ÁGUA BOA

Esportes

Com time experiente, Brasil quer apagar 2016 e retomar coroa do futsal

Publicado em

Esportes


O massacre por 9 a 1 sobre o Vietnã, na última segunda-feira (14), foi o cartão de visitas de um Brasil que disputa a Copa do Mundo de futsal masculino, na Lituânia, com dois objetivos claros. O primeiro, deixar a decepção de 2016 (pior campanha da seleção na história, eliminada pelo Irã nas oitavas de final) para trás e retomar a coroa da modalidade, conquistada pela última vez em 2012. O segundo é o escrete buscar o oitavo título mundial, sendo o sexto desde que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) assumiu a competição, em 1989.

“Esta foi a melhor preparação que já tivemos. Foram 30 dias de trabalho. Em 2016, foi muito complicado, uma crise política no futsal, muito difícil de trabalhar. Chegamos meio capengando, tendo que ser mais do que nunca um grupo. O que a gente leva é que a dor da derrota é muito maior que a alegria da vitória, ainda mais para o povo brasileiro, que ama o futebol e o futsal e conta com essa alegria. Quando a gente não entrega, a pancada é maior. É isso que tento passar ao pessoal, que temos condição de fazer uma história muito bonita na Lituânia”, declarou o fixo Rodrigo, capitão da seleção, à Agência Brasil.

O Capita, como é apelidado o camisa 14 brasileiro, é um dos mais experientes do grupo. Do atual elenco, ele e o goleiro Guitta estiveram no título de 2012, conquistado na Tailândia. Na ocasião, o Brasil derrotou a Espanha por 3 a 2, na prorrogação. O craque Falcão, que se aposentou das quadras em 2018, fez parte daquela seleção e brilhou na partida considerada a mais marcante da campanha.

“Foi uma conquista muito difícil. Tivemos um jogo contra a Argentina nas quartas de final, em que estávamos perdendo por 2 a 0. O Falcão entrou daquele jeito [com uma paralisia facial], todo travado, mas foi decisivo [marcando dois gols e decretando a virada por 3 a 2]. A [melhor] memória é essa, mais até que a da final, que também foi histórica. Lembro que, pouco antes do gol do Neto [o do 3 a 2 sobre a Espanha], eu perdi uma falta aberta [risos]. São momentos que marcam”, recordou o fixo.

Leia Também:  Seleção feminina inicia preparação para amistosos contra Argentina

Além de Rodrigo e Guitta, o ala Dyego e o pivô Dieguinho também têm rodagem em Copa do Mundo, integrando o elenco de 2016. Os outros 12 jogadores convocados pelo técnico Marquinhos Xavier disputam a competição pela primeira vez. O capitão brasileiro, porém, avalia que o grupo não é menos experiente por ter poucos remanescentes de outras edições.

“Temos uma seleção com muita bagagem e uma faixa etária [média de 30,9 anos] que faz com que os jogadores cheguem com uma experiência muito boa. São atletas com finais de Liga dos Campeões da Europa e de Liga Nacional de Futsal [LNF], competições importantes. Então, a gente está mais forte do que nunca, com uma preparação do nível que o Brasil merecia”, afirmou Rodrigo.

De fato, o elenco é mesclado, com oito atletas no futsal europeu e oito em equipes da LNF – transmitida pela TV Brasil aos domingos, às 11h (horário de Brasília). Um dos jogadores em atividade no país é Dieguinho, que defende o Joinville, mas já competiu nas ligas russa (Dínamo Moscou, onde foi campeão mundial em 2013) e portuguesa (Sporting, pelo qual venceu a Liga dos Campeões em 2019).

“Praticamente, sempre foi assim [mistura entre jogadores que atuam no Brasil e no exterior]. Nem todos os atletas da seleção se concentram em um lugar só. É importante, pois quem está fora conhece mais a cultura dos europeus, dos outros países, e quem está no Brasil traz a nossa cultura. Essa mescla vai nos ajudar a alcançar nosso objetivo”, destacou Dieguinho, à Agência Brasil.

Atual campeão nacional, o Magnus Sorocaba é o time brasileiro com mais convocados (quatro, entre eles Rodrigo), seguido pelo Joinville de Dieguinho (dois). Dos estrangeiros, o Barcelona (Espanha), vice europeu em 2021, é o clube com mais representantes na seleção: três, sendo um deles o fixo Ferrão, destaque da goleada sobre os vietnamitas, com quatro gols.

O Brasil integra o Grupo D da Copa do Mundo. Além do Vietnã, a seleção ainda terá pela frente República Tcheca e Panamá na primeira fase. Os tchecos são os próximos adversários, nesta quinta-feira (16), às 14h. No domingo (19), no mesmo horário, encara os panamenhos. Os dois primeiros colocados de cada chave avançam às oitavas de final, além dos quatro melhores terceiros.

Leia Também:  Grêmio retorna na madrugada e se reapresenta focado no Brasileirão

Se ficarem em primeiro, os brasileiros enfrentam o melhor terceiro colocado que sair dos Grupos B, E ou F (onde estão alguns dos principais adversários na briga pelo título). Atual vice-campeã mundial, a Rússia (que compete como Federação Russa de Futsal, devido à punição que o país recebeu por casos de doping nos esportes olímpicos e paralímpicos) está na chave B. Na E figura a bicampeã Espanha. Já na F encontra-se a atual detentora da coroa do futsal: a Argentina, que, inclusive, superou o Brasil na final da Eliminatória sul-americana, em fevereiro do ano passado.

“O Brasil sempre é favorito. Em todo esporte que disputa, entra pra ser campeão. Não é diferente no futsal. Há grandes equipes, como Argentina, Rússia, Portugal [atual campeão europeu] e Cazaquistão [que conta com três brasileiros naturalizados, o goleiro Higuita, o fixo Douglas Júnior e o ala/pivô Taynan]. Será um Mundial bem competitivo, mas estamos aqui para buscar esse título”, concluiu Dieguinho.

Os convocados

Goleiros: Guitta (Sporting, de Portugal), Djony (Magnus Sorocaba) e Willian (Joinville).
Alas: Leozinho, Leandro Lino (ambos Magnus Sorocaba), Dyego (Barcelona, da Espanha), Arthur (Benfica, de Portugal), Gadeia (Elpozo, da Espanha) e Bruno (Ukhta, da Rússia).
Fixos: Rodrigo (Magnus Sorocaba), Lé (Corinthians) e Marlon (Palma, da Espanha).
Pivôs: Rocha (Carlos Barbosa), Dieguinho (Joinville), Pito e Ferrão (ambos Barcelona, da Espanha).

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

Prefeitura do Rio libera público nos estádios com metade da ocupação

Publicados

em


O público poderá voltar aos estádios do Rio de Janeiro a partir da próxima terça-feira (21), informou a prefeitura da cidade, que liberou metade da capacidade de ocupação das arenas esportivas.

A medida exige que todos os torcedores estejam com esquema vacinal completo para acessar os estádios e ginásios esportivos. O uso de máscara e a manutenção do distanciamento serão obrigatórios.

Na capital, mais de 95% dos adultos já tomaram a primeira dose da vacina e mais de 60% concluíram o ciclo vacinal.

A prefeitura promoveu essa semana um evento teste no Maracanã no jogo entre Flamengo e Grêmio pela Copa do Brasil. Estavam autorizados a acessar o estádio cerca de 25 mil torcedores, mas o público presente foi de pouco mais de 6 mil pessoas.

A prefeitura liberou outros jogos com torcida de Flamengo e Vasco para esse fim de semana, mas a presença de público depende de posições dos conselhos técnicos das Séries A e B do Campeonato Brasileiro.

“Temos uma melhora muito importante no cenário da pandemia no Rio. Queda de 47% nos pedidos de internação e menos casos e óbitos. Tem fila zero de espera na rede de saúde”, justificou o secretário de saúde municipal, Daniel Soranz.

A prefeitura pretende autorizar a reabertura de boates, danceterias e salões de dança, que estão parados na pandemia, quando for alcançado o índice de 65% da população do município com esquema vacinal completo. Eles poderão funcionar com 50% da capacidade.

Leia Também:  Daniil Medvedev garante vaga no ATP Finals após vencer US Open

“Acreditamos que isso deva acontecer em 10 a 15 dias”, disse o prefeito Eduardo Paes.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA