ÁGUA BOA

Saúde

SUS inclui medicamento para tratamento de atrofia muscular espinhal 2

Publicado em

Saúde


O Sistema Único de Saúde (SUS) passará a oferecer um novo tratamento, com o medicamento Nusinersena (Spinraza), para pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 2. O fármaco já é disponibilizado aos pacientes do tipo 1 da doença desde novembro de 2019, mas o Ministério da Saúde decidiu ampliar seu uso.

Essa decisão ocorreu após audiência pública realizada em março deste ano, quando a sociedade foi ouvida sobre a proposta. Diante do “alto volume de contribuições recebidas e comoção por parte da sociedade”, segundo o ministério, a audiência pública foi realizada e o tratamento para tipo 2 foi incorporado.

A medida foi contra uma recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias em fevereiro. Segundo a entidade,  não havia evidências científicas suficientes para recomendação favorável, considerando o alto investimento que a incorporação para tratamentos dos tipos 2 e 3 exigiriam. Mas a audiência pública reverteu o quadro, ao menos para pacientes do tipo 2.

A AME é uma doença genética que interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína considerada essencial para a sobrevivência dos neurônios motores. Sem ela, os neurônios morrem e as pessoas vão perdendo controle e força musculares, ficando incapacitados de se moverem, engolirem ou mesmo respirarem. O quadro é degenerativo e não tem cura.

Leia Também:  Saúde recebe mais 2,7 milhões de doses de AstraZeneca

A Atrofia Muscular Espinhal possui quatro subtipos, distintos conforme a idade de início dos sintomas. O tipo 1 é o mais grave da doença. A sua incidência é de um caso para cada seis a 11 mil nascidos vivos.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Médica é nomeada para Secretaria de Enfrentamento à Covid-19

Publicados

em


O ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, nomeou nesta quinta-feira (17) a médica Rosana Leite de Melo como secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, do Ministério da Saúde. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A médica especializada em cirurgia de cabeça e pescoço era diretora do Hospital Regional de Campo Grande, um centro de referência para o enfrentamento da covid-19 em Mato Grosso do Sul. 

Rosana é professora da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), servidora federal desde 2003 e já ocupou outros cargos no governo, como o de diretora da Divisão de Desenvolvimento na Educação em Saúde do Ministério da Educação, em 2017.

A infectologista Luana Araújo foi a primeira indicada ao cargo e chegou a participar do anúncio de criação da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, em maio, mas a nomeação não foi oficializada.

Em conversa com jornalistas, o ministro da Saúde, Marcelo Queirogo, cogitou para o cargo a atual coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI), Francieli Fontana Fontineli, mas ao final acabou preferindo um nome de fora da pasta.

Leia Também:  Saúde recebe mais 2,7 milhões de doses de AstraZeneca

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 foi criada em maio por meio de decreto presidencial, com o objetivo de coordenar as medidas de combate à pandemia.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA