ÁGUA BOA

Saúde

Apenas 5,5 milhões de pessoas se vacinaram contra a gripe em São Paulo

Publicado em

Saúde


Cerca de 5,5 milhões de pessoas foram vacinadas contra a gripe no estado de São Paulo. Com isso, o estado atingiu apenas 40% da meta de imunizar 13 milhões nas primeiras duas fases da campanha de vacinação contra a Influenza. Apesar de estar abaixo da meta, a cobertura vacinal no estado é superior à média nacional. Em todo o Brasil, menos de 30% do público-alvo compareceu a um posto de saúde para tomar a vacina de gripe este ano.

Hoje (9), a campanha de vacinação contra a gripe entra na terceira etapa e começa a atender novo público-alvo.

Até o dia 9 de julho devem ser vacinados 5,1 milhões pessoas com comorbidades e com deficiência (física, auditiva, visual, intelectual e mental ou múltipla); caminhoneiros, trabalhadores portuários e de transporte coletivo; profissionais das forças armadas, de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional; população privada de liberdade e jovens e adolescentes sob medidas socioeducativas.

Abaixo da meta

Na primeira fase, iniciada no dia 12 de abril, a campanha era destinada a vacinar 5,5 milhões de crianças, gestantes, profissionais da saúde e puérperas, além de indígenas. Mas apenas 2,7 milhões de pessoas desse público-alvo compareceram aos postos de saúde – 1,79 milhão de crianças (54,4% de cobertura vacinal), 208,2 mil gestantes (47,6%), 683 mil profissionais da saúde (44%), 39,1 mil puérperas (54,4%) e 5,8 mil indígenas (100%).

Leia Também:  Com hospitais lotados, MS vai transferir pacientes para outros estados

Na segunda fase da campanha, terminada ontem, era a vez de imunizar 7,8 milhões de idosos e professores, mas apenas 2,7 milhões compareceram. Desses grupos, foram vacinados 2,5 milhões de idosos (35,4%) e 195,2 mil professores (35,8%).

De acordo com a Secretaria de Saúde, esses grupos podem continuar comparecendo aos postos mesmo com o início da terceira etapa da campanha, que se estende até o dia 9 de julho.

“Contamos com a participação dos nossos idosos e também dos professores para que se protejam contra o vírus Influenza. É fundamental a conscientização de todos os públicos da campanha para a vacinação”, reforçou a diretora de Imunização da Secretaria, Nubia Araújo.

Segundo dados da secretaria, em 2020, foram registrados no estado de São Paulo, 809 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) atribuíveis ao vírus Influenza, com 119 óbitos.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde

Publicados

em


Até o momento, 82% dos indígenas atendidos pela Secretaria de Saúde Indígena do Ministério da Saúde (Sesai) receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19. Já a segunda dose do imunizante foi aplicada em 71% desse público.

O balanço foi divulgado hoje pelo Ministério. Segundo a pasta, a Sesai é responsável por atender com serviços de saúde 755 mil indígenas de mais de seis mil aldeias. Do orçamento de R$ 1,5 bilhão da SESAI, R$ 76 milhões foram gastos no combate à pandemia.

Conforme o comunicado, o órgão fez 20 missões interministeriais em aldeias, que resultaram em 60 mil atendimentos. De acordo com o Ministério da Saúde, foram disponibilizados 6,6 milhões de insumos, entre testes para a covid-19, medicamentos e equipamentos de proteção individual (EPIs).

Decisão do STF

Em julho do ano passado, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso deu decisão determinando que o governo federal adotasse medidas mais efetivas para proteger os indígenas e que desenvolvesse um Plano de Enfrentamento da Covid-19 para os Povos Indígenas Brasileiros, a ser elaborado com a participação das comunidades e do Conselho Nacional de Direitos Humanos.

Leia Também:  Governador do Amazonas é alvo de operação da Polícia Federal

O ministro determinou que as ações de saúde indígena também atendessem às demandas de indígenas não aldeados. Contudo, no balanço da Secretaria o órgão afirma que a responsabilidade é de estados e municípios.

“Em relação aos indígenas que vivem no contexto urbano, conforme legislação vigente, cabe aos estados e municípios o atendimento dessas pessoas. Atualmente, mais de 180 mil indígenas que vivem em contexto urbano, e que estão sob responsabilidade dos demais entes da federação, já estão cadastrados no Programa Previne Brasil”, diz o texto.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA