ÁGUA BOA

Saúde

Covid-19: Amazonas fica um dia sem novas mortes pela doença

Publicado em

Saúde


Na terça-feira (6) foi a primeira vez em 16 meses de pandemia que o estado do Amazonas não registrou uma nova morte por covid-19. A situação no estado, que foi o epicentro da pandemia no início de 2020 e no começo deste ano, sinalizou avanços, mas é visto ainda com cautela pelas autoridades de saúde.

Na avaliação do presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, Cristiano Fernandes, a marca registrada se deve ao avanço da vacinação no estado. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, foram aplicadas até o momento 904.600 doses.

“A não notificação de óbitos é reflexo do avanço da vacinação. Temos notado uma redução da taxa de internações na população de acima de 60 anos, o grupo primeiramente imunizado. A gente ainda tem pessoas com quadro grave e que o desfecho nem sempre é favorável”, declara.

Contudo, Fernandes diz que a marca não pode ser considerada um sinal para descuidos e que ainda há um caminho a percorrer para imunizar a população do estado. No boletim de ontem, o governo estadual registrou seis mortes por covid-19.

Leia Também:  Casos de Covid aumentam e ocupação de UTIs passa de 90%, diz boletim da SES

“Precisamos avançar na 2ª dose. Precisamos manter a população atenta e alerta principalmente sobre as medidas não farmacológicas. A gente precisa manter a guarda. A população precisa entender que, apesar do cenário mais favorável, a gente não pode relaxar porque essa é uma doença muito traiçoeira”, diz.

No estado, desde o início da pandemia, morreram 13.355 pessoas. No total, 405.609 amazonenses foram infectados pelo novo coronavírus. 

Atualmente a taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para tratamento de covid-19 está em 60,4%, sendo de 39,7% para leitos clínicos. Na capital, Manaus, 393 pacientes seguem internados, sendo 185 em leitos clínicos, 207 em UTI e um em sala vermelha.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Estudo diz que CoronaVac eleva resposta em pacientes imunossuprimidos

Publicados

em


Um estudo conduzido por pesquisadores do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) com pacientes imunossuprimidos mostrou que a vacina contra o coronavírus CoronaVac foi bem sucedida ao aumentar os níveis de anticorpos contra a doença. A pesquisa foi publicada, em julho, na revista científica britânica Nature

Pacientes imunossuprimidos são aqueles cujos mecanismos normais de defesa contra infecção estão comprometidos.

A pesquisa, conduzida com 910 pacientes com doenças reumatológicas autoimunes, além de 182 pessoas em um grupo de controle, mostrou que a vacina é capaz de aumentar em 70,4% o percentual de anticorpos IgG que combatem o vírus. No grupo de controle, a elevação no número de anticorpos chegou a 95,5%.

Em relação aos anticorpos neutralizantes, o estudo indicou uma elevação de 56,3% entre os imunossuprimidos e de 79,3% no grupo de controle de adultos saudáveis.

A pesquisa destaca, ainda, que pessoas com doenças autoimunes, em que o sistema imunológico ataca o próprio organismo, são tratadas frequentemente com medicamentos que reduzem os níveis de anticorpos e, consequentemente, a capacidade de resposta do corpo à doença.

Leia Também:  Menos mortes de idosos por covid-19 indicam avanço de vacina

Reações adversas

Também não foram anotadas reações adversas moderadas ou graves após aplicação da vacina, produzida no Brasil em uma parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac. 

As reações mais relatadas foram dor no local da injeção, por 19,8% dos imunossuprimidos e 17% do grupo de controle, dores de cabeça (20,2% entre os imunossuprimidos e 11% no grupo de controle) e sonolência (13,6% nos imunossuprimidos e 10,4% no grupo de controle).

Os pesquisadores apontam, também, no texto da publicação científica, que o levantamento comprovou a capacidade da vacina de reduzir no curto prazo o número de casos sintomáticos de covid-19. No entanto, o grupo disse que os efeitos a longo prazo ainda estão sendo estudados, inclusive a necessidade de um reforço vacinal.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA