ÁGUA BOA

Saúde

Lactantes com comorbidades poderão tomar vacina em São Paulo

Publicado em

Saúde


A capital paulista  antecipou para a próxima segunda-feira (7) a vacinação contra a covid-19 das lactantes com comorbidades e que estejam amamentando bebês de até 1 ano. A estimativa é vacinar 28 mil pessoas. 

O secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, disse que, para esse público, além do comprovante da comorbidade e de residência no município de São Paulo, será necessária a apresentação da certidão de nascimento do bebê, até 12 meses de idade. 

Assim como os demais grupos contemplados na imunização, as lactantes poderão receber o imunizante nas 468 unidades básicas de Saúde (UBS), AMA/UBS Integradas e nos dez mega postos implantados na cidade. Quem precisar tomar a segunda dose deve procurar uma das UBSs da capital. Para a primeira dose serão utilizados os imunizantes da Pfizer e da Oxford/AstraZeneca. 

“Não há restrição de vacinas a serem administradas nas lactantes, diferentemente das grávidas e puérperas”, ressaltou o secretário. 

A Secretaria Municipal da Saúde recomenda que a ida aos locais de vacinação aconteça de maneira gradual, evitando aglomerações nos postos, e com o pré-cadastro no site Vacina Já preenchido, para agilizar o tempo de atendimento. Basta inserir dados como nome completo, CPF, endereço completo, telefone e data de nascimento para concluir o cadastro.
 

Leia Também:  Ministério autoriza mais leitos de suporte pulmonar para os estados

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde

Publicados

em


Até o momento, 82% dos indígenas atendidos pela Secretaria de Saúde Indígena do Ministério da Saúde (Sesai) receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19. Já a segunda dose do imunizante foi aplicada em 71% desse público.

O balanço foi divulgado hoje pelo Ministério. Segundo a pasta, a Sesai é responsável por atender com serviços de saúde 755 mil indígenas de mais de seis mil aldeias. Do orçamento de R$ 1,5 bilhão da SESAI, R$ 76 milhões foram gastos no combate à pandemia.

Conforme o comunicado, o órgão fez 20 missões interministeriais em aldeias, que resultaram em 60 mil atendimentos. De acordo com o Ministério da Saúde, foram disponibilizados 6,6 milhões de insumos, entre testes para a covid-19, medicamentos e equipamentos de proteção individual (EPIs).

Decisão do STF

Em julho do ano passado, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso deu decisão determinando que o governo federal adotasse medidas mais efetivas para proteger os indígenas e que desenvolvesse um Plano de Enfrentamento da Covid-19 para os Povos Indígenas Brasileiros, a ser elaborado com a participação das comunidades e do Conselho Nacional de Direitos Humanos.

Leia Também:  Ministério autoriza mais leitos de suporte pulmonar para os estados

O ministro determinou que as ações de saúde indígena também atendessem às demandas de indígenas não aldeados. Contudo, no balanço da Secretaria o órgão afirma que a responsabilidade é de estados e municípios.

“Em relação aos indígenas que vivem no contexto urbano, conforme legislação vigente, cabe aos estados e municípios o atendimento dessas pessoas. Atualmente, mais de 180 mil indígenas que vivem em contexto urbano, e que estão sob responsabilidade dos demais entes da federação, já estão cadastrados no Programa Previne Brasil”, diz o texto.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA