ÁGUA BOA

Saúde

Pesquisa de vacinação em massa em Paquetá mostra resultado positivo

Publicado em

Saúde


Os primeiros resultados da avaliação de mais de 2,3 mil exames sorológicos coletados para o estudo PaqueTá Vacinada, indicam que 21% das crianças e adolescentes da ilha apresentam anticorpos contra a covid-19, por terem sido expostos ao coronavírus. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS), antes da primeira dose do projeto ser aplicada nos voluntários, 40% dos adultos não vacinados e 90% dos vacinados previamente à pesquisa testaram positivo para a presença dos anticorpos.

A análise faz parte do estudo da secretaria com apoio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que avalia os efeitos da imunização em larga escala, realizada no dia 20 de junho na população residente, com a cobertura vacinal total da população alvo acima de 18 anos de idade. A pesquisa faz o monitoramento epidemiológico da população da Ilha de Paquetá, um bairro da cidade do Rio de Janeiro, no nordeste da Baía de Guanabara.

Os pesquisadores querem identificar qual é a segurança do imunizante e como a vacinação em massa atua na proteção das pessoas que não foram vacinadas, como é o caso das crianças e adolescentes. Vai ser analisado ainda se a primeira dose da vacina será capaz de evitar a transmissão dos casos na região ou se isso só acontece efetivamente após a aplicação da segunda dose.

Leia Também:  Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil

Paquetá tem uma população de 4.180 moradores, dos quais 3.530 são maiores de 18 anos de idade cadastrados na Estratégia Saúde da Família. Receberam os imunizantes quem ainda não tinha sido vacinado, e não foi permitida a participação de turistas. Antes da vacinação do dia 20, os moradores passaram por exame de sangue sorológico, que será repetido ao longo da pesquisa.

O secretário de Saúde, Daniel Soranz, informou que a vacinação no bairro atingiu 96% da população, incluindo os que foram imunizados pelo projeto. “Das pessoas que colheram sangue, 21% delas que têm mais de 18 anos, das crianças e adolescentes já tinham tido contato com covid, então a gente já sabe que 21% das pessoas de Paquetá já tinham tido contato com covid. Dos adultos que não se vacinaram, 40% deles já tinham tido contato, tiveram o exame sorológico também positivo, com sua prevalência de 40%. Das pessoas que tomaram a primeira e segunda dose, 90% delas tinham soro conversão para covid, o que mostra uma proteção bastante alta das pessoas que já tinham sido vacinadas”, explicou.

Leia Também:  Covid-19: Anvisa recebe pedido para uso de novo imunizante

“Agora a gente entra em uma nova fase, que é a vacinação dos adolescentes de Paquetá. Posterior a ela, a segunda fase com a aplicação da segunda dose da população de Paquetá”, disse.

Serrana

Uma pesquisa semelhante foi desenvolvida na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, e demonstrou efeitos positivos de uma campanha de vacinação em massa. O município de 45 mil habitantes começou a apresentar redução significativa na identificação de novos casos de covid-19 e óbitos relacionados à doença, após atingir 75% da população vacinada.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: prefeitura de SP mostra preocupação com variante Delta

Publicados

em


O Secretário Municipal de Saúde da capital paulista Edson Aparecido disse hoje (3) que a cidade continua intensificando as ações de prevenção contra a covid-19, principalmente no momento em que há variantes de preocupação em circulação como a variante Delta, identificada inicialmente na Índia. Apesar de destacar a prevalência da variante Gama (anteriormente conhecida como P1) no país, o secretário enfatizou que a Delta já foi identificada em 23 casos de covid-19 no município entre 5 e 27 de julho. 

Segundo Aparecido, apesar de os dados disponíveis sobre a transmissibilidade ou gravidade da variante Delta ainda serem limitados com relação às outras variantes, as modelagens feitas até o momento pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sugerem taxa de crescimento maior do que as outras variantes circulantes na Índia, o que automaticamente sugere maior potencial de transmissão. 

“Em função de todo esse quadro, a Secretaria intensificou as ações e continua reforçando as recomendações de uso correto da máscara, distanciamento social, higienização das mãos e evitar aglomerações. Caso apresente algum sintoma de síndrome gripal, procurar uma unidade de saúde e investigar qualquer caso suspeito por meio de exames clínicos e laboratoriais. Além disso, os casos devem ficar em isolamento por dez dias e seus contatos próximos fazer quarentena por 14 dias”, disse. 

De acordo com o secretário, todos os que tiverem sinais de contaminação e os que tiveram contato com essas pessoas receberão máscaras N95. Segundo ele, as barreiras sanitárias em terminais rodoviários, de carga e aeroportos continuam. “Vamos distribuir em toda a rede 500 mil máscaras para a contenção da disseminação da variante. Os casos leves e moderados são atendidos e acompanhados pela atenção básica com monitoramento por 14 dias, com avaliação clínica e de oximetria”, explicou Aparecido.

Leia Também:  Estado do Rio de Janeiro registra 44 casos da variante Delta

Segundo Aparecido, não há evidências de aumento de casos de covid-19 entre crianças e adolescentes, motivo pelo qual não há previsão de implantação de novos leitos pediátricos nas unidades de internação da cidade. “Nós tínhamos 118 leitos pediátricos antes da pandemia e continua esse número, além de outros dez no Hospital de São Miguel e dez de UTI neo-natal em Itaquera. No momento, não temos nenhuma criança ou adolescente com covid internada”. 

O secretário ressaltou ainda que a cidade continua registrando queda nas internações e nas mortes, mas ainda há estabilidade no número de casos. “A transmissibilidade, que registra aumento de pouco mais de 1%, pode ser fruto da circulação da variante Delta e do momento sazonal com baixas temperaturas, no qual é comum o avanço de casos de síndrome gripal. Por isso é preciso ficarmos atentos, para termos uma transição segura até o final da vacinação total”. 

Adesão à vacinação

Segundo o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, a cidade registra uma grande adesão à vacina, com a imunização em torno de 83,8% do público alvo com a primeira dose. “Agradeço a grande adesão da população de São Paulo. Por conta disso, podemos anunciar a ampliação dos alunos nas escolas e iniciar uma cautelosa retomada da economia, fundamental para combater a desigualdade social”, afirmou.

Leia Também:  Covid-19: projeto oferece apoio psicológico online para superar o luto

Nunes anunciou ainda a antecipação da vacinação de pessoas com 25 anos para a próxima sexta-feira (6) . Na quinta-feira (5) será a vez dos munícipes com 26 anos e os de 27 podem se vacinar amanhã (4). No sábado (7), aqueles que precisarem tomar a segunda dose, podem ir aos postos de vacinação. 

Para receber a vacina, é obrigatório apresentar comprovante de residência na capital e um documento de identificação. Pelo Filômetro, é possível acompanhar a situação de espera nos postos de vacinação contra a covid-19 que estão em funcionamento na cidade.

Nunes informou ainda que a capital paulista está com 41% dos leitos de UTI voltados para pacientes com covid-19 ocupados, enquanto 25% dos leitos de enfermaria voltados para pacientes com covid-19 estão ocupados.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA