ÁGUA BOA

Esportes

Coluna – Giannis Antetokounmpo, uma trajetória de cinema na NBA

Publicado em

Esportes


Não é sempre, mas os filmes da Disney costumam ter final feliz. O bilionário estúdio americano tem em sua lista de projetos para produção em 2021 um longa sobre a história de vida de Giannis Antetokounmpo, o craque grego do Milwaukee Bucks, da NBA (liga de basquete norte-americana). O timing não poderia ser melhor. Com o título de campeão da NBA assegurado nesta terça (20), o filme já garantiu um desfecho para fazer a plateia voltar para casa mais do que satisfeita.

Aos 26 anos, Antetokounmpo já tem praticamente todas as láureas que poderia almejar ao chegar à maior liga de basquete do mundo. São dois prêmios de MVP (sigla em inglês para Jogador Mais Valioso). Um troféu de melhor defensor da temporada. E esta que acaba de se encerrar trouxe o simbólico prêmio de melhor jogador do festivo Jogo das Estrelas, além dos mais importantes: o primeiro título de campeão da liga, acompanhado pela eleição como MVP das Finais, série coroada por uma atuação memorável de 50 pontos no jogo decisivo.

Um outro prêmio, que passa ligeiramente despercebido no currículo de Antetokounmpo, é um bom indicativo do motivo pelo qual toda a trajetória dele, da infância à mais alta glória no basquete, é digna de peça de cinema. O grego foi escolhido como o jogador que mais evoluiu na NBA na temporada 2016-17, quando deu um salto rumo ao estrelato. Ele mostrou sua perseverança em sempre melhorar, mesmo sem, necessariamente, atender às expectativas externas.

Caso você não tenha tropeçado ainda na história do atleta, eis um resumo: Giannis é um dos cinco filhos de dois imigrantes nigerianos que chegaram à Grécia no começo da década de 90. A mãe Veronica e o pai Charles, que entraram ilegalmente no país europeu, não tinham documentação grega (nem Giannis). Ele teve uma vida humilde e vendia óculos escuros e DVDs nas ruas de Atenas para ajudar os pais. Acabou se tornando aposta de um olheiro mesmo sem ter nenhuma intimidade com a bola laranja, aos 13 anos. 

Leia Também:  Fora de casa, Corinthians consegue três pontos em cima da Chapecoense

Aos 18, depois de impressionar com a capacidade física na segunda divisão da Grécia, atiçou os scouts (analistas) da NBA e foi selecionado pelo Milwaukee Bucks no draft de 2013.

Giannis desembarcou nos Estados Unidos, como é possível ver no vídeo, como um garoto alto e magro. Ao longo dos anos, os 2,11 metros foram sendo preenchidos. Ele pulou dos 86 para os 110 kg e justificou o apelido que ganhara antes mesmo de chegar à NBA: a Aberração Grega. 

O aumento na balança se refletiu na evolução em quadra. Giannis virou uma realidade, com a mobilidade e a velocidade de um armador mas o porte físico de um pivô. A cada temporada, ele foi acrescentando coisas ao jogo e as honrarias foram se acumulando. 

Por mais que Giannis tenha se acostumado a superar expectativas, ele finalmente alcançou o patamar mais alto da NBA se mantendo fiel a si próprio. 

Conforme as cobranças por melhores resultados se intensificaram nos últimos anos, a crença de que ele deveria procurar holofotes maiores do que os de Milwaukee para brilhar aumentaram. Estamos falando da 30ª maior cidade do país em termos de população e o 24º maior mercado na NBA (que tem 30 times). Giannis foi na contramão: adiantou-se e assinou uma extensão com o Bucks, assegurando o contrato mais lucrativo da história da liga no processo (228 milhões de dólares pelos próximos cinco anos).

Ao fazê-lo, o grego bateu em uma tecla: a da lealdade. 

A lealdade deu frutos não apenas porque o time buscou cercar o craque com um elenco mais qualificado. O próprio Giannis se manteve focado. 

Leia Também:  Campinense sai na frente do Sousa pela final do Campeonato Paraibano

Ao contrário de muitos contemporâneos, que aproveitam a inter-temporada para treinarem juntos, Giannis não abre o jogo para adversários. E quando as críticas ao estilo de jogo hiperfísico e de menos técnica no arremesso chegaram ao auge, ele alcançou o título da NBA focando no que faz bem.

Na série final contra Phoenix, Giannis teve médias de 35.1 pontos, 13.1 rebotes, 5 assistências e 1.8 tocos por jogo. Ele foi um terror físico e alcançou tamanha produção praticamente sem precisar de bolas de três (acertou apenas três na série toda) e com desempenho no máximo aceitável na linha do lance livre (embora tenha explodido para 17 acertos em 19 tentativas no último jogo). O baixo aproveitamento e a demora para cobrar os lances livres fizeram de Giannis um alvo fácil de provocações das torcidas adversárias, mas ele nunca hesitou.

O detalhe mais impressionante da performance do grego na grande decisão é que, apenas três semanas atrás, a temporada dele parecia acabada após uma hiperextensão no joelho esquerdo que o fez temer por ficar de fora das quadras por um ano. Ele voltou uma semana depois.

Giannis em tese já tem tudo o que sonhou, não só para ele mas também para os irmãos. Thanasis também faz parte do elenco do Milwaukee e Kostas foi campeão com o Los Angeles Lakers no último ano. 

No entanto, o modo como buscou obsessivamente o que queria leva a crer que não vai se acomodar daqui para frente. No discurso de agradecimento pelo primeiro prêmio de MVP, em 2019, ele citou um ensinamento do já falecido pai, Charles:

“Não seja ganancioso, mas queira sempre mais”.

A julgar por essa mentalidade, é possível acreditar que a Disney tenha material para produzir não apenas um longa, mas uma série com várias temporadas.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

Coritiba bate o Náutico e segue na cola do líder da Série B

Publicados

em


Com gols de Igor Paixão, Waguininho e Léo Gamalho, Coxa fez o dever de casa e segue na cola do Timbu

No Couto Pereira, em confronto direto pela liderança da Série B, o Coritiba levou a melhor e deu fim à invencibilidade do Náutico com uma vitória por 3 a 1, na noite desta sexta-feira (30), pela 15ª rodada da competição. Com o resultado, o Coxa, que ainda tem um jogo a menos disputado, segue na vice-liderança, agora com 28 pontos ficando a dois do líder Timbu, que tem 30 pontos somados.

+Confira o complemento da rodada!

O jogo

O Coritiba ditou o ritmo do primeiro tempo desde o início do duelo e conseguiu transformar o domínio em bola na rede. Não uma, mas duas vezes antes do intervalo. Mandante da partida, a equipe paranaense começou arriscando com Léo Gamalho e Val. Aos oito minutos, Léo Gamalho teve mais uma chance, mas parou no goleiro Alex Alves. Na sequência, Robinho e Igor Paixão também arriscaram para o Coxa.

Passados 20 minutos de jogo, o Timbu até igualou a posse de bola. Mas foi o Verdão que continuou criando as melhores oportunidades no ataque. E, na marca dos 32, Val carimbou o poste e na sobra Igor Paixão mandou para o fundo da meta adversária. Oito minutos depois, Robinho deu passe açucarado para Waguininho invadir a área e ampliar a vantagem do Coxa no Couto Pereira: 2 a 0.

No segundo tempo, o Náutico foi quem teve o controle das ações, enquanto o Coritiba apostou nos contra-ataques. Igor Paixão, aos 20, quase marcou mais um para o time da casa. Já aos 23, o Alvirrubro diminuiu com Matheus Carvalho. Após assistência de Paiva, o camisa 11 girou sobre a marcação e bateu rasteiro sem dar chances de defesa: 2 a 1.

Mas, aos 35, o Coxa frustrou a tentativa de reação dos visitantes com Léo Gamalho, que recebeu cruzamento na área e cabeceou firme para fazer 3 a 1. O Timbu ainda tentou uma resposta rápida em finalização de Matheus Trindade, mas Wilson fez bela defesa e segurou o resultado para o Verdão.

Brasileiro Série B – 2021 – 15ª rodada

Coritiba 3 X 1 Náutico
Local: Couto Pereira – Curitiba – PR
Data: 30/07/2021
Horário: 20:00hÁrbitro: Thiago Luis Scarascati AB SP;
Assistentes: Fabrini Bevilaqua Costa FIFA SP; e Gustavo Rodrigues de Oliveira AB SP;
Demais Árbitros: Leonardo Ferreira Lima AB PR; Leandro Jose Mendes CD PR

Coritiba: Wilson, Natanael (Igor), Henrique, Luciano Castán, Guilherme Biro, Willian Farias, Val, Robinho (Rafinha), Igor Paixão, Waguininho e Léo Gamalho (Wellington Carvalho)
Técnico: Júlio Sérgio
Banco: Alex Muralha, Nathan Ribeiro, Wellington Carvalho, Igor, Romário, Bernardo L., Jhony Douglas, Biel, Valdeci, João Vitor, Rafinha e Gui Azevedo

Náutico: Alex Alves, Hereda, Camatunga (Yago), Carlão, Rafinha (Matheus Carvalho), Trindade, Rhaldney (Vargas), Marciel (Iago Dias), Brayan, Vinicius e Paiva
Técnico: Hélio dos Anjos
Banco: Jefferson, Breno Lorran, Yago, Djavan, Guilherme Nunes, Luiz Henrique, Vargas, Matheus Carvalho e Iago Dias

GOLS DO JOGO Gols:
Igor Paixão (Coritiba) – aos 32 minuto(s) do 1º Tempo
Waguininho (Coritiba) – aos 40 minuto(s) do 1º Tempo
Matheus Carvalho (Náutico) – aos 23 minuto(s) do 2º Tempo
Léo Gamalho (Coritiba) – aos 35 minuto(s) do 2º Tempo

Cartões DO JOGOCartões:
Amarelos: Camatunga (Náutico)Willian Farias (Coritiba), Vinicius (Náutico), Natanael (Coritiba), Val (Coritiba), Robinho (Coritiba), Brayan (Náutico)
Vermelhos: Não houve

Fonte: https://www.cbf.com.br/futebol-brasileiro/competicoes/campeonato-brasileiro-serie-b-jogos/2021-42-2-147

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Em Porangabuçu, Ceará inicia preparação para enfrentar o Atlético Mineiro
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA