ÁGUA BOA

Saúde

SP não registra intercorrência a lotes suspensos da CoronaVac

Publicado em

Saúde


O governador de São Paulo, João Doria, disse hoje (8) que o estado não registrou qualquer intercorrência relacionada aos lotes da vacina CoronaVac que foram suspensos  pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ou seja, ele disse que não foram detectados quaisquer sintomas adversos nas pessoas que tomaram esse imunizante. Antes da suspensão, São Paulo já havia distribuído 4 milhões de doses desse imunizante.

Desse total, 224.737 doses ainda não foram aplicadas e vão permanecer armazenadas até que a Anvisa analise e libere esses lotes.

A CoronaVac é uma vacina que está sendo produzida pelo Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac e é aplicada em duas doses.

Segundo o governo paulista, a Secretaria estadual da Saúde está monitorando os pacientes que tomaram a vacina CoronaVac desses lotes que foram suspensos pela Anvisa. As pessoas que receberam essas doses, de acordo com o governo de São Paulo, vão ser observadas por 30 dias como medida preventiva.

De acordo com o governo paulista, antes da distribuição para a população, essas doses passaram por rigoroso controle de qualidade e foram certificadas pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade (INCQS), órgão da Fiocruz, responsável pela avaliação da qualidade de todos os imunizantes distribuídos no Brasil. As vacinas foram validadas e, portanto, tiveram a qualidade garantida para a utilização na população.

Leia Também:  Rio vacina esta semana adolescentes de 14 anos de idade

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, tranquilizou a população informando que essas doses aplicadas dos lotes que foram suspensos pela Anvisa não oferecem riscos à população. “Esses lotes foram produzidos na fabrica da Sinovac que produz todas as vacinas, submetido ao controle de qualidade, e todas as unidades são credenciadas pela Anvisa. O que ocorreu é que a Sinovac colocou em funcionamento várias linhas de envase. As vacinas são produzidas em um local e envasadas em outro. Esse lote foi envasado em uma das fábricas novas, que não havia sido visitado [pela Anvisa]”, explicou Covas.

“Isso criou uma necessidade de acertar a certificação dessa nova unidade. Isso está sendo providenciado, a documentação providenciada. A Anvisa aguarda a chegada do documento da agência sanitária chinesa. Isso deve chegar ainda antes do final dessa semana. Do ponto de vista da qualidade e segurança, não existe dúvida. Foi atestada pelo laboratório de qualidade da Sinovac na China, que é referendado pela Anvisa, testado pelo Butantan, que faz o controle de qualidade, e atestado pelo INCQS, que controla a qualidade de vacinas no Brasil. Não há questionamentos no momento sobre a qualidade e segurança das vacinas”.

Suspensão

No dia 4 de setembro, a Anvisa interditou cautelarmente 25 lotes da vacina CoronaVac, com um total de 12.113.934 de doses do imunizante. Outros 17 lotes envasados no mesmo local, com 9 milhões de doses, estão em tramitação de envio e liberação ao Brasil.

Leia Também:  Covid-19: spray nasal feito no Brasil pode estar disponível até 2022

Segundo o Butantan, foi o próprio instituto quem avisou a Anvisa sobre esses lotes, que foram envasados em um local que ainda não foi inspecionado pela agência brasileira. Por isso, a aplicação de doses desses lotes foram suspensos temporariamente, até que sejam atestadas a qualidade do local onde essas vacinas foram envasadas.

“Nosso controle de qualidade percebeu mudança no padrão. Entramos em contato com a Sinovac e imediatamente comunicamos a Anvisa, que fez a interdição cautelar. A partir dai, começamos a trabalhar com a Anvisa para liberar esses doses”, explicou Rui Curi, diretor-executivo do Butantan. “A vacina tem um controle de qualidade rigoroso, como todo o resto da fábrica. É uma questão apenas de formalização dessa linha de envase”, explicou.

A interdição cautelar tem o prazo de 90 dias. A Anvisa informou que, durante esse período, “trabalhará na avaliação das condições de boas práticas de fabricação da planta fabril não aprovada, no potencial impacto dessa alteração de local nos requisitos de qualidade, segurança e eficácia, e do eventual impacto para as pessoas que foram vacinadas com esse lote”.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Duas cidades mineiras passam a fazer parte de ensaios com a ButanVac

Publicados

em


As cidades mineiras de São Sebastião do Paraíso e Itamogi farão parte dos ensaios clínicos da nova vacina contra a covid-19 do Instituto Butantan. Outra cidade mineira, Guaxupé, já faz parte dos testes. O imunizante, chamado de ButanVac, será o primeiro a ser inteiramente produzido com insumos nacionais. 

O estudo pretende analisar a eficácia da nova vacina e comparar sua resposta imunológica à da CoronaVac.  

“A ButanVac é uma vacina já aperfeiçoada contra a covid-19. É uma vacina que tem uma capacidade de imunização muito boa. Esse tipo de vacina é o tipo mais seguro que existe. É como a da gripe, feita com vírus inativado”, disse o presidente do Butantan, Dimas Covas.

“A vacina tem propriedade para combater as variantes que estão aparecendo, como a delta [B.1.627.2, indiana]. E se a vacina é tudo que a gente já sabe sobre ela, vai ser superior a todas as outras que estão em uso no momento”, acrescentou Dimas.

Inscrição

Podem se inscrever para o ensaio clínica, todos os moradores das duas cidades, com 18 a 59 anos, que não são alérgicos a ovo ou frango, não foram vacinados contra o SARS-CoV-2 e não foram infectados pelo novo coronavírus. Grávidas ou mulheres amamentando não podem participar.

Leia Também:  Brasil recebe mais dois lotes de vacinas da Pfizer

Em Itamogi, a inscrição para o ensaio acontece hoje (17) na Escola Municipal Professora Gelcyra Xavier de Oliveira. Já em São Sebastião do Paraíso, os interessados devem preencher hoje um formulário de inscrição no site da prefeitura. Uma triagem acontecerá amanhã (18) na Câmara Municipal.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA