ÁGUA BOA

Saúde

Ministérios se unem para atender pessoas em vulnerabilidade social

Publicado em

Saúde


Os ministérios da Saúde e da Cidadania assinaram uma parceria, hoje (30), para formar trabalhadores da saúde e da assistência social para atuarem em ações de atendimento a pacientes em situação de vulnerabilidade social com HIV/Aids, tuberculose, hanseníase e hepatites virais. 

O objetivo da parceria é fortalecer a integração entre o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas) na assistência às pessoas que procuram unidades de saúde ou centros de assistência social.

A formação será oferecida por meio de ensino à distância, totalizando 60 horas. As atividades educativas trarão conteúdos sobre a intersecção entre as situações de vulnerabilidade e as enfermidades.

O curso também discutirá o funcionamento dos sistemas, os processos de controle social existentes e as dinâmicas de participação da população e das comunidades onde os serviços são prestados.

“Cada uma das doenças tem condição social como fator de agravamento dos quadros clínicos. Vamos construir diretrizes que contemplem oficinas e capacitação em EAD [ensino a distância]. Profissional de saúde vai ganhar ferramentas para dialogar com colega da assistência social. Precisamos derrubar barreiras e estabelecer conexão entre SUS e Suas”, explicou o ministro da Cidadania, João Roma, em evento online de assinatura do acordo.

Leia Também:  Prefeitura de SP suspende vacinação contra covid-19 nesta terça-feira

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Rio: 24 cidades estão sem mortes por covid-19 há duas semanas    

Publicados

em


Dos 92 municípios do estado do Rio, 24 estão há duas semanas sem registrar mortes por covid-19. O levantamento é de técnicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgado nesta sexta-feira (30). A análise levou em consideração dados das semanas epidemiológicas 27 e 28, período de 4 a 17 de julho.

As cidades sem óbitos provocados pela doença são: Aperibé, Armação dos Búzios, Arraial do Cabo, Cambuci, Cantagalo, Cardoso Moreira, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Cordeiro, Duas Barras, Italva, Itaocara, Laje do Muriaé, Macuco, Miguel Pereira, Paracambi, Paty do Alferes, Rio das Flores, Santa Maria Madalena, São José de Ubá, São Sebastião do Alto, Sumidouro, Trajano de Moraes e Varre-Sai.

O secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe disse que é importante destacar que essa análise não pode ser feita com semanas tão próximas. “É preciso respeitar 15 dias, ao menos, para que as informações estejam mais consolidadas. O resultado é consequência da vacinação no estado do Rio de Janeiro, que já atingiu mais de 50% de toda população fluminense adulta com ao menos uma dose da vacina”, avaliou.

Leia Também:  MP prorroga vigência de medidas excepcionais durante a pandemia

A secretaria informou ainda que muitos casos são notificados após a data do óbito. Por essa razão, desde o início da pandemia, recomenda-se que a análise das informações seja feita pela data de ocorrência da morte; e não pela data de notificação ou confirmação.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA