ÁGUA BOA

Política

CPI da Renúncia e Sonegação ouviu delegado responsável pela operação Mustela Putorios

Publicado em

Política


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Renúncia e Sonegação Fiscal da Assembleia Legislativa ouviu hoje (13) o titular da Delegacia Especializada Contra o Crime Fazendário e Contra a Administração Pública (Defaz), Walter Mello. Ele falou sobre a Operação Mustela Putorios (nome científico do furão, remetendo a ideia de “furo” ao posto fiscal) e contra crimes praticados em um posto fiscal da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) em Barra do Garças (509 km a leste de Cuiabá). 

A operação, à época no dia 27/07/2021, cumpriu 31 ordens judiciais dentro do inquérito que apura crimes contra a ordem tributária e de organização criminosa praticados no posto fiscal da Sefaz em Barra do Garças. Outro convidado foi o advogado Gustavo Vetoratto. Ele apresentou uma análise dos 25 anos da Lei Kandir e seus efeitos sobre o Produto Interno Brasileiro (PIB) na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O delegado da Defaz explicou que o resultado da operação realizada pela Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso desbaratou um esquema de sonegação fiscal. Segundo Mello, as informações partiram da Sefaz e a polícia cumpriu 31 medidas judiciais na primeira fase da operação. 

“A delegacia está fazendo a análise dos documentos apreendidos; apontamos para a CPI que o grupo criminoso fazia o monitoramento do posto, e quando o fiscal não estava presente aproveitava as informações que eram transmitidas em redes de aplicativos de celulares para facilitar a comunicação e os motoristas fazerem o “furo” do local. É uma atividade de sonegação de forma grosseira, que comprova à falta de recolhimento dos tributos”, disse Mello.

De acordo com Mello, os sonegadores utilizavam vários esquemas para burlar a averiguação fiscal. Mello disse que o “furo” do posto, o motorista passa com o caminhão sem ser fiscalizado. A polícia civil, de acordo com Mello, acredita que os motoristas estavam desprovidos de documentos fiscais para sair com a mercadoria de Mato Grosso. 

“Diferente de outros casos, que podem ter notas frias, ou usar um crédito fictício para tentar burlar a fiscalização, o caminhoneiro passa sem a documentação pelo posto fiscal devido”. Mello disse que a investigação foi feita durante um ano, com uma média de 15 a 20 caminhões por dia “furando” a fiscalização. 

Leia Também:  Várzea Grande e Acorizal podem ser beneficiados com indicações

“Ali há incidência de ICMS em várias modalidades e em várias alíquotas, mas num cálculo preliminar, presume-se um prejuízo de R$ 50 milhões por ano. Com a fase inicial da operação, temos a convicção que essa modalidade de fraude foi estancada. Vamos para um segundo momento que é a identificação dos beneficiários. Porque há na ponta aqueles que repassam as informações, mas por trás dessas informações pode ter uma transportadora, uma corretora de grãos e eventualmente um produtor que pode ser o beneficiado da sonegação específica”, disse Mello. 

Mello disse que com o levantamento de outros dados, a polícia vai avançar nas investigações. Questionado sobre os servidores que faziam “sonegação”, Mello disse que foi feita pela base de dados que a polícia tinha a sua disposição. “São servidores terceirizados. Não há nenhum servidor de carreira envolvido. São pessoas contratadas que prestam serviços terceirizados. Eles estavam de posse das informações que ocorriam no ambiente do posto fiscal e passavam para os outros integrantes das organizações”, explicou.

Muitas vezes, segundo Mello, o caminhoneiro simulava a parada no posto fiscal e caso não tivesse a fiscalização, ele “furava”. Em muitos casos tinham até batedores. A pessoa passava num veículo de passeio e remetia as informações às redes de criminosos”, disse Mello. 

Para o delegado, o que contribuiu para a sonegação fiscal foi a pouca estrutura física como, por exemplo, de barreiras à retenção dos caminhões e também pelo baixo número de pessoas que trabalham no local. “Eles se aproveitaram de uma questão estrutural para desenvolver essa modalidade de fraude”, disse Mello. 

 O presidente da CPI, deputado Wilson Santos (PSDB), afirmou que a operação estancou mais um ponto de evasão fiscal do estado. “A sonegação passa pela lateral do posto fiscal, sem que nenhum agente público observe. É um esquema onde 31 pessoas já foram notificadas e estão respondendo a inquéritos. Chega a ser absurdo sonegar ‘em cima’ do posto fiscal de Barra do Garças” destacou o parlamentar. 

Santos disse que recentemente o governo fechou uma unidade fiscal no município de Cocalinho e inaugurou uma ponte ligando Mato Grosso ao Estado de Goiás. Segundo ele, a economia da região está crescendo com a produção de soja, algodão e milho. “Então a sonegação de Mato Grosso para Goiás tem aumentado. Deveriam ter feito o contrário, reativado a unidade de Cocalinho e implantado novos postos. Mas isso não vem acontecendo”, disse.

Leia Também:  AL atende deputado e inicia transmissões com intérprete de libras

Por meio da CPI, o presidente Wilson Santos vai encaminhar à Sefaz e à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) sugestões para vedar qualquer possibilidade de passagem nas laterais dos postos de fiscalização de Barra do Garças e nos demais de Mato Grosso. 

Santos disse que vai apresentar, ainda nesta semana, um requerimento convocando o ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Gavan. O convite é para Galvan explicar à CPI a denúncia feita pelo próprio filho sobre mau uso de recurso do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) dentro da Aprosoja, época em que Galvan foi presidente da associação. 

“A CPI vai dar oportunidade ao Galvan para se explicar. Afinal foi o próprio filho quem disse que quando o Galvan presidiu a Aprosoja/MT malversou recursos do Fethab, que é dinheiro público. A Controladoria-Geral do Estado tem esse entendimento. A comissão parlamentar quer que ele esclareça isso. São quase R$ 500 milhões que passaram pela Aprosoja, desde a criação do Fethab em 2000”, disse Santos.  

Em relação a esse requerimento, o deputado Carlos Avallone (PSDB) pediu que a apresentação do documento fosse adiada a pedido do deputado Valmir Moretto (PSL). Na CPI, Moretto é relator do agronegócio.  “Não pedi vista, o relator da área pediu que essa decisão fosse feita com a participação dele. Vamos fazer uma reunião e discutir o assunto. Sou a favor de todos aqueles que estiverem envolvidos em denúncias e que precisam ser apuradas”, disse Avallone. 

De acordo com Avallone, o delegado disse que é um furo simplório. “E agora, a Defaz vai precisar de mais um tempo para saber em que segmento e quem participou dessa sonegação. Isso será fundamental para evitar que novas fraudes aconteçam”, disse. 

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Dal Molin convoca audiência pública para debater redução de carga tributária em Mato Grosso

Publicados

em


Foto: Marcos Lopes

Apontada por especialistas como o maior entrave para o desenvolvimento econômico, o valor da carga tributária praticada no estado será o tema de uma audiência pública prevista para o dia 15 de outubro na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). O debate foi convocado nessa quarta-feira (15), pelo deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC) por meio do Requerimento 505/2021. 

A audiência pública será realizada de forma virtual, conforme estabelece as medidas administrativas adotadas pela ALMT a fim de prevenir a propagação da covid-19. 

Ao justificar o pedido, o parlamentar cita a complexidade do sistema tributário adotado pelo Estado e, que segundo ele, “resulta em gargalos logísticos e uma enorme insegurança jurídica para diferentes setores da economia”. 

“É urgente, e o ambiente é propício para que se discuta o “custo Mato Grosso”, se identifique mecanismos que possam auxiliar na retomada da atividade econômica, bem como na geração de emprego e renda”, avalia Dal Molin ao complementar que o setor de prestação de serviços, entre outros mais vulneráveis, ainda sente os efeitos causados pelas medidas restritivas impostas desde o início da pandemia. 

Leia Também:  Faissal questiona local de construção de ponte entre Canabrava do Norte e São Felix do Araguaia.

Ainda de acordo com o parlamentar, o Estado apresenta um crescimento vertical contínuo, enquanto setores essenciais para o aquecimento da economia, como agricultura, agroindústria e mineração, evoluíram de forma horizontal.

 “Chegou a hora do Estado servir ao seu povo. O Estado não pode ficar rico em detrimento ao trabalhador. Chegou a hora de discutirmos a redução dos impostos que incidem nos combustíveis, energia elétrica, gás de cozinha e do ICMS (…). Temos a obrigação moral de reduzir o custo de vida do cidadão mato-grossense e daqueles que geram empregos em todas as áreas da economia”, assinala o autor da célebre frase: “Mais gestão, menos impostos”. 

Foram convidados para participar da audiência: o governador Mauro Mendes (DEM), o secretário de Estado de Fazenda, Rogério Luiz Gallo, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Cesar Alberto Miranda dos Santos Costa, além de membros de entidades representativas como a Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Mato Grosso (Facmat), Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Mato Grosso, Associação dos Condutores e Transportadores de Mato Grosso (Acontrans), entre outros. 

Leia Também:  AL atende deputado e inicia transmissões com intérprete de libras

Aumento de arrecadação 

Segundo relatório emitido pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), no primeiro quadrimestre deste ano (2021), Mato Grosso registrou aumento na arrecadação de 26,2% se comparado com igual período do ano anterior. 

Já o faturamento total tributável saltou de R$ 119,5 milhões para R$ 172,5 milhões o que representa um acréscimo de quase 44%, gerando superávit e superando os efeitos econômicos negativos causados pela pandemia da covid-19. 

Nessa mesma linha, a arrecadação sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) aumentou 22%. Entre os setores que mais influenciaram no aumento da arrecadação estão: agropecuária (60%), indústria (40%) e comércio e serviços (25%).

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA