (para deficientes visuais), em 2018, Alana Maldonado acrescentou outra marca pioneira ao currículo ao levar o ouro da categoria até 70 quilos nos Jogos de Tóquio. A vitória no país que é o berço da modalidade foi construída ao longo do ciclo, desde a prata na Rio 2016. De lá para cá, Alana assumiu a liderança do ranking do peso e só não esteve brigando no topo das principais competições durante o tempo em que passou por uma cirurgia no joelho esquerdo, meses antes de conquistar o mundo.

O hino nacional brasileiro não tocava nas disputas do judô paralímpico desde 2008, quando Antônio Tenório obteve a quarta medalha de ouro da carreira. Em Tóquio, o judoca de 50 anos bateu na trave na disputa do bronze e saiu pela primeira vez dos Jogos sem pódio, mas já anunciou que pretende brigar por vaga na Paralimpíada de Paris (França), daqui a três anos.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

Vasco empata com CRB fora de casa

Publicados

em


Na estreia do técnico Fernando Diniz, o Vasco da Gama empatou em 1 a 1 com o CRB na noite desta quinta-feira (16/9), no estádio Rei Pelé, em Maceió (AL), pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B. O gol Cruzmaltino foi marcado por German Cano. O Gigante da Colina chegou aos 33 pontos e o próximo compromisso será contra o Cruzeiro, no domingo (19/9), às 16h, em São Januário.

Fernando Diniz estreia com empate fora de casa (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

O JOGO

A partida começou com o Vasco mantendo mais a posse de bola e subindo as linhas de marcação, dificultando a saída de bola do CRB. A primeira boa chance do Gigante veio em falta cobrada por Nene, aos nove minutos, mas Diogo Silva defendeu. Aos 24, Nene cobrou falta na área e Léo Matos cabeceou, a bola bateu na defesa e saiu pela linha de fundo. Na sequência, Cano aproveitou a sobra e finalizou de fora da área, mas o goleiro defendeu em dois tempos.

Aos 30, Andrey recebeu pela direita e chutou forte, a bola quicou e o goleiro deu rebote, Cano chegou desequilibrado e não conseguiu a finalização. Aos 37, Morato recebeu pela esquerda, fez o drible e sofreu a falta. Na cobrança. Nene rolou para Andrey soltar uma bomba, a bola saiu pelo lado esquerdo da baliza. Aos 47, Marquinhos Gabriel infiltrou pela esquerda, tocou para Morato que ajeitou para Léo Jabá finalizar. A bola desviou e saiu pela linha de fundo. Nene cobrou escanteio, Ricardo Graça chutou e German Cano desviou de letra para abrir o placar, VASCO 1 a 0.

  CSA vence o Juventude por 3 a 2 e deixa zona de rebaixamento

Leia Também:  Ginastas criticam investigação do FBI sobre casos de abuso sexual

Na segunda etapa o Vasco manteve a marcação pressão. Aos sete minutos, Cano puxou contra-ataque e serviu Nene pela esquerda, que tentou o cruzamento para o argentino, mas a defesa afastou. Na primeira metade do segundo tempo o CRB passou a subir a marcação e equilibrou a posse de bola. O jogo ficou muito disputado no meio campo e sem chances de gol. Aos 33 minutos, Zeca cobrou falta na área, a bola sobrou para Andrey que serviu German Cano, o camisa 14 tentou o cruzamento, mas a bola passou por toda a área.

Aos 35, Andrey roubou bola atrás do meio campo e puxou o contra-ataque, o meia acionou Gabriel Pec que fez a ultrapassagem e finalizou de primeira, mas Diogo Silva fez a defesa. Aos 37, Zeca arriscou de fora da área, mais uma vez o goleiro da equipe alagoana defendeu em dois tempos. Aos 4o, Marquinhos Gabriel cobrou escanteio e Caio Lopes chutou forte de pena esquerda, mas a bola explodiu na defesa. Aos 46 minutos o CRB conseguiu o empate, 1 a 1.

VASCO X CRB

Campeonato Brasileiro – 24ª rodada

  América empata com a Chapecoense no Campeonato Brasileiro da Série B

Leia Também:  Zizinho completaria 100 anos nesta terça

Local: Rei Pelé, Maceió (AL)

Data: Quinta-feira, 16/09/2021

Horário: 19h (Brasília)

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira

Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Fabrini Bevilaqua Costa

Cartões Amarelos: Andrey (Vasco) Reginaldo, Guilherme Romão e Júnior Brandão (CRB)

Gols: German Cano (47’/1T), Bressan (46’/1T)

VASCO DA GAMA: Vanderlei, Léo Matos, Ricardo Graça, Leandro Castán e Zeca; Andrey (Caio Lopes), Marquinhos Gabriel e Nene (Figueiredo); Morato (Gabriel Pec), Léo Jabá (Bruno Gomes) e German Cano – Técnico: Fernando Diniz

CRB: Diogo Silva; Reginaldo (Celsinho), Caetano e Guilherme Romão; Marthã, Wesley (Jean Patrick) e Diego Torres (Bressan); Jajá (Alisson), Pablo Dyego e Careca (Junior Brandão) – Técnico: Allan Aal

fonte: https://vasco.com.br/vasco-empata-com-crb-fora-de-casa/

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA