ÁGUA BOA

Vale do Araguaia

Água boa e outros municípios do Araguaia esta com nível muito alto; restrições devem ser ampliadas Urgente

Outros 116 municípios, incluindo Cuiabá, estão com classificação de risco alto de contaminação

Publicado em

Vale do Araguaia

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) divulgou, nesta terça-feira (01.06), o Boletim Informativo n° 450 com o panorama da situação epidemiológica da Covid-19 em Mato Grosso.

O documento mostra, a partir da página 11, que 25 municípios registram classificação de risco muito alto para o coronavírus. São eles: Água Boa, Araguainha, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Campo Verde, Canarana, Cláudia, Confresa, Figueirópolis D’Oeste, Guiratinga, Itanhangá, Jangada, Juína, Lucas do Rio Verde, Marcelândia, Nova Mutum, Novo São Joaquim, Rondolândia, Santo Afonso, Santo Antônio do Leste, São José do Povo, Tangará da Serra e Vila Rica.

Outras 116 cidades estão classificadas na categoria alta para a contaminação do coronavírus. Nenhum município foi classificado com risco moderado ou baixo para a Covid-19.

Novo método para classificação

O método para definir a classificação de risco dos municípios foi aprimorado. A mudança foi publicada no Diário Oficial do dia 25 de março de 2021. Desde então, não é levado em consideração apenas o número absoluto dos casos dos últimos quatorzes dias, mas sim a média móvel dos últimos quatorze dias.

Assim, o município não sofrerá uma mudança brusca de um boletim para o outro; a cidade ficará na mesma categoria por pelo menos duas semanas, conforme sua média móvel de casos.

Leia Também:  Água Boa - Lançado neste sábado a primeira edição do Projeto Peixe na Boa; veja vídeo

Também foi aperfeiçoado o cálculo dos casos acumulados. Antes eram considerados os casos acumulados a partir do dia 1º de dezembro de 2020. Com a nova metodologia, a análise será realizada sempre com base nos casos acumulados dos últimos 90 dias.

Confira as medidas de acordo com a classificação de risco:

• Nível de Risco ALTO

a) implementação e/ou manutenção de todas as medidas previstas para os Níveis de Risco BAIXO e MODERADO;

b) proibição de qualquer atividade de lazer ou evento que cause aglomeração;

c) proibição de atendimento presencial em órgãos públicos e concessionárias de serviços públicos, devendo ser disponibilizado canais de atendimento ao público não presencial;

d) adoção de medidas preparatórias para a quarentena obrigatória, iniciando com incentivo à quarentena voluntária e outras medidas julgadas adequadas pela autoridade municipal para evitar a circulação e aglomeração de pessoas.

• Nível de Risco MUITO ALTO

a) implementação e/ou manutenção de todas as medidas previstas para os Níveis de Risco BAIXO, MODERADO e ALTO;

b) quarentena coletiva obrigatória no território do Município, por períodos de 10 (dez) dias, prorrogáveis, mediante reavaliação da autoridade competente, podendo, inclusive, haver antecipação de feriados para referido período;

Leia Também:  Bolsonaro negocia mudanças em projeto que muda ICMS sobre combustíveis

c) suspensão de aulas presenciais em creches, escolas e universidades;

d) controle do perímetro da área de contenção, por barreiras sanitárias, para triagem da entrada e saída de pessoas, ficando autorizada apenas a circulação de pessoas com o objetivo de acessar e exercer atividades essenciais;

e) manutenção do funcionamento apenas dos serviços públicos e atividades essenciais;

§1º Atingida determinada classificação de risco, as medidas de restrição correspondentes devem ser aplicadas por, no mínimo, 10 (dez) dias, ainda que, neste período, ocorra o rebaixamento da classificação do Município.

§2º Os municípios contíguos devem adotar as medidas restritivas idênticas, correspondentes às aplicáveis aquele que tiver classificação de risco mais grave.

§3º Os Municípios poderão adotar medidas mais restritivas do que as contidas neste Decreto, desde que justificadas em dados concretos locais que demonstrem a necessidade de maior rigor para o controle da disseminação do novo coronavírus.

Art. 6º O funcionamento de parques públicos estaduais seguirá as restrições estabelecidas pelos Municípios em que se encontrem e, na ausência de normas a este respeito, poderão ser utilizados, desde que observado o distanciamento mínimo de 1,5m entre as pessoas, ficando vedado o acesso sem o uso de máscara de proteção facial.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Vale do Araguaia

Acidente áereo que aconteceu próximo a São José do Xingu faz 32 anos

Publicados

em

O acidente aconteceu em 1989, restos do avião ainda estão no local. - Foto: Reprodução Agência da Notícia

O erro na rota de navegação que levou à morte de 12 passageiros em um pouso forçado por falta de combustível e bem longe do destino Belém-Pa

Em 1989, passageiros viveram horas de desespero e ficaram quase dois dias isolados no meio da floresta Amazônica. Saindo de Marabá com destino a Belém, o voo 254 não chegou ao seu destino final. Um grave erro na rota fez com que o avião seguisse para o Mato Grosso e não para a capital paraense.

Após o pouso forçado, em uma localidade próxima de São José do Xingu (MT), no meio da mata fechada na Amazônia, os sobreviventes ficaram isolados e depois de 44 horas foram encontrados pelas Forças Armadas e resgatados. Inclusive a pequena Ariadna, na época com menos de 2 anos de idade, foi encontrada sem qualquer arranhão, sua mãe Regina teve ferimentos leves, mas na época disse estar focada em proteger o seu bebê. Ao todo foram 42 sobreviventes e 12 mortos.

Com a força do impacto muitos acentos se desprenderam e flutuaram dentro do Boeing 737-200. O erro de rota foi algo que nos dias atuais, com equipamentos modernos e GPS, não aconteceriam com facilidade. Em inquérito concluído pela Aeronáutica, o comandante, Cézar Augusto Pádula Garcez, e o copiloto, Nilson de Souza Zille, inseriram a rota no sistema de navegação da aeronave de maneira errada, digitando 270 em vez de 027, que era a rota correta para o trecho Marabá-Belém.

Leia Também:  "Meu namorado foi tomar banho e ela entrou", diz mulher que matou amiga em MT; veja vídeo

O avião ficou perdido e se distanciou muito da rota original, cerca de 1,1 mil km distante de Belém. O pouso forçado aconteceu porque a aeronave não tinha combustível suficiente para chegar em um aeroporto. O piloto Garcez e o copiloto Zille foram condenados a quatro anos de prisão porque, em conclusão da justiça, foram negligentes e colocaram a vida de muitas pessoas em risco. Porém, a pena foi convertida em multa e punição alternativa.

Nélia Ruffeil, ex-repórter e apresentadora da TV Liberal, falou sobre essa tragédia que abalou as famílias que buscavam informações dentro de uma imensa angústia. Mas que para muitas pessoas, essa espera teve um final surpreendente, com cerca de 42 sobreviventes e histórias impressionantes não apenas do acidente aéreo, mas também das horas que ficaram isolados no meio da mata fechada: “E foram três dias de aflição, até que depois, para a surpresa geral de todo mundo, nós descobrimos que tinham sobreviventes e tinha muita gente inclusive que tinha sobrevivido e foi muito emocionante acompanhar, porque ao mesmo tempo que a gente acompanhou a dor das pessoas que perderam os seus familiares, nós também acompanhamos histórias muito emocionantes”.

Leia Também:  Estância Bahia realiza Leilão Judicial on-line de imóveis de delação premiada

A telespectadora Angela Souza relembrou este trágico acidente aéreo, que aconteceu não por falha mecânica e sim humana e que matou 12 pessoas. A telespectadora ressaltou principalmente que a fatalidade poderia ter sido evitada pelos responsáveis pelo voo 254: “por uma falta de interação entre piloto e copiloto, por uma falha humana, toda uma tragédia deveria ter sido evitada”.

Olho no Araguaia –  Agência da Notícia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

AGUA BOA

VALE DO ARAGUAIA

MATO GROSSO

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA