ÁGUA BOA

GERAL

O superpoder do Açaí para sua saúde

Publicado em

GERAL

Esse superalimento veio do Norte do país e ganhou fama internacional pelos benefícios que traz para o organismo.

DA REDAÇÃO

O açaí é uma fruta originária da mata nativa da Amazônia. Atualmente, 95% da sua produção se concentram no Pará. Enquanto na região Norte o açaí é servido como acompanhamento de pratos salgados, no restante do Brasil ele é mais conhecido pela polpa congelada, que é usada como base para aquele creme roxo e delicioso.

açaí é um verdadeiro arsenal de nutrientes, como vitaminas (A, E, D, K, B1, B2, C), minerais (cálcio, magnésio, potássio, ferro), aminoácidos, antioxidantes e óleos essenciais. Cada 100 gramas de açaí puro contém 58 calorias.

“É rico em polifenois que agem diretamente na saúde dos vasos sanguíneos e detonam os radicais livres, aqueles responsáveis pelo envelhecimento e dano à pele. Além disso, o açaí é ótima fonte de ácidos graxos essenciais, como ômega-9 e betasitosterol, o que contribui para baixar o colesterol. Esta superfruta ainda é fonte de fibra, e para uma boa saúde o intestino precisa funcionar bem”, conta a nutróloga Tamara Mazaracki.

O açaí contém alto teor de lipídeos, de acordo com Cintya Bassi, nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão. A fruta tem, inclusive, alto teor de ácidos graxos essenciais, como Ômega 6 e Ômega 9, carboidratos, fibras, vitamina E e minerais, como ferro e zinco.

“A polpa do açaí é rica em antioxidantes como antocianinas e proantocianidina”, afirma ela. Dos lipídeos presentes na fruta, “prevalece o ácido graxo monoinsaturado oleico, o mesmo encontrado no azeite de oliva e associado a cardioproteção”, acrescenta Michelle.

Propriedades e benefícios do açaí

  • Age como um tônico cardioprotetor
  • Ajuda o sistema circulatório
  • Reduz as taxas de colesterol
  • Tem ação anti-inflamatória
  • Ajuda o aparelho digestivo
  • Promove a saúde intestinal
  • Protege a pele da ação dos raios solares
  • Age na saúde dos olhos
  • Pode ajudar na prevenção da doença de Alzheimer
  • Contribui para a longevidade

Devido aos antioxidantes o açaí auxilia no combate aos radicais livres e, por isso, ajuda a diminuir o envelhecimento e o risco de algumas doenças, inclusive o câncer. “Além disso, os antioxidantes e o perfil de lipídeos presente no fruto tem efeito anti-inflamatório e redutor de lesões teciduais. Os polissacarídeos da fruta têm ação sobre células que melhoram o sistema imunológico“, afirma Cyntia Maureen.

O açaí também é extremamente rico em compostos fenólicos, que possuem atividade antioxidante e anti-inflamatória. Entre esses compostos, destaca Michelle, prevalecem as antocianinas, responsáveis pela cor escura da fruta. “Devido a abundância dessas substâncias, pesquisas científicas têm associado o consumo de açaí a prevenção de câncer, doenças cardiovasculares, processos alérgicos, doenças neurodegenerativas e aumento da longevidade”, completa ela. Abaixo, a nutróloga Tamara Mazaracki destaca outros benefícios do açaí:

Açaí e a prática de exercícios

“Por fornecer grande quantidade de energia e favorecer a contração muscular (o que inclui o funcionamento cardíaco) e saúde óssea, o açaí é extremamente recomendado para os praticantes de atividade física”, lembra Cyntia Maureen.

A fruta ainda auxilia na recuperação muscular, reposição de energia, ganho de massa magra e aumento da saciedade. “O consumo deve ser em quantidades moderadas, de 100g a 200g dependendo do objetivo”, destaca Cyntia Bassi.

Leia Também:  Quais desafios presidenciáveis enfrentam na economia? iGdeias debate

O açaí, de acordo com Michelle Mendes, pode ser consumido tanto no pré como no pós-treino. “Seu consumo no pós treino pode auxiliar na reposição, de maneira rápida, a glicose perdida durante os treinos. Já no pré-treino pode contribuir no aumento da energia, já que é considerado um verdadeiro energético natural, diferente de outros produtos que se intitulam como energéticos e são apenas estimulantes”, explica.

Poder antioxidante

O açaí é recheado com antioxidantes (Journal of Agricultural and Food Chemistry 2008). “Ele contém um alto teor de compostos polifenólicos como o resveratrol, antocianidina, ácido ferúlico, delfinidina e petunidina; e também contém taninos como epicatequina e ácido elágico. Os antioxidantes ajudam a reduzir os riscos de câncer, doenças degenerativas e envelhecimento precoce”, afirma a nutróloga Tamara Mazaracki.

O açaí é bastante rico em antioxidantes. Não à toa que tem um índice ORAC muito superior a qualquer outra fruta que foi oficialmente testada, com ORAC 102.700 por 100 gramas. O índice ORAC (Oxygen Radical Absorbance Capacity ou capacidade de absorção dos radicais oxidantes) é um método de quantificação da capacidade antioxidante de alimentos.

Açaí combate o câncer

As antocianinas são responsáveis por colorir o açaí com seus pigmentos roxo-azulados. “Elas fornecem proteção antioxidante contra os efeitos prejudiciais da constante exposição à luz ultravioleta a qual estes frutos estão expostos. Já foram descobertas mais de 600 tipos de antocianinas de ocorrência natural.

A forma mais abundante de antocianina é a C3G, e é ela que regula os nossos genes para proteger o corpo da ação dos radicais livres. Um estudo realizado na Universidade da Flórida mostrou que o extrato de açaí foi capaz de acionar o mecanismo que elimina 86% das células de leucemia nas amostras, devido à alta concentração de C3G e outras antocianinas”, explica Tamara.

Fortalece o sistema imunológico

Os antioxidantes presentes no açaí têm um profundo efeito na redução do estresse oxidativo que microrganismos invasores e toxinas ambientais produzem. “Sua ação imunoestimulante aumenta a capacidade do corpo de combater infecções por bactérias, vírus e fungos. O açaí contém um polissacarídeo chamado arabinogalactana, que induz a atividade fagocitária (de defesa) das células brancas, segundo um estudo de 2011 publicado pelo Department of Immunology and Infectious Diseases at Montana State University“, destaca Tamara.

Açaí combate a anemia

Por ser um alimento rico em ferro, a nutricionista Maria Jane afirma que o açaí pode, sim, ser indicado no tratamento de anemias. “Para potencializar a absorção do nutriente, uma dica é consumir com alguma fruta cítrica, como laranja, limão, acerola ou kiwi”, completa. Natalia Alcalá destaca também que essa grande quantidade de ferro da fruta acaba ajudando na regularização metabólica, que ajuda na prevenção da anemia.

Protege a saúde do coração

O açaí possui um teor elevado de antocianina, responsável pela sua coloração. Essa substância previne a degeneração celular e evita a produção de radicais livres. “Os benefícios para o coração, sistema imunológico e envelhecimento precoce estão relacionados a esta substância, além das vitaminas do complexo B, vitaminas C e E”, destaca Maria Jane Dias Pereira, nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

Leia Também:  STF vota nesta quarta (10) reajuste de salários de ministros e juízes, que pode superar R$ 46 mil

Para completar, a nutricionista Natalia Alcalá, da Estima Nutrição, ressalta que o açaí é um forte aliado para a saúde do coração por possuir uma grande concentração de fitoesterois, que auxiliam na redução dos níveis de colesterol.

Previne o envelhecimento precoce

O açaí tem em sua composição o zinco, que possui ação cicatrizante e mantém a integridade da membrana das células. “É considerado antioxidante (combate os radicais livres), podendo atuar na prevenção do envelhecimento celular. É também responsável pela elasticidade e hidratação da pele”, destaca Marisa Coutinho, nutricionista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Açaí na gravidez

O açaí é um alimento muito saudável e por conter tantos nutrientes, pode sim ser consumido durante a gestação. “Portanto, vale levar em consideração o valor calórico do mesmo, pois se consumido em excesso pode levar a um maior ganho de peso. Outro aspecto importante é se atentar para a segurança alimentar nesta fase, analisando sempre o local de consumo”, recomenda Michelle.

Quantidade recomendada do açaí

“O açaí pode ser consumido diariamente: nas regiões produtoras as pessoas chegam a ingerir até 1 litro diário do produto, que é a base da alimentação local misturado com farinha. Se o açaí for consumido sem os aditivos ultracalóricos, não há nenhum problema no uso diário”, destaca Tamara.

No caso de atletas e praticantes de atividade física, com objetivo de ganho de massa corporal, o consumo de açaí todos os dias pode ser uma estratégia nutricional eficaz. “Já para perda de peso, pode não ser o mais indicado. No entanto, a quantia indicada no geral seria de aproximadamente 100g a 200g ao dia“, diz Natalia Alcalá.

Riscos de consumir açaí

A nutricionista Maria Jane destaca que o açaí, como tudo na vida, não deve ser consumido em excesso, pois pode ser prejudicial. “Por ser um alimento muito calórico, se for consumido em grandes quantidades pode ser responsável pelo ganho de peso e hiperglicemia, que é o aumento de açúcar no sangue”, diz.

Também é preciso tomar cuidado com a procedência do açaí. “Há riscos no consumo quando há o produto é de origem desconhecida, sem o certificado de qualidade da ANVISA e do Ministério da Saúde. O açaí pode transmitir a doença de Chagas, segundo estudos confirmados pela por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen)”, conta Maria Jane.

Contraindicações

“O açaí é contraindicado para pessoas diabéticas por causa do elevado nível de glicose, porém, se for consumir, deve-se dispensar o xarope de guaraná e contar com a orientação de um médico ou nutricionista”, ressalta Maria Jane.

Referências

Tamara Mazaracki, nutróloga

Michelle Mendes, nutricionista Funcional e Oncológica da Aliança Instituto de Oncologia

Cintya Bassi, nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão

Cyntia Maureen, nutricionista e consultora da Superbom

Natalia Alcalá, nutricionista da Estima Nutrição

Marisa Coutinho, nutricionista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Maria Jane Dias Pereira, nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

GERAL

STF vota nesta quarta (10) reajuste de salários de ministros e juízes, que pode superar R$ 46 mil

Publicados

em

Proposta de reajuste é de 18% e sessão será virtual

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, marcou para esta quarta-feira (10) sessão aministrativa virtual, das 8h às 15h, para votar o orçamento da Corte para 2023 e a proposta de reajuste de 18% no salário de todos os servidores e magistrados da Justiça.

Se aprovado, o reajuste valerá também para os próprios salários dos ministros do Supremo. O valor hoje é de R$ 39.293,32, podendo superar os R$ 46 mil.

Por servir como teto para os salários de todo o funcionalismo público, sempre que a remuneração dos ministros do Supremo é reajustada, tem o potencial de gerar efeito cascata, com impacto também no orçamento do Executivo e do Legislativo.

O último aumento de salário dos ministros do Supremo ocorreu em 2018, com percentual de reajuste de 16,38%. Na época, estudos da Câmara e do Senado projetaram que somente a correção automática nos vencimentos de todos os juízes teria impacto de R$ 4 bilhões. Na ocasião, o impacto foi compensado em parte com o fim do auxílio-moradia, que era pago indiscriminadamente a todos os juízes do país. Desde então, o benefício foi regulamentado e passou a ser bem mais restrito.

Leia Também:  Quais desafios presidenciáveis enfrentam na economia? iGdeias debate

Pela regra do teto constitucional de gastos, o orçamento do Judiciário para o ano que vem pode chegar aos R$ 850 milhões, 10,9% maior que os R$ 767 milhões previstos no orçamento deste ano. O percentual é o mesmo da inflação oficial registrada em 2021. A previsão é que os reajustes sejam absorvidos por esse espaço maior.

O aumento de 18% foi proposto por associações de magistrados e sindicatos de servidores, segundo o Supremo. Em comum, as entidades alegam que os salários encontram-se há mais de três anos sem reajuste, e que a proposta atual seria apenas uma recomposição da inflação, não havendo aumento real nos vencimentos.

Se for aprovado pelos ministros do Supremo, o reajuste será encaminhado ao Congresso, que deve votar a proposta, tendo a palavra final sobre o orçamento do Judiciário.

Olho no Araguaia – Semana 7

COMENTE ABAIXO:

Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA