ÁGUA BOA

Mato Grosso

Integridade de entes privados é tendência de mercado, afirma controlador-geral

Publicado em

Mato Grosso


A criação e a implementação de programas de integridade pelas empresas privadas são tendência mundial e nacional de mercado. A ponderação foi feIta pelo secretário-controlador geral do Estado de Mato Grosso, Emerson Hideki Hayashida, no último webinar do “Programa CGE ORIENTA – Estado Íntegro e Eficaz”, sobre “Programas de Integridade e Compliance nas Contratações Públicas e os Desafios para o Setor Privado no Brasil”.

Na oportunidade, o titular da CGE-MT destacou a relevância dos programas de integridade, não somente para cumprimento da legislação, com ponto de partida na Lei Anticorrupção, editada em 2013.

“Os programas de integridade têm sido uma tendência mundial e nacional de mercado, de cada vez mais exigir credibilidade das pessoas jurídicas em seus negócios, inclusive no relacionamento com a administração pública”, ressaltou.

Nesse contexto, Hideki observou que a existência e a implementação de programas de integridade pelas empresas têm sido requisitos para a aprovação de créditos junto a financeiras.

“A tendência do mercado econômico é cada vez mais exigir das empresas a integração da geração de valor econômico com práticas ambientais, sociais e de governança”, pontuou.

Por isso, neste cenário, a Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso está implantando programa de integridade, que pretende não apenas coibir corrupção, fraudes e irregularidades, mas também fomentar a governança, a entrega de resultados de forma íntegra e eficiente.

“Esta capacitação já é parte desta ação, de sensibilização, conscientização e alinhamento conceitual sobre a cultura da integridade e sua importância para o alcance da boa governança, com impacto positivo na prestação de serviços à população”, salientou.

Leia Também:  Governo entrega títulos definitivos para 600 moradores do bairro São João Del Rey em Cuiabá

O secretário-controlador acrescentou que a boa governança se torna ainda mais necessária em Mato Grosso por conta do atual cenário econômico do Poder Executivo Estadual, o que envolve contas equilibradas e execução do “Mais Mato Grosso”, programa que prevê investimentos na ordem de R$ 9,5 bilhões em 12 eixos. 

Para a chefe da Unidade de Integridade e Governança da CGE-MT, Cristiane Laura de Souza, Mato Grosso já entrou no fluxo da cultura da integridade, mediante a edição de leis, decretos e portarias e a criação de um setor específico na Controladoria para coordenar as atividades relativas à matéria.

“Já conseguimos vislumbrar um cenário de maior integridade e governança na obtenção de lucros. E, nesse novo cenário, a missão e a visão das pessoas jurídicas, sejam públicas ou privadas, não se resumem mais ao mundo dos negócios. Voltam-se à sustentabilidade, à responsabilidade social e à relação com o consumidor”, salientou.

Entretanto, segundo ela, ainda há muito a ser feito no Poder Executivo Estadual, como a regulamentação da Lei Estadual nº 11.123/2020 (estabelece a exigência de programas de integridade às empresas que celebrarem contratos com o Poder Executivo Estadual com valores entre R$ 80 mil e R$ 650 mil) e a implantação de sistemas de integridade pelos órgãos e entidades estaduais.

O webinar voltado a empresas de direito privado foi o primeiro de uma série no contexto de implantação de sistemas de integridade no âmbito do Poder Executivo Estadual. Neste segundo semestre, serão oferecidas ainda orientações online aos gestores estaduais, dos níveis estratégico e tático das secretarias, sobre o conceito, a relevância e os pilares da integridade pública.

Leia Também:  Quatro das 141 prefeituras de Mato Grosso contratam mão de obra de recuperandos

Webinar

O primeiro evento da série reuniu três das principais autoridades nacionais no assunto para compartilhar seus conhecimentos e experiências com representantes de entes privados de Mato Grosso, outros estados e até de fora do Brasil, como Portugal.

Um dos palestrantes foi o ex-diretor de governança e conformidade da Petrobras entre os anos de 2019 e 2021, Marcelo Zenkner, também ex-promotor de Justiça e ex-secretário de Controle e Transparência do Estado do Espírito Santo (ES).

Outras palestrantes do webinar foram a gerente anticorrupção da Rede Brasil do Pacto Global, Ana Luiza Aranha, e a coordenadora de Projetos de Práticas Empresariais e Políticas Públicas do Instituto Ethos, Paula Oda, que falaram sobre o Movimento de Integridade do Setor de Engenharia e Construção (Misec).

Os debates do painel “Programas de Integridade e Compliance nas Contratações Públicas e os Desafios para o Setor Privado no Brasil” foram mediados por Rodrigo Amorim, auditor do Estado (CGE-MT), especialista em Prevenção e Repressão à Corrupção.

Clique AQUI para ver ou rever a transmissão. 

Leia mais: 

Programas de integridade protegem a reputação das empresas, afirmam especialistas em webinar da CGE

Inscrições para webinar sobre integridade nas contratações terminam nesta terça-feira

Webinar da CGE terá palestra com um dos mais admirados executivos de compliance no Brasil

CGE abre inscrições para webinar sobre integridade nas contratações públicas

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mato Grosso

Várzea Grande reativa GGI para estratégias de prevenção e combate à violência

Publicados

em


Várzea Grande reativou na manhã desta quarta-feira (04.08) o Gabinete de Gestão Integrada (GGI) municipal reunindo as forças de segurança, Prefeitura, além da sociedade civil organizada para deliberar sobre as ações de segurança pública na cidade, definindo o que é prioridade na elaboração das políticas públicas.

Este é o sétimo município de Mato Grosso tem o GGI instalado e faz toda a diferença ter essa articulação direta entre os membros para um combate eficaz ao crime e aos problemas de segurança pública. Além de Várzea Grande, os municípios de Sorriso, Rondonópolis, Comodoro, Aripuanã, Campo Novo do Parecis e Cáceres tem o Gabinete de Gestão Integrada instalado e atuante.

Na esfera estadual, o GGI é presidido pelo secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, e formado pelo Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Politec, Sistema Penitenciário, Polícia Judiciária Civil, Sistema Socioeducativo e o Detran e todos os meses deliberam sobre as ações de cada instituição e analisam os dados estatísticos do Observatório de Segurança Pública para deliberarem ações de prevenção e combate ao crime.

Leia Também:  Cônsul da Argentina estuda possibilidades de parcerias em reunião na Seaf

Dentro do GGI há ainda as câmaras temáticas de violência contra a mulher e a de trânsito. A Patrulha Maria da Penha e a realização de Operações Lei Seca Integradas partiram de discussões e sugestões das câmaras e são postas em prática trazendo resultados positivos. As câmaras temáticas têm participação de órgãos como Tribunal de Justiça, Ministério Público, Polícia Rodoviária Federal, dentre outros.

“Há temas que são sensíveis ao município e que não estão ao alcance da Secretaria de Segurança, mas que são enxergados pelo prefeito, pelo comerciante local. Tenho certeza que ao instalar o GGI, onde a gente pode focar os problemas pontuais do município, nós vamos mitigar e melhorar cada vez mais a segurança em Várzea Grande”, destacou o secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante.

O prefeito de Várzea Grande, Khalil Baracat, destacou o GGI será uma forma de aproximar a sociedade dos problemas de Segurança Pública, com esse espaço onde todos os integrantes têm vez e voz.

“Foi criado para que sejam discutidas pautas importantes da Segurança Pública, Várzea Grande avançou muito e o GGI é participativo e a gente acredita que esse é o caminho que nos fará avançar muito no tema”.

Leia Também:  Domingo (04): Mato Grosso registra 455.958 casos e 12.135 óbitos por Covid-19

Participaram da reunião todos os integrantes do GGI e na primeira reunião foi discutido a formação, os representantes de cada órgão.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA