ÁGUA BOA

Saúde

Rio fará, em setembro, busca dos que não tomaram segunda dose

Publicado em

Saúde


A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro vai fazer em setembro uma busca ativa das pessoas que não tomaram a segunda dose da vacina contra a covid-19. O secretário Daniel Soranz disse que é importante alcançar o máximo de pessoas imunizadas na cidade. Ele espera chegar em agosto com 90% das pessoas imunizadas com a primeira dose. A vacinação na população adulta com mais de 18 anos de idade termina no dia 18 de agosto.

Soranz disse que a intenção da secretaria é, em setembro, buscar todas as pessoas que por algum motivo não quiseram tomar a vacina ou tiveram empecilho para se vacinar na data correta. “A gente vai detalhar todos os cadastros em uma grande busca ativa na cidade do Rio para tentar diminuir muito o número de cariocas que não se vacinaram. Então, é um mês super estratégico. É um dos meses mais importantes da campanha, porque é o mês que a gente vai fazer a busca ativa de quem não se vacinou”, explicou durante a apresentação, hoje (16), do 28º Boletim Epidemiológico da Prefeitura do Rio de Janeiro.

A semana de vacinação termina neste sábado (17) com a imunização dos homens com 37 anos de idade. E encerra também amanhã a repescagem de pessoas com deficiência, que começou a vacinação na segunda-feira (12). O secretário informou que na semana que vem terminará a aplicação da segunda dose no grupo de 60 anos de idade ou mais. 

Na semana que vem volta a repescagem por idade e, segundo o secretário, será feita na quarta-feira (21) e no sábado (24).

Percentuais atingidos

A prefeitura comemorou o percentual de 91,6% de imunização das pessoas de 40 a 49 anos de idade com a primeira dose, que foi o último grupo a atingir esse patamar, já alcançado por outras faixas etárias. “Mostrando que a gente não está deixando ninguém para trás, a gente está avançando e garantindo as coberturas preconizadas para cada faixa etária”, disse o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Márcio Garcia.

Leia Também:  HIV: estudo mostra resistência de mutação a remédio usado no Brasil

Garcia informou que os calendários anunciados pela prefeitura indicam que em novembro estará concluído o esquema completo com a aplicação das duas doses em toda a população da cidade do Rio de Janeiro. “Esse é o objetivo maior, com esquema completo até o mês de novembro tendo D1, D2 ou dose única em toda a população carioca, adolescentes e maiores de 18 anos até o final de novembro”.

Antecipação

O calendário de vacinação foi antecipado mais uma vez e se a entrega das vacinas continuar dentro da previsão, a secretaria vai concluir a vacinação da população adulta acima de 18 anos de idade no dia 18 de agosto. Será antecipada ainda a imunização dos adolescentes entre 12 e 17 anos de idade, que será concluída em 10 de setembro. No mês, será encerrada a vacinação de toda a população acima de 12 anos de idade com a primeira dose.

Em agosto, segundo o secretário, não está prevista a repescagem nas duas primeiras semanas, porque é um mês de vacinação intensa em que a secretaria quer aumentar muito a cobertura vacinal. “No mês de agosto, a gente recomenda que as pessoas se vacinem nos seus dias. Mulheres de manhã e homens à tarde, como está no calendário. O mês de repescagem mesmo vai ser setembro. Se alguém não se vacinou no seu dia, vai poder se vacinar posteriormente nos 15 dias do mês seguinte. Nas duas primeiras semanas de agosto não terá repescagem. É importante que as pessoas respeitem os seus dias e não escolham vacina”, alertou o secretário Daniel Soranz.

Leia Também:  Saúde prevê economizar até R$ 150 bilhões com avanço da vacinação

Idosos

Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde, se houver recomendação do Programa Nacional de Imunizações (PNI), a prefeitura está preparada para aplicar a dose de reforço somente para idosos. O secretário disse que é uma discussão que está sendo realizada para dar previsibilidade à população sobre a continuidade da imunização. 

“São discussões iniciais que precisam ser aprofundadas. A gente está organizando a nossa logística, mas tem alguns fatores. Primeiro fator é avaliar como estarão os níveis de proteção das pessoas que tomaram a vacina seis meses atrás, que é mais ou menos o que acontece em outubro com o grupo de 80 anos ou mais. Segundo ponto, qual será a orientação do Programa Nacional de Imunizações na época”, explicou Márcio Garcia, acrescentando que muito provavelmente essa vacinação será feita com vacina heteróloga, que é a de fabricantes diferentes das que foram aplicadas nas duas doses anteriores.

O secretário de Saúde, Daniel Soranz, destacou que a aplicação das vacinas heterólogas para todos os grupos é uma outra discussão que precisa ser feita. De acordo com ele, a maior parte das evidências científicas dessas vacinas mostra que elas trazem efeito de proteção superior. “Como a gente está em uma pandemia, atrasos nessas discussões podem gerar danos à população. O Rio de Janeiro pretende dar o máximo de previsibilidade e abrir essa discussão de maneira clara e coerente. É uma pandemia e as informações sempre precisam ser ajustadas durante o processo”, disse.

Ouça na Radioagência Nacional:

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: prefeitura de SP mostra preocupação com variante Delta

Publicados

em


O Secretário Municipal de Saúde da capital paulista Edson Aparecido disse hoje (3) que a cidade continua intensificando as ações de prevenção contra a covid-19, principalmente no momento em que há variantes de preocupação em circulação como a variante Delta, identificada inicialmente na Índia. Apesar de destacar a prevalência da variante Gama (anteriormente conhecida como P1) no país, o secretário enfatizou que a Delta já foi identificada em 23 casos de covid-19 no município entre 5 e 27 de julho. 

Segundo Aparecido, apesar de os dados disponíveis sobre a transmissibilidade ou gravidade da variante Delta ainda serem limitados com relação às outras variantes, as modelagens feitas até o momento pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sugerem taxa de crescimento maior do que as outras variantes circulantes na Índia, o que automaticamente sugere maior potencial de transmissão. 

“Em função de todo esse quadro, a Secretaria intensificou as ações e continua reforçando as recomendações de uso correto da máscara, distanciamento social, higienização das mãos e evitar aglomerações. Caso apresente algum sintoma de síndrome gripal, procurar uma unidade de saúde e investigar qualquer caso suspeito por meio de exames clínicos e laboratoriais. Além disso, os casos devem ficar em isolamento por dez dias e seus contatos próximos fazer quarentena por 14 dias”, disse. 

De acordo com o secretário, todos os que tiverem sinais de contaminação e os que tiveram contato com essas pessoas receberão máscaras N95. Segundo ele, as barreiras sanitárias em terminais rodoviários, de carga e aeroportos continuam. “Vamos distribuir em toda a rede 500 mil máscaras para a contenção da disseminação da variante. Os casos leves e moderados são atendidos e acompanhados pela atenção básica com monitoramento por 14 dias, com avaliação clínica e de oximetria”, explicou Aparecido.

Leia Também:  SP: vacinação contra covid-19 para pessoas de 28 anos começou hoje

Segundo Aparecido, não há evidências de aumento de casos de covid-19 entre crianças e adolescentes, motivo pelo qual não há previsão de implantação de novos leitos pediátricos nas unidades de internação da cidade. “Nós tínhamos 118 leitos pediátricos antes da pandemia e continua esse número, além de outros dez no Hospital de São Miguel e dez de UTI neo-natal em Itaquera. No momento, não temos nenhuma criança ou adolescente com covid internada”. 

O secretário ressaltou ainda que a cidade continua registrando queda nas internações e nas mortes, mas ainda há estabilidade no número de casos. “A transmissibilidade, que registra aumento de pouco mais de 1%, pode ser fruto da circulação da variante Delta e do momento sazonal com baixas temperaturas, no qual é comum o avanço de casos de síndrome gripal. Por isso é preciso ficarmos atentos, para termos uma transição segura até o final da vacinação total”. 

Adesão à vacinação

Segundo o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, a cidade registra uma grande adesão à vacina, com a imunização em torno de 83,8% do público alvo com a primeira dose. “Agradeço a grande adesão da população de São Paulo. Por conta disso, podemos anunciar a ampliação dos alunos nas escolas e iniciar uma cautelosa retomada da economia, fundamental para combater a desigualdade social”, afirmou.

Leia Também:  Covid-19: SP vai vacinar grávidas sem comorbidades a partir do dia 10

Nunes anunciou ainda a antecipação da vacinação de pessoas com 25 anos para a próxima sexta-feira (6) . Na quinta-feira (5) será a vez dos munícipes com 26 anos e os de 27 podem se vacinar amanhã (4). No sábado (7), aqueles que precisarem tomar a segunda dose, podem ir aos postos de vacinação. 

Para receber a vacina, é obrigatório apresentar comprovante de residência na capital e um documento de identificação. Pelo Filômetro, é possível acompanhar a situação de espera nos postos de vacinação contra a covid-19 que estão em funcionamento na cidade.

Nunes informou ainda que a capital paulista está com 41% dos leitos de UTI voltados para pacientes com covid-19 ocupados, enquanto 25% dos leitos de enfermaria voltados para pacientes com covid-19 estão ocupados.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA